Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Um ano depois, último melhor do mundo enfrenta críticas, jejum e até banco

Rafael Reis

23/09/2019 04h20

O que você espera de um jogador consagrado com o prêmio de melhor do mundo? Que ele faça, crie ou evite muitos gols, resolva algumas partidas difíceis, seja determinante para o sucesso de sua equipe e, no mínimo, tenha um lugar fixo e incontestável entre os titulares, certo?

Um ano depois de acabar com a hegemonia de uma década de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi nas eleições da Fifa e ser eleito o craque máximo de 2017/18, o meia croata Luka Modric não atende a nenhum desses critérios.

Crédito: Tatyana Makeyeva/Reuters

Aos 34 anos, o camisa 10 do Real Madrid está em crise: perdeu desempenho físico, não joga bem há algum tempo, vem flertando com o banco de reservas e começou a nova temporada da pior forma possível.

O meia só disputou duas partidas oficiais e ficou em campo por apenas 78 minutos depois das férias do verão europeu.

Em um desses jogos, contra o Celta, foi titular, mas acabou expulso no começo do segundo tempo. No outro, ante o Villarreal, saiu do banco e atuou na segunda metade da etapa final. Depois, sofreu uma lesão muscular que deve tirá-lo de ação por mais uma semana.

Além disso, Modric não anota um gol pelo Real desde março. Pela seleção croata, o meia também só foi às redes uma única vez desde o vice-campeonato mundial conquistado no ano passado.

A decadência do jogador começou na sequência da Copa. Durante a janela de transferências posterior à Rússia-2018, ele teve um namoro avançado com a Inter de Milão e quase foi embora.

O negócio acabou não se concretizando, mas Modric nunca mais foi o mesmo no Real. Parte da torcida começou a pegar no seu pé por acreditar que ele não queria mais estar no Santiago Bernabéu, e os resultados negativos do time não ajudaram muito.

Antes do início desta temporada, o clube espanhol até foi atrás de um substituto para o melhor do mundo. Houve negociações com o francês Paul Pogba (Manchester United) e com o dinamarquês Christian Eriksen (Tottenham), mas nenhuma transferência foi concretizada.

Mesmo sem a chegada de um novo concorrente e com a lesão de Isco, que pode jogar nesse setor, o croata está longe de ter vaga garantida no Real 2019/20. Zidane já deu indícios de que pode jogar com duas linhas de quatro e também vem usando o colombiano James Rodríguez no lugar que normalmente era ocupado pelo croata.

O sucessor de Modric como vencedor da eleição da Fifa de melhor jogador do planeta será conhecido hoje, Milão (ITA), durante a cerimônia anual realizada pela entidade para premiar os destaques da temporada.

O zagueiro holandês Virgil van Dijk (Liverpool), o meia-atacante argentino Lionel Messi (Barcelona) e o atacante português Cristiano Ronaldo (Juventus) concorrem ao prêmio. No feminino, a disputa está entre a inglesa Lucy Bronze e as norte-americanas Alex Morgan e Megan Rapinoe.


Mais de Cidadãos do Mundo

Van Dijk adiantou parto da filha para não perder estreia na seleção
Como o Newell's se prepara para ser o próximo (e último) time de Messi
Como trio de mentores brasileiros ajudou a "construir" Cristiano Ronaldo
Condenado por abuso de menor, ex-City deixa a prisão, mas vira "maldito"

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis