Blog do Rafael Reis

Arquivo : burak karan

Ex-seleção alemã trocou futebol pelo Estado Islâmico e morreu terrorista
Comentários Comente

Rafael Reis

Em meados da década passada, Burak Karan era uma das grandes apostas para o futuro do futebol alemão. O volante e zagueiro de Bayer Leverkusen, Hertha Berlin, Hamburgo e Hannover parecia que teria uma carreira brilhante como profissional.

Mas ele não teve o mesmo destino de Sami Khedira (Juventus) e Kevin Prince-Boateng (ex-Milan e atualmente no Eintracht Frankfurt), seus companheiros nas seleções germânicas sub-15 e sub-16.

A história de Karan terminou bem distante dos gramados. Cinco anos atrás, ele morreu durante um ataque aéreo a um campo de terroristas em Azaz, cidade na fronteira da Síria com a Turquia.

O ex-jogador da seleção alemã não estava lá por acaso. Desde 2008, ele estava conectado a grupos terroristas. E, quando foi morto, militava nas fileiras do Estado Islâmico.

“Quando ouvi o que havia acontecido com Burak, foi como se eu tivesse recebido uma pancada. Isso é algo que nos faz pensar duas vezes sobre o que pode acontecer com um jovem atleta. Sim, ele pode se tornar uma grande estrela, mas sua vida também pode tomar um rumo completamente diferente. Mesmo como treinador, é impossível você enxergar a alma das pessoas”, afirmou o técnico Thomas Hengen, ao jornal britânico “Guardian”, logo após a morte de Karan.

Hengen foi o último técnico do jogador que se tornou terrorista. No primeiro semestre de 2008, quando tinha 20 anos e transitava entre as categorias de base e a equipe profissional do Alemania Aachen resolveu radicalizar e mudar de vida.

Incomodado com o que estava acontecendo no Oriente Médio e amigo de integrantes de movimentos islâmicos radicais, decidiu abandonar a carreira no futebol. Mais tarde, pegou sua esposa e dois filhos e partiu para a Síria.

A intenção, segundo relatou seu irmão Mustafá ao jornal alemão “Bild”, não era se unir a grupos terroristas e fazer a “jihad” (guerra santa contra infiéis e inimigos do Islã), mas apenas ajudar na coleta e distribuição de donativos para refugiados de guerra.

“Burak me disse que dinheiro e sua carreira não eram coisas importantes. Ele se transformou e começou a assistir a muitos vídeos na internet sobre zonas de guerra. Burak considerava muito injusta a forma como as pessoas que vivem nesses lugares morriam. Um dia, deixou para trás e foi embora”, relatou.

A última imagem de Karan surgiu no YouTube poucos dias após a sua morte, em outubro de 2013. No vídeo, o ex-jogador aparecia usando um turbante na cabeça, com um fuzil em punhos.


Mais de Cidadãos do Mundo

Técnico de sensação da Copa ainda trabalha como dentista “de vez em quando”
Neymar, Messi e cia.: Top 10 da artilharia da Europa tem 7 sul-americanos
Como agente de Ibra virou pivô de crise de casal mais polêmico do futebol
Zidane é recordista de expulsões em Copas do Mundo: verdade ou lenda?


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>