PUBLICIDADE
Topo

Por onde andam 7 brasileiros que jogaram na Roma?

Rafael Reis

09/01/2020 04h20

É difícil contar a história dos principais clubes da Europa sem citar jogadores brasileiros. Afinal, os representantes do futebol pentacampeão mundial vêm há décadas desempenhando papel de destaque no Velho Continente.

Muitos deles foram protagonistas, os caras que brilharam nos momentos mais importantes. Mas também houve existiram aqueles que tiveram função de coadjuvante, e até os que se tornaram grandes decepções.

Desde agosto, o "Blog do Rafael Reis" está contando essa história.

Semanalmente, mostramos brasileiros de todos os tipos e qualidades que passaram pelos clubes mais poderosos da Europa e também identificaremos o que eles andam fazendo da vida atualmente.

Nesta semana, vamos apresentar sete jogadores tupiniquins que vestiram em algum momento da carreira a camisa da Roma. Na próxima quinta-feira, será a vez do Napoli, a equipe que foi consagrada por Diego Maradona.

PAULO ROBERTO FALCÃO
Ex-meia
66 anos

Crédito: Reprodução

O apelido "Rei de Roma" diz muito sobre a importância do brasileiro para a história do clube. O ex-meia só passou cinco anos na Itália. Mas o tempo foi suficiente para que ele construísse uma trajetória inesquecível para os torcedores. Entre 1980 e 1985, a Roma ganhou seu segundo título italiano, faturou três Copas da Itália e alcançou a final da Liga dos Campeões de 1984. Desde a aposentadoria, Falcão tem se alternado entre as carreiras de treinador e comentarista de futebol na TV. Ex-comandante da seleção brasileira, ele trabalhou como técnico pela última vez em 2016, quando dirigiu o Internacional.

RENATO GÁUCHO
Ex-atacante
57 anos

Crédito: Reprodução

Ao contrário de Falcão, foi uma grande decepção no futebol italiano. Renato foi contratado pela Roma em 1988, depois de fazer sucesso no Grêmio e no Flamengo, e chegou à cidade com expectativa de ser o novo craque do clube. Mas sua passagem pelo Calcio durou só uma temporada. Sem jogar bem, várias vezes relegado ao banco e, se dizendo boicotado por companheiros de time, voltou ao rubro-negro carioca. Três décadas depois, o ex-atacante tem hoje uma consolidada carreira de treinador. À frente do Grêmio desde 2016, ganhou uma Copa do Brasil e uma Libertadores pelo clube gaúcho. Também já foi especulado como um possível futuro comandante da seleção brasileira.

ALDAIR
Ex-zagueiro
54 anos

Crédito: Getty Images

Integrante do Hall da Fama da Roma, é o estrangeiro que mais defendeu o clube em todos os tempos. Entre 1990 e 2003, Aldair foi a campo 436 vezes pela equipe da capital italiana, menos apenas que quatro jogadores locais. Quando foi embora da cidade, chegou a ter a camisa número 6 aposentada (ela voltou a ser utilizada dez anos depois). Depois de abandonar os gramados, o zagueiro titular do tetra da seleção brasileira virou um jogador importante de futevôlei e chegou a disputar um Mundial da modalidade pela Itália.

JUAN
Ex-zagueiro
40 anos

Crédito: Gabriel Bouysa/AFP

Veterano de duas Copas do Mundo (2006 e 2010), o zagueiro passou cinco temporadas defendendo a Roma e foi duas vezes vice-campeão italiano. Juan teve uma carreira bastante longeva e só se aposentou no ano passado, já quarentão, e defendendo seu clube de coração, o Flamengo. É no rubro-negro também que ele está dando seus primeiros passos em uma nova carreira. Desde que pendurou as chuteiras, Juan está fazendo uma espécie de estágio por diferentes áreas do Fla para encontrar qual é a função mais apropriada para ocupar no futuro.

ANTÔNIO CARLOS
Ex-zagueiro
50 anos

Crédito: Reprodução

Jogador da Roma entre 1998 e 2002, foi parceiro de zaga de Aldair e ajudou o clube a conquistar seu último título italiano, em 2001. Sua passagem pelo Calcio ficou marcada pela cusparada que deu em Diego Simeone, então volante da Lazio, durante o dérbi da capital italiana de 1999. Mesmo depois de aposentado, Zago continua se envolvendo em polêmicas. Depois de dirigir clubes como Palmeiras e Internacional, ele levou o Bragantino à conquista da Série B do ano passado. Nesta temporada, aceitou convite do Kashima Antlers e se mandou para o Japão sem pagar a multa prevista no seu contrato com o clube do interior paulista.

RODRIGO TADDEI
Ex-meia
39 anos

Crédito: Jasper Juinen/Getty Images

Revelado nas categorias de base do Palmeiras, ficou famoso pela polivalência que mostrava em campo. Ao longo da carreira, Taddei jogou em praticamente todas as posições  e chegou até a quebrar o galho como goleiro quando defendia a equipe paulista. O brasileiro viveu na Roma os melhores anos da sua trajetória como profissional. Entre 2005 e 2014, foi jogador de destaque do time da capital italiana e chegou até a convocação cogitada para Azzurra. Aposentado há pouco tempo, Taddei continua sendo tratado como ídolo em Roma e eventualmente participa de eventos organizados pelo clube.

FÁBIO JÚNIOR
Ex-atacante
42 anos

Crédito: Reprodução

Contratado pela Roma como jogador de seleção brasileira e novo craque do futebol verde e amarelo, o centroavante se deu mal na Itália. A maior parte dos quatro anos de contrato que assinou com o clube foram cumpridos em empréstimos a Cruzeiro, Palmeiras e Vitória de Guimarães. Depois da passagem fracassada pela Roma, Fábio Júnior nunca mais alcançou o status que tinha no início de carreira. Ele estendeu sua carreira até 2016. No ano passado, foi contratado pela Globo para trabalhar como comentarista nos canais do grupo.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Sem clube, ex-seleção admite erros no passado e quer time para criar raízes
Por onde andam 7 craques da Copa São Paulo que "sumiram" no mundo?
7 brasileiros que já podem assinar com um novo time para julho
Ex-parceiro de Neymar vence doping, brilha na Itália e já sonha com seleção

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis