Blog do Rafael Reis

Arquivo : otto glória

O dia em que um técnico brasileiro eliminou Pelé da Copa do Mundo
Comentários Comente

Rafael Reis

Comandar uma seleção estrangeira em Copa do Mundo não chega a ser nenhuma novidade para treinadores brasileiros. Ter de enfrentar a equipe de sua terra natal em um Mundial também não tem nada de inédito.

Agora, derrotar a seleção mais vitoriosa da história na principal competição do futebol mundial é um feito que apenas um técnico brasileiro conseguiu.

E o carioca Otto Glória o fez em grande estilo. À frente de Portugal, derrotou o Brasil por 3 a 1 e provocou a eliminação da equipe canarinho ainda na fase de grupos da Copa do Mundo de 1966.

Uma marca tão histórica que jamais voltou a se repetir. Nos últimos 52 anos, a seleção brasileira sempre chegou pelo menos às oitavas de final do torneio que conquistou cinco vezes.

O feito de Otto Glória é ainda mais impressionante quando se analisa quem estava do outro lado do campo. Apesar de envelhecido e taticamente confuso, o Brasil vinha de dois títulos mundiais consecutivos e tinha em campo Pelé e Jairzinho. O banco também era estrelado: Djalma Santos, Bellini, Gerson, Zito, Garrincha e Tostão.

Por ter vencido nas duas primeiras rodadas do Grupo 3 (contra Hungria e Bulgária), Portugal só precisava de um empate para passar para a fase final do Mundial. Mesmo assim, não demorou para construir o placar.

Aos 15 min do primeiro tempo, António Simões abriu o placar. Doze minutos depois, o craque Eusébio ampliou. A situação brasileira ficou ainda pior depois que o zagueiro João Pedro Morais deu duas entradas violentas em Pelé e deixou o camisa 10 baleado, arrastando-se em campo.

Na segunda etapa, Rildo (Botafogo) diminuiu. Mas Eusébio fez mais um, selou a classificação portuguesa, mandou o Brasil de volta para a casa e decretou a façanha de Otto Glória.

Após o 3 a 1 em Liverpool, o treinador brasileiro continuou fazendo história no Mundial da Inglaterra. Os portugueses terminaram a competição na terceira posição, algo que nem as gerações de Figo e Cristiano Ronaldo conseguiram repetir.

Otto Glória, que já tinha passado por Botafogo, Vasco, Benfica, Belenenses, Sporting, Olympique de Marselha, Vasco e Porto antes da Copa, migrou para a Espanha e foi dirigir o Atlético de Madri após ganhar destaque com a seleção lusa.

Em 1971, voltou para o futebol brasileiro e entrou para o folclore local na decisão do Paulista-1973, quando ordenou que os jogadores da Portuguesa deixassem o gramado ao perceber que o árbitro da partida contra o Santos havia errado na contagem dos gols na disputa de pênaltis. Por essa razão, o título estadual daquele ano foi dividido entre os dois clubes.

O treinador ainda teve uma segunda passagem pela seleção de Portugal.  Após ser goleado por 4 a 0 em um amistoso contra o Brasil (o mesmo país que ele havia eliminado na Copa-1966), Otto Glória perdeu o emprego e encerrou sua trajetória internacional.

O técnico sensação do Mundial da Inglaterra morreu no dia 4 de setembro de 1986, aos 69 anos.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Na mira, Malcom se surpreende com Tite: “Achei que o grupo estava fechado”
– Ex-Flamengo defende nível técnico do Campeonato Francês: “Não é ruim”
– Tiozão” do Schalke, ex-seleção faz sucesso como zagueiro artilheiro
– 7 brasileiros que treinaram seleções estrangeiras em Copas


7 brasileiros que treinaram seleções estrangeiras em Copas
Comentários Comente

Rafael Reis

Comandante da seleção brasileira desde junho de 2016, Tite deve ser o único técnico representante do futebol pentacampeão mundial na Copa-2018.

O fato não chega a ser surpreendente, já que os treinadores brasileiros andam em baixa no mercado internacional –o último a trabalhar em uma das cinco grandes ligas europeias foi Leonardo (Milan e Inter de Milão), em 2011.

Mas, até pouco tempo atrás, a situação era bastante diferente. Toda edição da Copa contava com pelo menos uma seleção estrangeira comandada por brasileiro, quando não duas ou três…

Apresentamos abaixo sete técnicos brasileiros que comandaram seleções gringas em Mundiais de futebol:

LUIZ FELIPE SCOLARI
Portugal (2006)

Um dos grandes responsáveis pela consolidação da seleção lusitana no cenário internacional durante a década passada, Felipão foi para Portugal em 2002, meses depois da conquista do pentacampeonato mundial pelo Brasil, e permaneceu por lá até 2008. Entre seus maiores feitos, estão o lançamento de Cristiano Ronaldo na equipe principal e o vice-campeonato da Euro-2004. Na Copa-2006, terminou na quarta colocação, segunda melhor campanha da história do país.

CARLOS ALBERTO PARREIRA
Kuwait (1982), Emirados Árabes (1990), Arábia Saudita (1998) e África do Sul (2010)

Brasileiro que mais trabalhou na história das Copas do Mundo, divide com o sérvio Bora Milutinovic o recorde de treinador que dirigiu o maior número de seleções diferentes na competição. Além das quatro equipes gringas, Parreira também comandou o Brasil em dois Mundiais: foi campeão em 1994 e quadrifinalista em 2006. Em 1998, à frente da Arábia Saudita, protagonizou um feito histórico: foi demitido com o torneio em andamento, após ser derrotado nas duas primeiras partidas da fase de grupos.

ZICO
Japão (2006)

Um dos precursores do futebol profissional do Japão, dirigiu a seleção nipônica entre 2002 e 2006 e levou a equipe ao título da Copa da Ásia, em 2004. Ídolo, chegou inclusive a enfrentar o Brasil na Copa de 2006. Em jogo válido pela última rodada do Grupo F, os japoneses foram goleados por 4 a 1 e se despediram da competição com apenas um ponto conquistado. Logo após o Mundial, Zico deixou o cargo e foi para o Fenerbahce (TUR).

PAULO CÉSAR CARPEGIANI
Paraguai (1998)

O atual treinador do Flamengo fez um belo trabalho no comando do Paraguai. À frente de jogadores importantes, como Gamarra, Arce e Chilavert, Carpegiani montou uma das defesas mais sólidas do planeta na Copa-1998, deixou Espanha e Bulgária pelo caminho na primeira fase e só foi eliminado nas oitavas de final, pela anfitriã e futura campeã França, com um gol no segundo tempo da prorrogação.

RENÊ SIMÕES
Jamaica (1998)

Em sua primeira e única participação em Copas do Mundo até hoje, a seleção da terra de Bob Marley e Usain Bolt foi comandada por um brasileiro. Renê Simões já tinha bastante experiência internacional e havia passado por times de Emirados Árabes, Portugal e Qatar quando aceitou o convite para trabalhar na Jamaica, 1994. O ponto alto dos seis anos em que dirigiu o time caribenho foi o Mundial de 1998. Os “Reggae Boys” caíram na primeira fase, mas não se despediram da Copa com as mãos abanando –derrotaram o Japão.

OTTO GLÓRIA
Portugal (1966)

Um dos técnicos mais importantes da história do futebol de Portugal, o carioca ex-Botafogo e Vasco passou pelos três grandes clubes do país (Benfica, Porto e Sporting) e teve o trabalho mais bem sucedido dentre todos os treinadores brasileiros que dirigiram seleções estrangeiras em Copas do Mundo. Em 1966, conduziu a equipe de Eusébio a um histórico terceiro lugar, com direito a vitória sobre o Brasil pelo caminho –3 a 1, ainda na fase de grupos.

DIDI
Peru (1970)

O craque do Brasil na conquista da Copa-1958 e bi mundial em 1962 começou sua carreira como treinador no futebol peruano e dirigiu a seleção local em 1970. Assim como Otto Glória, Didi também teve de medir forças com o time brasileiro em seu Mundial como técnico de um time gringo. Mas, ao contrário do comandante português, não obteve sucesso nessa missão. Com a derrota por 4 a 2, nas quartas de final, Didi se despediu da Copa, e o Brasil continuou caminhando rumo ao tri.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Ex-Sevilla, Mariano não tem ostracismo na Turquia e ainda sonha com Copa
– Olho neles: 5 brasileiros que jogam por seleções de base de outros países
– Lembrado por briga, zagueiro fala em volta ao Palmeiras para fazer justiça
– 7 brasileiro (ou quase) desempregados no exterior para reforçar seu time


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>