Blog do Rafael Reis

Arquivo : cr7

Novo lar de CR7 investe R$ 1 bi em reforços; veja os 10 clubes mais gastões
Comentários Comente

Rafael Reis

Responsável por tirar Cristiano Ronaldo do Real Madrid, a Juventus é o clube de todo o planeta que mais investiu em reforços até o momento na janela de transferências para a temporada 2018/19.

A atual heptacampeã italiana já gastou 221,9 milhões de euros (R$ 1 bilhão) na aquisição de novos jogadores para tentar voltar a conquistar a Liga dos Campeões da Europa depois de 23 anos.

A maior parte desse dinheiro (117 milhões de euros, ou R$ 530 milhões) foi torrada com a chegada de apenas um jogador, Cristiano Ronaldo, a contratação mais cara da história do clube de Turim.

Além do português pentacampeão do prêmio de melhor do mundo, a Juve contratou o goleiro italiano Mattia Perin (Genoa), o lateral direito português João Cancelo (Inter de Milão) e o meia alemão Emre Can (Liverpool), além de alguns garotos que devem ser emprestados a equipes menores.

A “Velha Senhora” também precisou abrir a carteira para manter Douglas Costa no elenco. O atacante foi emprestado pelo Bayern de Munique na temporada passada e só vai permanecer na Itália porque o clube aceitou pagar os 40 milhões de euros (R$ 180 milhões) de sua cláusula de compra.

O segundo colocado no ranking de clubes mais gastões do Mercado da Bola na atual janela de transferências é o Paris Saint-Germain, justamente o destino de Gianluigi Buffon, goleiro que era capitão e ídolo da Juve até a última temporada.

O PSG não precisou pagar nada pelos direitos econômicos do seu novo arqueiro. Em compensação, investiu 180 milhões de euros (R$ 813,9 milhões) para ter Kylian Mbappé, campeão da Copa-2018 com a seleção francesa.

A transferência do Monaco foi acordada ainda na temporada passada, e o atacante inclusive defendeu a equipe da capital francesa por empréstimo em 2017/18. Mas o negócio final só foi concretizado no início deste mês devido às regras do fair play financeiro.

Liverpool, Roma e West Ham, clube inglês que contratou o meia brasileiro Felipe Anderson, destaque da Lazio, nos últimos anos, completam o top 5 de times de maior investimento no Mercado da Bola.

A atual janela de transferências já movimentou 3,4 bilhões de euros (R$ 15,4 bilhões), o equivalente a 66,7% dos 5,1 bilhões de euros (R$ 23 bilhões) de julho e agosto do ano passado –período que quebrou todos os recordes históricos em transações de jogadores.

OS 10 CLUBES MAIS GASTÕES DA TEMPORADA 2018/19
1º – Juventus (ITA) – 221,9 milhões de euros
2º – Paris Saint-Germain (FRA) – 180 milhões
3º – Liverpool (ING) – 124,7 milhões
4º –  Roma (ITA) – 101,5 milhões
5º – West Ham (ING) – 95 milhões
6º – Atlético de Madri (ESP) – 91 milhões
7º – Real Madrid (ESP) – 89,3 milhões
8º – Napoli (ITA) – 84 milhões
9º – Manchester United (ING) – 82,7 milhões
10º – Arsenal (ING) – 79 milhões

AS 10 CONTRATAÇÕES MAIS CARAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Kylian Mbappé (FRA, Paris Saint-Germain) – 180 milhões
2º – Cristiano Ronaldo (POR, Juventus) – 117 milhões
3º – Thomas Lemar (FRA, Atlético de Madri) – 70 milhões
4º – Riyad Mahrez (ALG, Manchester City) – 67,8 milhões
5º – Naby Keita (GUI, Liverpool) – 60 milhões
6º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões
7º – Jorginho (ITA, Chelsea) – 57 milhões
8º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 50 milhões
9º – Vinícius Jr. (BRA, Real Madrid) – 45 milhões
10º – João Cancelo (POR, Juventus ) – 40,4 milhões
TOTAL: 3,4 bilhões de euros

OS 10 BRASILEIROS MAIS CAROS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Fred (BRA, Manchester United) – 59 milhões de euros
2º – Fabinho (BRA, Liverpool) – 50 milhões de euros
3º – Vinícius Jr. (BRA, Flamengo) – 45 milhões
4º – Douglas Costa (BRA, Juventus) – 40 milhões
5º – Felipe Anderson (BRA, West Ham) – 38 milhões
6º – Arthur (BRA, Grêmio) – 31 milhões
7º – Paulinho (BRA, Bayer Leverkusen) – 18,5 milhões
8º – Matheus Cunha (BRA, RB Leipzig) – 15 milhões
9º – Bernardo (BRA, Brighton) – 10 milhões
Danilo (BRA, Nice) – 10 milhões

OS 10 CLUBES QUE MAIS VENDERAM NA TEMPORADA 2018/19
1º – Monaco (FRA) – 329 milhões
2º – Real Madrid (ESP) – 132,5 milhões
3º – Napoli (ITA) – 86 milhões
4º – RB Leipzig (ALE) – 72,8 milhões
5º – Inter de Milão (ITA) – 72,7 milhões
6º – Leicester (ING) – 67,8 milhões
7º – Porto (POR) – 65 milhões
8º – Paris Saint-Germain (FRA) – 64 milhões
9º – Roma (ITA) – 59,3 milhões
10º – Shakhtar Donetsk (UCR) – 59 milhões

AS 10 LIGAS MAIS GASTONAS DA TEMPORADA 2018/19
1º – Campeonato Inglês – 826,9 milhões de euros
2º – Campeonato Italiano – 819,7 milhões
3º – Campeonato Espanhol – 517,5 milhões
4º – Campeonato Alemão – 371,1 milhões
5º – Campeonato Francês – 328 milhões
6º – Campeonato Inglês (2ª divisão) – 93,2 milhões
7º – Campeonato Chinês – 55,2 milhões
Campeonato Holandês – 55,2 milhões
9º – Campeonato Português –54,6 milhões
10º – Campeonato Belga – 54,5 milhões


Mais de Clubes

– Janela movimenta R$ 8 bi em reforços antes de abrir; veja lista das ligas
– Flamengo é o 5º em ranking de maiores vendedores do planeta; veja top 10
– Mercado da Bola movimenta R$ 6,2 bi antes da Copa; veja clubes mais gastões
– Próxima Champions começa no meio da Copa; conheça dos clubes classificados


Os 7 trintões mais caros da história do futebol mundial
Comentários Comente

Rafael Reis

Foi-se o tempo em que os jogadores de futebol na casa dos 30 anos eram tratados como atletas em fim de carreira e que só tinham a experiência a oferecer para projetos vitoriosos de clubes ou seleções.

Hoje em dia, a situação é bem diferente. Os trintões levantam taças, faturam prêmios de melhor do mundo e movimentam como nunca o mercado global de transferências.

A saída de Cristiano Ronaldo, 33, do Real Madrid para a Juventus, chamou a atenção para esse fenômeno. Afinal, jamais na história um jogador de idade tão elevada havia custado tanto –117 milhões de euros (R$ 527 milhões).

Apresentamos abaixo os sete trintões que protagonizaram os maiores negócios da história do futebol mundial. E vale ressaltar que cinco deles foram contratados por clubes italianos, o recanto número um dos veteranos.

CRISTIANO RONALDO
33 anos
117 milhões de euros
2018
Real Madrid (ESP) – Juventus (ITA)

Eleito cinco vezes o melhor jogador do planeta, o astro português encerrou sua passagem de nove anos pelo Real Madrid depois de emendar três títulos consecutivos da Liga dos Campeões da Europa. Para ter um já veterano CR7, a Juventus pagou 100 milhões de euros (R$ 451 milhões) ao clube espanhol, 5 milhões de euros (R$ 22,5 milhões) aos times responsáveis pela formação do jogador e mais 12 milhões de euros (R$ 54,1 milhões) em comissões. Nunca na história do futebol um trintão saiu tão caro.

LEONARDO BONUCCI
30 anos
42 milhões de euros
2017
Juventus (ITA) – Milan (ITA)

Antes da histórica transferência de Cristiano Ronaldo, o posto de jogador na casa dos 30 anos mais caro de todos os tempos pertencia a um zagueiro. Leonardo Bonucci foi contratado no ano passado pelo Milan, dois meses após seu 30º aniversário, para ser o pilar da reconstrução do time italiano. No entanto, o defensor nem de longe lembrou o jogador que tanto sucesso fez pela Juventus, falhou demais e decepcionou em sua temporada de estreia com a camisa rossonera.

RADJA NAINGGOLAN
30 anos
38 milhões de euros
2018
Roma (ITA) – Inter de Milão (ITA)

Principal ausência na convocação da seleção belga para a Copa do Mundo-2018, o meia de hábitos polêmicos para um jogador profissional de futebol (como fumar excessivamente) terá uma casa nova na próxima temporada. Após quatro anos, 203 jogos e 33 gols pela Roma, Nainggolan defenderá a Inter de Milão. O negócio foi selado em junho, um mês depois de o meio-campista virar trintão.

GABRIEL BATISTUTA
31 anos
36,1 milhões de euros
2000
Fiorentina (ITA) – Roma (ITA)

Durante 17 anos, o jogador trintão mais caro da história do futebol foi o mesmo: Gabriel Batistuta. O segundo maior artilheiro da seleção argentina (atrás apenas de Lionel Messi) trocou a Fiorentina pela Roma quando já tinha 31 anos e ajudou o clube da capital a conquistar o título italiano logo em sua temporada de estreia. “Batigol”, como era conhecido, ficou na Roma por pouco tempo. No início de 2003, já se transferiu para a Inter de Milão.

ANTHONY MODESTE
30 anos
29 milhões de euros
2018
Colônia (ALE) – Tianjin Quanjian (CHN)

O companheiro de ataque de Alexandre Pato no futebol chinês nunca defendeu sua seleção, mas mesmo assim é o quinto trintão mais caro de todos os tempos. O francês Modeste foi contratado por empréstimo pelo Tianjin Quanjian no ano passado e marcou sete vezes em oito jogos em sua primeira temporada no Oriente. Com isso, o clube da China resolveu efetuar sua opção de compra e manter o jogador.

SAMUEL ETO’O
30 anos
27 milhões de euros
2011
Inter de Milão (ITA) – Anzhi (RUS)

O atacante camarões do Konyaspor (TUR) já é veterano há bastante tempo. Em 2011, quando já havia entrado na casa dos 30 anos, foi atraído pelos petrodólares do Anzhi, que pretendia montar um esquadrão de futebol na Rússia, e deixou a Inter de Milão. Mas o projeto do clube do Daguestão, que contou também com os brasileiros Roberto Carlos, Jucilei e Diego Tardelli e com o técnico holandês Guus Hiddink, não decolou. E Eto’o foi embora para o Chelsea em 2013, aos 32 anos.

DIEGO MILITO
30 anos
25 milhões de euros
2009
Genoa (ITA) – Inter de Milão (ITA)

O centroavante argentino é um daqueles casos raros de jogador que atingiu o auge de sua carreira já como “trintão”. Milito só deixou o Genoa para defender a Inter de Milão, time onde se sagraria campeão europeu e viraria um centroavante temido mundialmente depois do seu 30º aniversário. A passagem pela Inter durou cinco temporadas e foi sucedida por um retorno ao Racing, time que o projetou para o futebol e pelo qual ainda faturou um Campeonato Argentino antes da aposentadoria.


Mais de Cidadãos do Mundo

Só Neymar movimentou mais dinheiro que CR7 em transferências na história
Por onde andam os jogadores da Croácia que foi 3ª colocada na Copa-1998?
Fenômeno da França, Mbappé supera início de carreira de Messi e CR7
Como técnico foi de segundo pior da história a ídolo russo em 3 semanas


Só Neymar movimentou mais dinheiro que CR7 em transferências na história
Comentários Comente

Rafael Reis

Anunciado na última terça-feira como reforço da Juventus para as próximas quatro temporadas, Cristiano Ronaldo se tornou o segundo jogador da história do futebol que mais movimentou dinheiro em mudanças de clube.

Com os 105 milhões de euros (R$ 406 milhões) pagos ao clube italiano ao Real Madrid, o atacante português de 33 anos soma agora 218 milhões de euros (mais de R$ 990 milhões) em transferências acumuladas durante a carreira. Os dados são do Transfermarkt.

CR7 só movimentou menos dinheiro no Mercado da Bola que Neymar. O brasileiro, o jogador mais caro de todos os tempos, fez girar 310,2 milhões de euros (R$ 1,4 bilhão) nas suas mudanças do Santos para Barcelona e, posteriormente, Paris Saint-Germain.

No caso de Cristiano Ronaldo, a transferência para a Juventus é sua terceira mudança de endereço desde que se tornou profissional.

O português estreou pelo Sporting aos 17 anos e permaneceu por lá apenas por uma temporada. Em 2003, foi contratado pelo Manchester United por 19 milhões de euros (R$ 86,3 milhões, na cotação atual) com a missão de ser o substituto de David Beckham, transferido para o Real.

Ronaldo seguiu o mesmo caminho e também se mandou para Madri, mas só depois de seis anos, três títulos ingleses, uma Liga dos Campeões e um prêmio de melhor jogador do mundo com a consagrada camisa 7 vermelha.

Para tirar o astro de Manchester, o Real teve desembolsar em 2009 uma quantia que jamais havia sido paga por um atleta de futebol: 94 milhões de euros (R$ 409 milhões). O valor permaneceu como recorde até 2013, quando o clube espanhol gastou 101 milhões de euros (R$ 459 milhões) para ter o galês Gareth Bale.

Em nove temporadas na Espanha, Ronaldo se tornou um dos nomes mais vencedores da história do Real e o maior artilheiro do clube em todos os tempos. Foram 451 gols em 438 partidas, além de quatro títulos de Champions e outras quatro vitórias na eleição de melhor do planeta.

Com o valor de mercado já reduzido devido à idade elevada, o português não teve mais como protagonizar uma transferência na casa dos 222 milhões de euros (R$ 1 bilhão), como a de Neymar para o PSG na última temporada.

No entanto, a ida para a Juventus faz de CR7 o primeiro trintão a ter uma negociação na casa dos 100 milhões de euros.

Antes dele, o veterano mais caro da história havia sido o zagueiro italiano Leonardo Bonucci, comprado pelo Milan na temporada passada, quando tinha 30 anos, por 42 milhões de euros (R$ 190,8 milhões).

