Blog do Rafael Reis

Arquivo : talisca

Janela já movimentou R$ 2,6 bi em janeiro; veja os brasileiros mais caros
Comentários Comente

Rafael Reis

A janela de transferências de janeiro já movimentou ao redor do planeta cerca de 607 milhões de euros (quase R$ 2,6 bilhões). Desse total, pelo menos 29% corresponde a negócios envolvendo jogadores brasileiros.

De acordo com o site “Transfermarkt”, especializado no Mercado da Bola, as compras e empréstimos de representantes do futebol pentacampeão mundial nas últimas semanas já fizeram girar pelo menos 176 milhões de euros (R$ 750 milhões).

Crédito: Divulgação

Não à toa, três brasileiros estão no top 10 de maiores negócios do mundo no período.

O meia Paulinho, que estava emprestado pelo Barcelona ao Guangzhou Evergrande, teve seus direitos econômicos adquiridos pelo clube chinês por 42 milhões de euros (R$ 179 milhões) e é o segundo no ranking.

Outro reforço do Evergrande, o meia Anderson Talisca ocupa o quinto lugar, com 19,2 milhões de euros (R$ 81,6 milhões). Lucas Paquetá, que deixou o Flamengo para defender o Milan, é o terceiro, com 35 milhões (R$ 148 milhões).

O negócio mais caro da janela de janeiro no planeta foi a venda do meia norte-americano Christian Pulisic, do Borussia Dortmund, para o Chelsea. O jogador, no entanto, continuará na Alemanha por empréstimo até o fim da temporada.

No mercado nacional, nenhuma transação superou os 15 milhões de euros (R$ 63,8 milhões) desembolsados pelo Flamengo para tirar o meio-campista uruguaio Giorgian de Arrascaeta do Cruzeiro.

Já o brasileiro mais caro negociado entre dois clubes do país foi o centroavante Pablo, ex-Athletico-PR, que foi contratado por 6 milhões de euros (pouco mais de R$ 25,5 milhões) pelo São Paulo.

A janela de transferências dos principais países da Europa (Espanha, Itália, Inglaterra, Alemanha e França) vai até o dia 31 de janeiro. No Brasil, o mercado para a chegada de jogadores vindos do exterior fica aberto até o começo de abril.

OS 10 BRASILEIROS MAIS CAROS DA JANELA DE JANEIRO/2019

1 – Paulinho (BRA, Guangzhou Evergrande) – 42 milhões de euros
2 – Lucas Paquetá (BRA, Milan) – 35 milhões
3 – Talisca (BRA, Guangzhou Evergrande) – 19,2 milhões
4 – Ayrton Lucas (BRA, Spartak Moscou) – 7 milhões
5 – Pablo (BRA, São Paulo) – 6 milhões
6 – Carlos Eduardo (BRA, Palmeiras) – 5,7 milhões
7 – Rodrigo Caio (BRA, Flamengo) – 5 milhões
8 – Matheus Fernandes (BRA, Palmeiras) – 4 milhões
9 – Marcão (BRA, Galatasaray) – 3,5 milhões
10 – Mayke (BRA, Palmeiras) – 3,5 milhões

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS

1 – Christian Pulisic (EUA, Chelsea) – 64 milhões de euros
2 – Paulinho (BRA, Guangzhou Evergrande) – 42 milhões
3 – Lucas Paquetá (BRA, Milan) – 35 milhões
4 – Dominic Solanke (ING, Bournemouth) – 21,2 milhões
5 – Talisca (BRA, Guangzhou Evergrande) – 19,2 milhões
6 – Amadou Haidara (MAL, RB Leipzig) – 18 milhões
7 – Brahim Díaz (ESP, Real Madrid) – 17,3 milhões
8 – Leonardo Balerdi (ARG, Borussia Dortmund) – 15,5 milhões
9 – Giorgian de Arrascaeta (URU, Flamengo) – 15 milhões
10 – Diego Lainez (MEX, Betis) – 14 milhões
TOTAL: 607 milhões


Mais de Brasileiros pelo Mundo

5 destaques de times menores da Europa para seu clube contratar
Como foi o desempenho das novidades do futebol brasileiro para 2019?
7 brasileiros em fim de contrato que já podem assinar com um novo time
6 destaques da Copa São Paulo que hoje estão “desaparecidos” no exterior


Janela já movimentou R$ 1,8 bi em janeiro; Flamengo está no top 10
Comentários Comente

Rafael Reis

O futebol brasileiro tem ajudado a alavancar o mercado global de transferências da janela de janeiro.

O país pentacampeão mundial é o único com mais de um jogador no top 10 dos negócios mais caros desse período de transferências.

Crédito: Divulgação

O meia Lucas Paquetá, que trocou o Flamengo pelo Milan em uma transação de 35 milhões de euros (R$ 151 milhões), é o segundo colocado no ranking.

Já Anderson Talisca, que estava emprestado pelo Benfica ao Guangzhou Evergrande e agora teve seus direitos econômicos comprados pelos chineses por 19,2 milhões de euros (R$ 83,1 milhões), ocupa a quarta posição na lista.

O Brasil também aparece na sétima colocação do ranking, mas aí como nacionalidade do clube comprador (Flamengo) do meia uruguaio Giorgian de Arrascaeta, ex-Cruzeiro, negociado por 15 milhões de euros (R$ 65 milhões), aquisição mais cara da história do futebol nacional.

Além de dois brasileiros e de um uruguaio, o top 10 das maiores contratações da janela de transferências de janeiro pelo mundo conta com jogadores dos Estados Unidos, da Inglaterra, de Mali, da Espanha, da República Democrática do Congo, da Argentina e do México.

O maior negócio deste mês foi a venda do meia norte-americano Christian Pulisic, do Borussia Dortmund, para o Chelsea. O jogador, no entanto, continuará na Alemanha por empréstimo até o fim da temporada.

A transferência do lateral direito Benjamin Pavard, campeão mundial pela seleção francesa e atualmente no Stuttgart, para o Bayern de Munique, que foi anunciada na última quarta-feira, não foi contabilizada, já que o negócio será concretizado apenas na próxima janela de transferências, em julho.

No total, o Mercado da Bola já movimentou em janeiro-2019 pouco mais de 430 milhões de euros (R$ 1,8 bilhão). Doze meses atrás, a janela de início de ano ultrapassou 720 milhões de euros (R$ 3,1 bilhões) em negócios.

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA JANELA DE JANEIRO/2019

1 – Christian Pulisic (EUA, Chelsea) – 64 milhões de euros
2 – Lucas Paquetá (BRA, Milan) – 35 milhões
3 – Dominic Solanke (ING, Bournemouth) – 21,2 milhões
4 – Talisca (BRA, Guangzhou Evergrande) – 19,2 milhões
5 – Amadou Haidara (MAL, RB Leipzig) – 18 milhões
6 – Brahim Díaz (ESP, Real Madrid) – 17,3 milhões
7 – Giorgian de Arrascaeta (URU, Flamengo) – 15 milhões
8 –  Benik Afobe (RDC, Stoke City) – 13,5 milhões
9 – Maximiliano Meza (ARG, Monterrey) – 13,1 milhões
10 – Victor Dávila (MEX, Pachuca) – 10,6 milhões
TOTAL: 434,6 milhões


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam 7 ex-jogadores do Liverpool que “sumiram”?
Penta, Messi deixa brasileiro para trás e vira líder da Chuteira de Ouro
As 10 transferências mais caras da história da janela de janeiro
Como zagueiro de R$ 336 milhões ficou barato para o Liverpool


6 jogadores que merecem um teste na seleção brasileira antes da Copa
Comentários Comente

Rafael Reis

A seleção brasileira inicia nesta semana sua última série de amistosos do ano.

E, ao contrário de outros times importantes, como Argentina e Portugal, que resolveram poupar suas estrelas e usar a data Fifa de novembro para testar opções, o técnico Tite vai usar força máxima nas partidas contra Japão, nesta sexta-feira, e Inglaterra, no dia 14.

A impressão que passa é que, a sete meses do início da Copa-2018, Tite já tem em sua cabeça um grupo praticamente fechado para tentar o hexacampeonato mundial.

Notícia ruim, ou melhor, péssima, para os brasileiros que estão comendo a bola nos gramados nacionais ou da Europa e que sonham com pelo menos uma convocação para tentar convencer o treinador a fazer parte do elenco da seleção.

Listamos abaixo seis jogadores que merecem ser testados por Tite antes da definição dos 23 convocados para a Rússia-2018.

VANDERLEI
Goleiro
33 anos
Santos (BRA)

O goleiro do Santos é praticamente uma unanimidade como o melhor jogador de sua posição neste Campeonato Brasileiro. Não à toa, torcedores (não só santistas) têm usado as redes sociais para pedir que Tite dê uma oportunidade para Vanderlei. A idade elevada e a ausência de uma história na seleção pesam contra o camisa 1 santista, já que ele não é um nome que poderia acompanhar a Copa-2018 como terceiro goleiro para ser preparado para assumir a posição no futuro.

FABINHO
Volante
24 anos
Monaco (FRA)

Campeão francês e semifinalista da Liga dos Campeões da Europa na temporada passada pelo Monaco, esteve a um passo de ser contratado por Paris Saint-Germain e Manchester United, mas acabou permanecendo no clube do Principado. Fabinho é titular absoluto do meio-campo da equipe dirigida por Leonardo Jardim e um dos homens de confiança do treinador português. O camisa 2 até já foi convocado para a seleção, mas na época em que atuava como lateral direito.

ALLAN
Meia
26 anos
Napoli (ITA)

Ex-jogador do Vasco que se mandou para o futebol italiano com apenas 21 anos, Allan vive o melhor momento da sua carreira e é um dos responsáveis diretos pelo sucesso do Napoli nesta temporada. Polivalente, pode atuar como primeiro volante e também como segundo ou até terceiro homem do meio-campo, já que alia um ótimo poder de marcação com boa chegada ao ataque. Allan seria um ótimo nome para ficar na reserva de Paulinho (ou até jogar ao lado do barcelonista).

TALISCA
Meia-atacante
23 anos
Besiktas (TUR)

Depois de uma passagem marcada pela oscilação no Benfica, Talisca cresceu de produção no Besiktas e virou um dos principais nomes do time turco, líder do grupo G da Liga dos Campeões da Europa. O jogador revelado do Bahia, que chegou a ser convocado para a seleção brasileira logo depois da Copa-2014, tem atuado como segundo homem do ataque, posicionado logo atrás do centroavante. Na seleção, teria de jogar mais recuado, na função hoje exercida por Renato Augusto.

RICHARLISON
Atacante
20 anos
Watford (ING)

É possivelmente a maior revelação brasileira na atual temporada europeia. Contratado do Fluminense pelo nanico Watford, Richarlison se adaptou imediatamente ao futebol vertical praticado na Inglaterra e participou ativamente de seis gols nas primeiras dez rodadas da Premier League (meteu três bolas na rede e deu três assistências). Atacante de características semelhantes às de Gabriel Jesus, pode atuar aberto pela esquerda (como tem jogado no Watford) ou dentro da área adversária.

WILLIAN JOSÉ
Atacante
25 anos
Real Sociedad (ESP)

O ex-São Paulo e Grêmio não é certamente o nome dos sonhos do torcedor brasileiro para o comando de ataque da seleção. No entanto, Willian José é um dos poucos centroavantes brasileiros que conseguiu construir uma carreira estável no primeiro escalão do futebol europeu nas últimas temporadas. O camisa 12 fez sucesso no Las Palmas e atualmente é o vice-artilheiro da Liga Europa pela Real Sociedad, com quatro gols em quatro partidas. Mais experiente internacionalmente que Diego Souza, é um homem de área nato, diferente dos outros atacantes convocados por Tite.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Como Talisca renasceu na Turquia e virou astro de zebra da Champions
– Goleiro de sensação do Inglês, Gomes projeta adeus em 2 anos para “ser pai”
– Como Neymar e astros da seleção protagonizaram vexame histórico na base
– 7 brasileiros que podem ser adversários da seleção de Tite na Copa-2018


Como Talisca renasceu na Turquia e virou astro de zebra da Champions
Comentários Comente

Rafael Reis

Na atual edição da Liga dos Campeões da Europa, Anderson Talisca recebe mais passes que Edison Cavani, recupera mais bolas que Marquinhos, cria mais oportunidades de gol que Andrés Iniesta, dribla mais que Marco Verratti e finaliza tanto quanto Gabriel Jesus.

Não é à toa que o ex-jogador do Bahia é o coração da maior surpresa da Champions nesta temporada.

Embalado pelo bom futebol do meia brasileiro, o Besiktas foi um dos cinco clubes que encerraram a primeira metade da fase de grupo da principal competição interclubes da Europa com 100% de aproveitamento. E o único deles que não faz parte do rol de favoritos ao título.

Nesta quarta-feira, porém, o clube empatou a primeira ao ficar no 1 a 1 com o Monaco e está praticamente classificado para as oitavas de final, com 10 pontos.

Um feito e tanto para um clube que não passa da primeira fase da Champions desde 1987 e que nunca foi além das quartas de final alcançadas há exatamente 30 anos.

O sucesso do Besiktas se deve à chegada de reforços experimentados internacionalmente, como o zagueiro Pepe (Real Madrid), o lateral Adriano (Barcelona) e o volante chileno Gary Medel (Inter de Milão). Mas também ao grande momento vivido por Talisca.

O ex-meia do Bahia desembarcou na Turquia em agosto do ano passado depois de duas temporadas no Benfica em que foi de Yaya Talisca (apelido que ganhou em homenagem a Yaya Touré) e convocável para a seleção brasileira a apenas mais uma opção de banco da equipe portuguesa.

Emprestado ao Besiktas até junho de 2018, o brasileiro virou um novo jogador nas mãos do técnico Senol Günes. Para começar, o treinador turco acabou com as eternas dúvidas sobre qual a posição ideal de Talisca e o efetivou como um segundo homem de ataque, que joga logo atrás do centroavante.

A mudança teve efeito imediato. O ex-Benfica marcou 13 vezes no último Campeonato Turco, foi o vice-artilheiro da equipe na competição e teve papel decisivo na conquista do título nacional.

Nesta temporada, já são dois gols em três jogos de Champions, ambos em cabeçadas, uma de suas especialidades. Mais: segundo o “Who Scored?”, site especializado em estatísticas, Talisca tem finalizado na competição europeia tanto quanto Gabriel Jesus, atual camisa 9 da seleção: média de 1,3 conclusão por partida.

A boa fase do brasileiro não tem passado despercebida pelo Mercado da Bola. Alguns gigantes europeus, como Manchester United, Chelsea e Atlético de Madri têm seguido seus passos e já manifestaram intenção de contratá-lo.

Já o Besiktas pretende pagar os 20 milhões de euros (R$ 75,6 milhões) da cláusula de compra de Talisca estabelecida pelo Benfica para mantê-lo na Turquia por mais tempo ou lucrar com uma possível venda do jogador para um time do primeiro escalão europeu.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Goleiro de sensação do Inglês, Gomes projeta adeus em 2 anos para “ser pai”
– Como Neymar e astros da seleção protagonizaram vexame histórico na base
– 7 brasileiros que podem ser adversários da seleção de Tite na Copa-2018
– Miranda vê Brasil entre favoritos, mas quer encarar europeus para evoluir


Em um ano, Talisca vai de sensação brasileira na Europa a decepção
Comentários Comente

Rafael Reis

Um ano atrás, Anderson Talisca tinha seu nome ligado a possíveis transferências para Chelsea, Liverpool, Manchester United e Tottenham e havia acabado de ser convocado pela primeira vez para a seleção brasileira principal.

Hoje, os interessados em seu futebol são outros. Cruzeiro, Grêmio e Flamengo sondaram o Benfica a respeito de um possível empréstimo do meia. E nem mais para a seleção olímpica ele vem sendo chamado.

Em 12 meses, o ex-jogador do Bahia deixou de ser uma das novas sensações do futebol europeu para se tornar mais um jovem de pouco destaque e que pode ser repatriado.

Os gols, que despertaram a atenção de alguns dos maiores clubes do mundo pelo brasileiro, secaram.

Na primeira metade da temporada passada, seu primeiro semestre no Benfica, Talisca balançou as redes nove vezes. Desde então, passou-se um ano, o meia só fez cinco gols –um deles na vitória por 1 a 0 de uma equipe formada basicamente pelos reservas sobre o Oriental, na terça, pela Taça da Liga.

Entre abril e novembro, veio o período de maior seca. Foram sete meses sem um mísero golzinho do brasileiro.

O jejum significou a ida para o banco. O brasileiro, que já havia perdido sua posição no fim da temporada passada, viu seus minutos rarearem ainda mais com a troca do técnico Jorge Jesus, responsável por sua contratação, por Rui Vitória, ex-Vitória de Guimarães.

Somadas as últimas nove rodadas do Campeonato Português, Talisca permaneceu em campo por apenas 34 minutos. Na vitória por 2 a 1 sobre o Estoril, no sábado, entrou aos 44 min do segundo tempo.

E engana-se quem pensa que o brasileiro de 21 anos perdeu espaço no time porque o Benfica fez investimentos pesados e contratou jogadores mais experientes para sua posição.

Um dos volantes titulares do time de Lisboa é Renato Sanches, 18, que foi promovido nesta temporada para o elenco principal. Também em seu primeiro ano como profissional, Gonçalo Guedes, 19, tem atuado com frequência na armação das jogadas.

Em várias entrevistas, o brasileiro culpou o aspecto físico pelo declínio. O primeiro vilão, ainda na temporada passada, foi o fato de não ter tido férias entre a saída do Bahia e a chegada ao Benfica. Depois, veio a falta de ritmo de jogo por não ser tão utilizado quanto antes.

Além disso, o jogador ainda não definiu sua posição em campo. Pode ser segundo volante, um meia criativo ou até mesmo segundo atacante. Tudo depende do técnico, do adversário e das opções que seu clube tem escalar.

Atual bicampeão português, o clube de Talisca ocupa a vice-liderança desta temporada. Tem 43 pontos, dois a menos que o Sporting.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>