PUBLICIDADE
Topo

Não é menosprezo, Liverpool só não se importa com Flamengo ou Mundial

Rafael Reis

13/12/2019 04h20

Na semana passada, o meia holandês Georginio Wijnaldum afirmou que sabe pouco sobre o Flamengo. Dias depois, foi a vez do técnico Jürgen Klopp admitir que ainda não começou os estudos sobre o possível adversário na final do Mundial de Clubes.

Foi o suficiente para torcedores rubro-negros se revoltarem, acusarem o Liverpool de menosprezo e relembrarem, cheios de orgulho, que em dezembro de 1981 botaram "os ingleses na roda", em um cenário bastante semelhante a esse.

Crédito: Getty Images

Mas, não. Os Reds não estão esnobando um possível confronto contra os comandados de Jorge Jesus. Eles só não estão se importando tanto assim com o Fla e nem com o Mundial. É tudo uma simples questão de perspectiva e prioridades.

Para os cariocas, cruzar o caminho do Liverpool é a oportunidade de fazer história, de medir forças com um gigante global e de enfrentar o trio de ataque mais badalado do planeta, o zagueiro número um do mundo e o goleiro do momento.

Os ingleses veem o torneio de forma completamente diferente. Ele até tem sua graça, já que é uma chance de conhecer outras culturas futebolísticas e enfrentar times que não fazem parte do seu cotidiano.

Mas isso é muito pouco para quem está acostumado a uma rotina de jogos contra adversários do calibre de Manchester City, Manchester United ou Chelsea e que de vez em quando tem um Lionel Messi ou Cristiano Ronaldo pelo caminho.

No frigir dos ovos, a competição da Fifa é, para o Liverpool, pouco mais que um incômodo no meio de um calendário recheado de compromissos de fim de ano (são oito jogos programados para dezembro). Ou seja, não é sonho, mas sim uma obrigação profissional.

É claro que os Reds querem ser campeões mundiais e vão encarar seus adversários com seriedade. Mas, ser derrotado pelo Fla ou por qualquer outro adversário no Qatar não será uma hecatombe que irá manchar a reputação do time que lidera com folga com a Premier League.

E isso, diminuir a importância do resultado por ter outros assuntos mais importantes com os quais se preocupar, é muito menos menosprezo com o rival do que, por exemplo, escalar os reservas em jogos do Estadual do Rio ou mesmo do Brasileiro, algo que o próprio clube rubro-negro cansou de fazer e que felizmente está caindo em desuso graças a Jorge Jesus.

O Flamengo disputa a semifinal do Mundial de Clubes na próxima terça-feira, contra o vencedor do confronto entre Al-Hilal, da Arábia Saudita, e Espérance, da Tunísia. Na quarta, é a vez do Liverpool estrear. Seu adversário será Monterrey, do México, ou Al-Sadd, do Qatar.

Brasileiros e ingleses só podem se encontrar na final (ou na disputa do terceiro lugar). O jogo que irá decidir o vencedor da competição que reúne todos campeões continentais de 2019 está marcado para 21 de dezembro, sábado, em Doha.

Liverpool e Flamengo também já estão garantidos na edição de estreia do novo Mundial de Clubes, competição quadrienal que será disputada pela primeira vez em entre junho e julho de 2021 e que contará com a participação de 24 clubes.


Mais Opinião

– Palmeiras não é o Real Madrid das Américas, mas quer ser o Bayern do Brasil
– Inspiração para o Fla? 5 times que mais complicam o Liverpool na era Klopp
– Jesus e Gallardo não inventaram a roda, mas copiaram tudo direitinho
– Futebol só finge que não tolera o racismo, mas adora um preconceito

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Rafael Reis