Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

"Messi das Arábias": quem é o fenômeno asiático que meio mundo não conhece?

Rafael Reis

2023-12-20T17:04:00

23/12/2017 04h00

Sua conta no Instagram tem 1 milhão de seguidores, mais do que as de alguns jogadores de Barcelona, Real Madrid e Bayern de Munique. Um vídeo mostrando suas jogadas de efeito no YouTube já foi visualizado 5 milhões de vezes. Seu apelido é "Messi das Arábias". E mesmo assim é bem provável que você não o conheça.

Omar Abdulrahman é um fenômeno de popularidade no Oriente Médio, um atleta quase tão famoso quanto Neymar e Cristiano Ronaldo por lá. Só que o resto do planeta mal sabe de sua existência.

Não à toa uma recente reportagem da rede britânica BBC sobre o meia-atacante o chamou de "o melhor jogador de futebol de quem você jamais ouviu falar".

Nascido em Riad, capital da Arábia Saudita, Abdulrahman só jogou profissional por uma equipe, o Al-Ain, e desde 2011 defende a seleção dos Emirados Árabes Unidos, país onde vive e que lhe concedeu uma nova cidadania.

Ou seja, o camisa 10 é o craque de um time asiático que nunca disputou o Mundial de Clubes (única vez no ano que o restante do planeta olha para o futebol daquele continente) e de uma seleção que não joga a Copa do Mundo. Por isso, quase ninguém que vive longe do Oriente Médio o conhece.

Mas dentro de sua casa, ele é um popstar. O "Messi das Arábias" foi capa da edição local do game "Pro Evolution Soccer 2016", já foi embaixador de um Mundial sub-17 e é garoto propaganda da Nike.

Dono de uma cabeleira digna de David Luiz, o que lhe dá um ar ainda mais carismático, Abdulrahman possui uma habilidade rara no futebol asiático e costuma executar dribles performáticos, dignos de um atleta de freestyle.

Sim, além de extremamente popular, o meia-atacante é um grande jogador. E quem diz isso não sou eu, mas sim os prêmios que ele conquistou e quem costuma vê-lo em ação bem de pertinho.

Em 2016, o camisa 10 do Al-Ain desbancou o sul-coreano Son (Tottenham) e o japonês Okazaki (Leicester) e foi eleito o melhor jogador asiático do ano.

"Para mim, ele é capaz de jogar em qualquer liga da Europa. Quando ele recebe a bola, o estádio inteiro fica na expectativa sobre que ele vai fazer porque sabe que algo de bom vai acontecer. Ele é fantástico", disse o holandês Henk ten Cate, técnico do Al-Jazira, atual campeão dos Emirados, à BBC.

Mas se Abdulrahman é tão bom assim, por que ele continua escondido no Oriente Médio e ainda não foi descoberto por nenhum grande clubes europeu?

Na verdade, ele já foi descoberto. Em 2013, o meia-atacante passou por duas semanas de testes no Manchester City. Desde então, já recebeu propostas de Benfica, Arsenal e Nice, mas todas foram rejeitadas por Mohammed bin Zayed, um príncipe de Abu Dhabi suficientemente rico para esnobar as ofertas vindas da Europa.

Mas, aos 26 anos, Abdulrahman está prestes a viver o momento mais decisivo de sua carreira. O contrato com o Al-Ain termina no fim de fevereiro, e ele já tem em mãos propostas de Everton e Fenerbahce.

Ou seja, a partir de março, o "Messi das Arábias" estará livre para enfim ganhar o mundo. E deixar de ser um popstar que mais da metade do planeta não conhece.


Mais de Cidadãos do Mundo

9 jogadores que estão na mira de Barça e Real para a janela de janeiro
Barcelona e Real têm algum jogador que ainda não estreou por seleção?
Haja despedida: Kaká e mais 7 astros do futebol que se aposentaram em 2017
Como astros de rival do Brasil na Copa ganharam fama de derrubar técnicos

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis