PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Saiba o que o Brasil precisa fazer para virar líder do ranking da Fifa

Rafael Reis

21/03/2017 04h00

Com sete vitórias em sete jogos desde a demissão de Dunga e a contratação de Tite, no meio do ano passado, a seleção está a um passo de retornar à liderança do ranking da Fifa depois de quase sete anos de ausência.

Atual número dois da lista, com 1.534 pontos, o Brasil enfrenta o Uruguai, nesta quinta-feira, em Montevidéu, e o Paraguai, na próxima terça, na Arena Corinthians, pelas eliminatórias da Copa do Mundo-2018.

E há uma série de combinações de resultados que pode fazer com que ele apareça à frente da Argentina, atual líder, com 1.644 pontos, na próxima edição do ranking, que será divulgada em 6 de abril.

Seleção que mais ocupou a liderança da lista da Fifa na história, o Brasil está fora da primeira colocação desde julho de 2010. Nos últimos anos, acumulou resultados negativos que chegaram a colocá-lo no 22º lugar, sua pior posição em todos os tempos.

Conheça abaixo os diferentes cenários desta Data Fifa que podem colocar a equipe pentacampeã mundial no topo do ranking mundial:

SE VENCER URUGUAI E PARAGUAI: Será a seleção número um do mundo, não importa o que aconteça com a Argentina. De acordo com a ferramenta de simulação de resultados, existente do próprio site da Fifa, o Brasil chegará a 1.661 pontos caso vença seus dois próximos compromissos. Mesmo que derrote Chile (22 de março) e Bolívia (27 de março), os argentinos não passarão de 1.655 pontos.

SE VENCER O URUGUAI E EMPATAR COM O PARAGUAI: Chegará a 1.601 pontos e ultrapassará a Argentina caso a equipe de Messi não consiga vencer o Chile. Nesse caso, a seleção dirigida por Edgardo Bauza alcançaria no máximo 1.589 pontos. Mas, se os argentinos baterem os chilenos, então nada feito para o Brasil.

SE VENCER O PARAGUAI E EMPATAR COM O URUGUAI: Alcançará 1.587 pontos e tomará a ponta da Argentina caso ela perca para o Chile ou não vença nenhum dos seus dois compromissos de março. Nesse cenário, a Argentina iria no máximo a 1.557 pontos (vitória sobre a Bolívia e derrota ante os chilenos).

SE VENCER O URUGUAI E PERDER PARA O PARAGUAI: Irá a 1.570 pontos e deixará a Argentina para trás caso ela perca para o Chile ou não vença nenhum dos seus dois compromissos de março. Nesse cenário, a Argentina iria no máximo a 1.557 pontos (vitória sobre a Bolívia e derrota ante os chilenos).

SE VENCER O PARAGUAI E PERDER PARA O URUGUAI: Ficará com 1.551 pontos e terá de torcer demais contra a Argentina para alcançar o primeiro posto. O Brasil só será líder caso a seleção bicampeã mundial (1978 e 1986) some no máximo um ponto nos jogos de março. Nesse cenário, os argentinos não passariam de 1.538 pontos.

SE EMPATAR COM URUGUAI E PARAGUAI: Aparecerá com 1.527 pontos no próximo ranking e só estará à frente da Argentina se ela perder para o Chile e não conseguir mais do que um empate contra a Bolívia. Com essa combinação de resultados, a seleção de Messi terá no máximo 1.522 pontos na lista de abril.

Caso consiga apenas um ponto na soma dos confrontos com Uruguai e Paraguai, o Brasil não terá como assumir a primeira colocação do ranking nesta Data Fifa. Se for derrotado pelos dois, poderá ainda perder a vice-liderança do ranking para o Chile, atualmente quarto colocado.


Mais de Seleções:

– Eliminatórias têm ingressos a R$ 4; Brasil é o mais caro da Conmebol
China tem técnico mais caro que Guardiola, mas patina nas eliminatórias
Para 10 ex-participantes de Copa do Mundo, Rússia-2018 já acabou

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.