JOGADORES QUE MAIS MOVIMENTARAM GRANA EM TRANSFERÊNCIAS

1 – Neymar (BRA) – 310,2 milhões de euros
2 – Cristiano Ronaldo (POR) – 218 milhões
3 – Kylian Mbappé (FRA) – 180 milhões
4 – Ángel di María (ARG) – 179 milhões
5 – Zlatan Ibrahimovic (SUE) – 169,1 milhões
6 – Philippe Coutinho (BRA) – 141,8 milhões
7 – Gonzalo Higuaín (ARG) – 141 milhões
8 – James Rodríguez (COL) – 140,6 milhões
9 – Romelu Lukaku (BEL) – 138,6 milhões
10 – Ousmane Dembélé (FRA) – 130 milhões

Fonte: Transfermarkt

Mais de Cidadãos do Mundo

Fenômeno da França, Mbappé supera início de carreira de Messi e CR7
Como técnico foi de segundo pior da história a ídolo russo em 3 semanas
Fora da fase final, África “emplaca” um time inteiro nas quartas
Não é só futebol… Bélgica tem atleta com MBA e goleiro formado em política


Mbappé, Hazard, Kane: Alguém pode tirar prêmio de melhor do mundo de CR7?
Comentários Comente

Rafael Reis

Kylian Mbappé, Eden Hazard, Kevin de Bruyne, Luka Modric, Harry Kane. Um (ou talvez até dois) deles estará ao lado de Cristiano Ronaldo na cerimônia de entrega do prêmio de melhor jogador do mundo, no dia 24 de setembro, em Londres.

Mas será que algum dos destaques individuais da Copa do Mundo será capaz de impedir o hexacampeonato do craque do Real Madrid e da seleção portuguesa?

Apesar da queda prematura na Rússia-2018, CR7 ainda é o favorito para ganhar a eleição do “The Best”. O terceiro título de Champions consecutivo conquistado pelo Real Madrid e a indefinição sobre quem é o craque da Copa são seus maiores trunfos.

Para desbancar o astro português do topo do planeta, os outros pleiteantes ao prêmio precisam primeiro conseguir unificar uma candidatura.

Só mesmo um jogador que parte expressiva do planeta tenha certeza absoluta que foi o grande nome da Copa (e que consequentemente centralize os votos de técnicos, atletas, jornalistas e torcedores) poderá será páreo na disputa com Ronaldo.

Só que esse nome ainda não existe. Modric foi o destaque da primeira fase do Mundial, mas caiu de produção nos mata-matas. Mbappé teve uma atuação de gala contra a Argentina, mas vem sendo menos decisivo que Griezmann na maioria dos jogos da França.

Kane é o artilheiro da competição, só que tem feito mais gols do que propriamente jogado bem. De Bruyne só deixou de ser discreto pela Bélgica quando passou a atuar mais adiantado, nas quartas de final contra o Brasil.

Talvez o jogador mais regular da Copa seja Hazard. O capitão belga mostrou bom futebol em todas as partidas que disputou, mas nem sempre foi o jogador mais importante de sua seleção, já que De Bruyne, Romelu Lukaku e Thibaut Courtois dividem com ele o protagonismo da equipe vermelha.

Ou seja, esta semana será decisiva para a definição dos rumos do prêmio de melhor do mundo.

Se alguém conseguir uma grande atuação individual na semifinal, repetir a dose na decisão e levar sua seleção à conquista do título, o reinado de Cristiano Ronaldo pode ficar seriamente ameaçado.

Caso contrário, veremos mais uma vez o português sendo consagrado como o maior craque do planeta. E Mbappé, Hazard, De Bruyne, Modric e Kane terão de aplaudi-lo das cadeiras da cerimônia da Fifa.


Mais de Opinião

– Por que Neymar desperta tanta antipatia?
– Quem vai ganhar a Copa? Sinceramente, não tenho a menor ideia
– Por que “geração belga” desperta tanto amor e ódio na Copa?
– Com “muro” na defesa, futebol da Copa do Mundo parece até handebol


Na final pela 6ª vez, CR7 sonha com recordes de lendas do Real
Comentários Comente

Rafael Reis

É de olho em recordes de duas lendas da história do Real Madrid (e consequentemente do futebol mundial) que Cristiano Ronaldo disputa contra o Liverpool, neste sábado, em Kiev (Ucrânia), a sexta final de Liga dos Campeões da Europa de sua carreira.

O astro português, que faturou o título continental em 2008, 2014, 2016 e 2017 e também foi vice em 2009, sonha em alcançar marcas históricas de Alfredo di Stéfano e Ferenc Puskás.

A dupla vestiu a camisa do Real mas décadas de 1950 e 1960 e fez parte do esquadrão mais vitorioso da história da Champions, a equipe que conquistou as cinco primeiras edições da competição, entre 1956 e 1960.

O primeiro recorde pode ser batido pelo atual camisa 7 do time espanhol já neste sábado, mas depende de uma grande atuação contra o Liverpool.

Cristiano Ronaldo está a três gols de igualar Di Stéfano e Puskás como maior artilheiro da história das finais do torneio continental.

Ao longo da carreira, o português já marcou quatro vezes em finais de Champions. Já o argentino e o húngaro meterem sete bolas nas redes cada em partidas que valiam o título mais cobiçado do futebol de clubes.

A outra marca sonhada por CR7 pertence apenas a Di Stéfano e vai demorar pelo menos mais um ano para ser igualada.

O craque da contemporaneidade já marcou em três finais diferentes da competição (2008, 2014 e 2017), duas a menos do que o argentino, que fez gol nas decisões dos cinco primeiros títulos do Real Madrid.

Campeão por Manchester United e Real, Cristiano Ronaldo já é o maior goleador da história da Champions. O português soma 120 gols em 152 partidas pelo torneio –o segundo colocado, Lionel Messi, marcou 20 vezes a menos.

O camisa 7 foi o artilheiro isolado ou dividiu a artilharia das últimas cinco edições do torneio continental. Neste ano, ele também ocupa a liderança do ranking, com 15 gols, cinco a mais que os vice-líderes, os também finalistas Mohamed Salah e Roberto Firmino, do Liverpool.

A Champions é também a competição que tem sido essencial para Cristiano Ronaldo ser eleito o melhor jogador do mundo. Nos quatro anos que faturou o troféu, ele também ganhou a Bola de Ouro – sua outra vitória na eleição aconteceu em 2013, quando o Real parou nas semifinais.


Mais de Cidadãos do Mundo

5 jogadores que deram errado na nova “era de ouro” do Real Madrid
Como um “pai” para Salah, 1º técnico vê egípcio tão bom quanto Messi e Cr7
Copa do Mundo terá seu primeiro jogador nascido nos anos 2000?
Champions pode ser 1º troféu para mais da metade do elenco do Liverpool


CR7 não tem tatuagem para poder doar sangue: verdade ou lenda urbana?
Comentários Comente

Rafael Reis

Neymar tem o corpo tomado por mais de 30 tatuagens. Lionel Messi exibe grandes desenhos no braço direito e na perna esquerda. Já Cristiano Ronaldo não é adepto dessa arte. A pele do craque do português é totalmente lisa.

Para alguns, essa é só mais uma prova do tamanho do amor e da admiração que o melhor jogador do mundo nos últimos dois anos sente pelo próprio corpo. Mas, para outros, trata-se de uma grande mostra de solidariedade.

Você já deve ter lido ou ouvido essa história em algum lugar. O camisa 7 do Real Madrid decidiu não fazer nenhuma tatuagem porque é um frequente doador de sangue e não gostaria de ficar entre seis meses e um ano impedido de praticar esse ato –o período é necessário para que qualquer contaminação por vírus na aplicação possa ser descoberta pelos médicos.

Mas será que esse caso, que vem circulando há anos por redes sociais e grupos de Whastapp, é real? Ou se trata de apenas mais uma das várias lendas urbanas do mundo do futebol que fazem sucesso na internet, como o autismo de Messi e a transexualidade de Marco Verratti, meia italiano do Paris Saint-Germain?

Bem, a primeira parte da história, aquela que diz que CR7 é um frequente doador de sangue, é fácil de comprovar.

Ela é 100% verdadeira e até incontestável. Afinal, sua conta no Instagram e vários veículos da imprensa mundial fazem questão de publicar imagens das suas idas aos hospitais para praticar essa ação solidária.

O craque também é o principal garoto-propaganda de uma campanha chamada “BeThe1Donor” (Seja um Doador, em tradução livre para o português), que visa incentivar os jovens a aderir à prática.

Já a conexão entre o fato de não ter nenhuma tatuagem e as frequentes doações de sangue é mais difícil de ser provada. Afinal, é uma pergunta para qual apenas o próprio Cristiano Ronaldo tem a resposta.

Mas, pelo menos uma vez, o jogador do Real confirmou a história. Em 2012, ele afirmou que prefere não fazer nenhuma marca artificial em sua pele para não ficar proibido de fazer suas doações durante alguns meses.

Além de doador de sangue, o craque português também faz parte do cadastro de doadores de medula óssea. Ele tomou essa iniciativa em 2011, quando o filho de Carlos Martins, um ex-companheiro de Sporting e seleção, foi diagnosticado com leucemia.

“Carlos estava conosco na seleção e comentou sobre o problema de seu filho, que precisava de um transplante [de medula]. Os jogadores demonstraram grande solidariedade. Muitos pensam que é algo difícil de fazer, mas é simples e não dói. Podemos ajudar muita gente, principalmente as crianças”, explicou.

Cristiano Ronaldo é o maior nome do Real Madrid, finalista da Liga dos Campeões da Europa pela terceira temporada consecutiva. A decisão da Champions 2017/18, contra o Liverpool, será disputada no dia 26 de maio, em Kiev, capital da Ucrânia.


Mais de Cidadãos do Mundo

Discreto, Salah tem filha com nome sagrado e casamento “escondido”
“Faraó do custo-benefício: gol de Salah custa 87% menos que o de Neymar
Desfalques: 7 jogadores que vão perder a Copa-2018 por contusão
Messi desbanca Salah, assume liderança e caminha para 5ª Chuteira de Ouro


5 provas que Cristiano Ronaldo “ressuscitou” em 2018
Comentários Comente

Rafael Reis

O Real Madrid aposta em Cristiano Ronaldo para conseguir um bom resultado contra a Juventus, nesta terça-feira, às 15h45 (de Brasília), fora de casa, no primeiro jogo das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa.

Sim, isso parece notícia velha, já que desde 2009, quando desembarcou na Espanha, o atacante português é o grande nome do maior vencedor da história do torneio interclubes mais importante do planeta.

Mas, até alguns meses atrás, Cristiano Ronaldo não parecia o jogador que já conquistou por cinco vezes o prêmio de melhor do mundo. Na primeira metade da atual temporada, CR7 fez poucos gols, quase não decidiu partidas e levantou dúvidas sobre seu futuro.

Mas tudo mudou depois da virada do ano. O astro voltou a jogar bem, calou seus críticos e, aos 33 anos, é novamente a aposta número 1 do Real não só para eliminar a Juventus, na reedição da final do ano passado, como também para conduzir o time dirigido por Zinédine Zidane a mais um título continental.

Apresentamos abaixo cinco provas de que Cristiano Ronaldo “ressuscitou” em 2018:

+ GOLS
Na primeira metade da temporada, CR7 marcou 16 gols em 22 jogos. A média de 0,73 gol por partida seria espetacular para 99% dos atacantes do futebol mundial, mas estava bem abaixo do padrão do craque do Real Madrid. Prova disso é seu desempenho desde janeiro. Nos últimos três meses, ele jogou 15 vezes pelo clube espanhol e meteu 19 bolas nas redes. Ou seja, 1,27 gol a cada 90 minutos, um crescimento de 74% em relação ao semestre anterior.

PODER DE DECISÃO
Cristiano Ronaldo passou em branco contra o Barcelona, no primeiro turno do Espanhol, e não conseguiu fazer o Real Madrid vencer nenhum dos dois confrontos contra o Tottenham, seu adversário mais difícil da fase de grupos da Champions. Depois da virada do ano, voltou a ser decisivo nos jogos mais importantes: fez três dos cinco gols do Real contra o PSG, pelas oitavas do torneio continental, e brilhou no 4 a 1 sobre o Valencia, sensação da temporada na Espanha.

FUTURO
Acompanhar a imprensa de Madri é sempre um bom termômetro para entender como anda a fase de cada jogador do Real. Na primeira metade da temporada, era normal ver em jornais como “As” e “Marca” matérias falando sobre a possível saída de Cristiano Ronaldo e até mesmo uma troca com o Paris Saint-Germain do português por Neymar. Esses rumores esfriaram um pouco nas últimas semanas. A razão? O reencontro do camisa 7 com o bom futebol.

AVALIAÇÃO
De acordo com o “WhoScored?”, site que contabiliza as estatísticas dos principais campeonatos do planeta e avalia as atuações dos jogadores a partir desses dados, Cristiano Ronaldo tem 8,60 como nota média nas partidas que disputou neste ano. A nota é uma das mais altas do mundo, semelhante às de Messi e Neymar. Já na primeira metade da temporada, seu desempenho havia sido bastante inferior: 7,46.

PARTICIPAÇÃO
O futebol de Cristiano Ronaldo cresceu em 2018 por vários motivos. Um dos principais é que o português passou a ser mais participativo em campo. Segundo o “WhoScored”?, a média de bolas recebidas a cada partida pelo jogador subiu de 27,3, no primeiro semestre da temporada, para 29,5, desde janeiro. Parece pouco, mas é um crescimento bem relevante, que beira os 10%.


Mais de Cidadãos do Mundo

Dia da Mentira: 5 grandes “fake news” do futebol mundial
Afastado há um ano, meia-atacante recebeu R$ 20 mi do PSG para não jogar
Capitão do México usa rede social para provar que está vivo
Tite colocou o Brasil de volta nos trilhos, diz rival de estreia na Copa


Neymar ou Cristiano Ronaldo: quem é o verdadeiro “rei” do mata-mata?
Comentários Comente

Rafael Reis

Cristiano Ronaldo e Neymar já costumam atrair boa parte dos holofotes em todas as partidas de Real Madrid e Paris Saint-Germain. Mas nesta quarta-feira, às 17h45 (de Brasília), quando as duas equipes se enfrentarem no jogo de ida das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa, a atenção sobre eles será maior ainda.

Além de serem os protagonistas dos times que irão medir força no mais aguardado confronto do início da fase final da Champions, o astro português e o craque brasileiro têm uma característica especial que será posta à prova no Santiago Bernabéu: eles costumam crescer nos momentos de decisão.

Apesar de serem consistentes também em competições de pontos corridos e em fases de grupos de torneios híbridos, Cristiano Ronaldo e Neymar construíram os grandes momentos de suas carreiras em confrontos eliminatórios, como o desta quarta.

Mas, afinal, qual dos dois é o verdadeiro “Rei dos Mata-Matas”? Analisamos e comparamos os desempenhos do português do Real Madrid e do brasileiro do PSG em partidas disputadas nesse formato para te ajudar a responder essa pergunta.

PROTAGONISMO

Cristiano Ronaldo já conquistou quatro títulos de Champions, e em todos eles brilhou na reta final da competição, que é disputada em formato mata-mata. Em 2008, fez o gol do Manchester United no tempo normal da decisão (vencida nos pênaltis, contra o Chelsea). Oito anos depois, descolou um hat-trick nas quartas que impediu a queda do Real ante o Wolfsburg. Em 2016, marcou em cinco dos sete jogos da fase final do torneio. E no ano passado, obteve um feito ainda maior: marcou dez vezes nos últimos cinco jogos da campanha (quartas, semi e final).

Já Neymar brilhou na reta final da Champions de 2015, a única que venceu até o momento. Então no Barcelona, o brasileiro balançou as redes nos dois jogos nas quartas (contra o PSG), nas duas partidas da semifinal (ante o Bayern de Munique) e também na decisão com a Juve. Com isso, foi co-artilheiro da competição. O outro torneio em que foi artilheiro na Europa também foi disputado em sistema de mata-mata, a Copa do Rei 2014/15. Além disso, sua grande atuação nos últimos anos se deu em uma partida eliminatória: a goleada por 6 a 1 aplicada pelo Barça sobre o PSG nas oitavas da Champions passada.

GOLS

Neymar pode se orgulhar de uma marca rara, que deixa bem claro que ele não é aquele tipo de jogador que se esconde no momento da decisão. Muito pelo contrário. Em sua trajetória europeia, o camisa 10 do PSG vai às redes em uma frequência maior quando disputa jogos eliminatórios. Desde 2013, quando trocou o Santos pelo Barcelona, Neymar tem média de 0,67 gol por jogos em mata-matas, contra 0,61 em partidas de pontos corridos ou fase de grupos.

No mesmo período, Cristiano Ronaldo fez um número bem maior de gols, teve um índice um pouco abaixo nos confrontos eliminatórios, mas mesmo assim acima de Neymar. Sua média de bolas na rede em jogos de fase de grupos ou pontos corridos é de 1,04. A de mata-matas também é excelente, mas um pouco menor: 0,87 por partida.

SELEÇÃO

Maior artilheiro da história da seleção portuguesa, Cristiano Ronaldo ajudou seu país a atingir o inédito título da Eurocopa, em 2016, e também foi vice continental, 12 anos antes. Nas duas campanhas, teve papel decisivo na fase de mata-matas. Em 2004, fez um e deu uma assistência na semifinal contra a Holanda (2 a 1). Em 2016, novamente no jogo classificatório para a decisão, repetiu a dose ante o País de Gales (2 a 0). Só que em Copas do Mundo, a situação é bem diferente. CR7 já disputou cinco partidas de mata-matas da principal competição do planeta, e nunca balançou as redes.

Com trajetória bem mais curta que a do adversário desta quarta, Neymar também ainda persegue seu primeiro gol na reta final de uma Copa, mas só participou de dois jogos nesse formato até agora. Seu grande momento pela seleção brasileira aconteceu na Copa das Confederações-2013. Na ocasião, fez um gol e deu assistência na vitória por 3 a 0 sobre a Espanha, na final da competição.


Mais de Cidadãos do Mundo

Alexis, Mina, Lucas: os 34 novos inscritos para a fase fina da Champions
Técnico de sensação da Copa ainda trabalha como dentista “de vez em quando”
Neymar, Messi e cia.: Top 10 da artilharia da Europa tem 7 sul-americanos
Como agente de Ibra virou pivô de crise de casal mais polêmico do futebol


Títulos e gols na hora certa: 5 motivos para CR7 faturar o melhor do mundo
Comentários Comente

Rafael Reis

É quase certo que a Fifa irá conceder nesta segunda-feira o título de melhor jogador do mundo em 2017 para o português Cristiano Ronaldo.

O astro do Real Madrid é o favorito na disputa com Lionel Messi (Barcelona) e Neymar (Paris Saint-Germain) e deve conquistar o prêmio pela quinta vez na carreira, a quarta só nos últimos cinco anos.

O camisa 7 venceu a eleição de melhor do mundo em 2008, 2013, 2014 e 2016. Em 2009, 2011, 2012 e 2015, foi o segundo colocado. Caso levante o troféu neste ano, irá igualar o recorde de seu tradicional arquirrival, Messi.

Mas, afinal, por que Cristiano Ronaldo é tão favorito ao prêmio? Listamos abaixo cinco motivos pelos quais a estrela portuguesa jogou mais bola do que qualquer outro atleta do planeta em 2017.

TÍTULOS, TÍTULOS E MAIS TÍTULOS

Bicampeonato da Liga dos Campeões da Europa, Campeonato Espanhol, Supercopa da Europa, Mundial de Clubes. Cristiano Ronaldo ganhou quase tudo que disputou ao longo dos últimos meses. E, apesar de o prêmio de melhor jogador do mundo ser referente apenas às atuações individuais dos atletas indicados, o sucesso do Real Madrid certamente é um ingrediente que ajuda (e muito) no favoritismo do português.

PRÊMIO INDIVIDUAL

Cristiano Ronaldo não deve ganhar apenas o “The Best” em 2017. O camisa 7 do Real Madrid é favorito para faturar praticamente todos os principais prêmios individuais da temporada. Um dos mais importantes, ele já levou para casa. Em agosto, o português foi anunciado pela Uefa como o melhor jogador da Liga dos Campeões, a competição mais valiosa do ano.

NA HORA CERTA

O português foi o artilheiro da Liga dos Campeões, com 12 gols, sendo que dez deles foram anotados na reta final da competição. Cristiano Ronaldo marcou cinco vezes no confronto de quartas de final contra o Bayern de Munique, três na semifinal ante o Atlético de Madri e mais dois na decisão frente à Juventus. Ou seja, guardou seus gols para quando o Real Madrid mais precisava deles.

ARTILHEIRO DA SELEÇÃO

Nenhum dos outros dois finalistas do prêmio de melhor do mundo fez tanto por sua seleção entre 20 de novembro de 2016 e 6 de agosto de 2017 quanto Cristiano Ronaldo. O astro marcou sete vezes com a camisa portuguesa no período em que os eleitores deveriam analisar os candidatos para definir seus votos. O desempenho não foi suficiente para dar a Portugal o título da Copa das Confederações, mas encaminhou a classificação do país para a Copa do Mundo.

REINVENÇÃO

Aos 32 anos, Cristiano Ronaldo precisou se reinventar para continuar como um candidato real ao prêmio de melhor jogador do mundo. Para começar, o jogador passou a aceitar ser poupado das partidas menos importantes do Real Madrid (ficou fora da vários confrontos da reta final do Espanhol). Além disso, CR7 é cada vez menos um atacante de lado de campo e tem passado a maior parte do tempo como centroavante.


Mais de Opinião

– Chuva de gols e regularidade: 5 motivos para Messi ser melhor do mundo
– Atuação do ano e garçom: 5 motivos para Neymar ser eleito o melhor do mundo
– Messi ficará menor se a Argentina não se classificar para a Copa?
– Eu quero a Argentina na Copa-2018… e você deveria querer também


Sonho de ter Cristiano Ronaldo transforma estrelas em “moedas de troca”
Comentários Comente

Rafael Reis

A possível saída de Cristiano Ronaldo do Real Madrid fez alguns dos principais clubes do planeta transformarem estrelas de primeiro escalão do futebol mundial em potenciais moedas de troca.

De acordo com diferentes veículos da imprensa europeia, Chelsea, Manchester United e Milan estão dispostos a incluir craques dos seus elencos atuais na proposta para contar com o português.

No caso do Chelsea, a intenção é aproveitar o interesse do Real pelo belga Eden Hazard, eleito o craque da Premier League duas temporadas atrás, para convencer os espanhóis a mandarem CR7 para Londres.

Segundo o britânico “Daily Express”, a oferta do Chelsea pelo atual melhor jogador do mundo seria de 200 milhões de euros (R$ 737 milhões), além da cessão de Hazard.

A estratégia do Manchester United para resgatar Ronaldo, que já defendeu o clube entre 2003 e 2009, é parecida.

De acordo com o “Daily Mirror”, o time dirigido por José Mourinho admite pagar os mesmos 200 milhões de euros (R$ 737 milhões), acrescidos do goleiro espanhol David de Gea, o melhor da posição na Inglaterra nos últimos três anos e um sonho antigo do Real.

Outro clube que deseja aproveitar o desejo do atual bicampeão europeu de contratar um novo dono para sua camisa 1 é o Milan.

Em entrevista ao “Corriere delo Sport”, no último fim de semana, Massimiliano Mirabelli, diretor de futebol do time italiano, admitiu que pode incluir o goleiro Gianluigi Donnarumma, em litígio com o Milan, em uma proposta por CR7.

Também interessado em contar com o português, o Paris Saint-Germain é exceção. Sem contar com nenhum jogador que está na mira do Real, o time francês deve se limitar a uma oferta financeira para ser o destino do craque. Por enquanto a proposta do PSG gira em torno de 140 milhões de euros (R$ 516 milhões).

Principal astro da conquista das duas últimas edições da Liga dos Campeões pelo Real, Cristiano Ronaldo tem uma multa rescisória na casa de 874 milhões de euros (R$ 3,2 bilhões), ou seja, um valor proibitivo para qualquer clube do mundo.

A chance de CR7 mudar de clube na próxima temporada se tornou o principal assunto da janela de transferências do futebol europeu depois de o jornal português “A Bola” publicar na última sexta-feira que o camisa 7 não planeja voltar a Madri depois da Copa das Confederações.

De acordo com a publicação, o melhor jogador do mundo cansou de sua vida na Espanha. Segundo o jornal, o atacante está irritado com o comportamento da torcida do Real, descontente com o tratamento que tem recebido da imprensa espanhola e não aceitou bem a acusação de sonegação fiscal feita pela Promotoria da capital espanhola.


Mais de Cidadãos do Mundo

Novato da seleção alemã já foi suspenso por comentário machista
Por onde andam os jogadores da Alemanha que foi tri mundial na Copa-1990?
7 astros que podem protagonizar transferências milionárias nesta janela
Mistério e polêmicas: quem é o homem que tem revolucionado o Milan?