Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Prima de Bolt é desafio para o Brasil na estreia na Copa do Mundo

Rafael Reis

2008-06-20T19:04:00

08/06/2019 04h00

Em sua estreia na Copa do Mundo feminina de futebol, às 10h30 (de Brasília) deste domingo, em Grenoble (França), a seleção brasileira deve evitar apostar corridas contra a camisa 3 da Jamaica.

Afinal, a lateral direita Chanel Hudson-Marks tem a velocidade correndo no sangue. Ela é parente de ninguém menos que Usain Bolt, recordista mundial dos 100 m e dos 200 m rasos e um dos maiores nomes da história do atletismo.

Crédito: Getty Images

A jogadora e o velocista são primos de terceiro grau. Nesse grau de parentesco, um pai ou a mãe de um deles é primo direto do pai ou da mãe do outro.

O contato ente Hudson-Marks e Bolt sempre foi mínimo. A jogadora da seleção jamaicana nasceu no Canadá e viveu por lá até o final da adolescência. Só seis anos atrás pisou pela primeira vez na ilha caribenha e justamente para participar de uma festa que reuniu toda a família do primo ilustre.

Assim como sua parente, que mergulhou de vez no futebol quando entrou na Universidade de Memphis (EUA) e passou a disputar competições universitárias, o homem mais rápido do mundo também é um apaixonado pelo esporte mais popular do planeta.

Depois de se aposentar do atletismo em 2017, Bolt tentou a sorte com a bola nos pés. Ele chegou a treinar no Borussia Dortmund e passou por um período de testes no Central Coast Mariners, da Austrália, clube pelo qual participou de alguns amistosos e até fez gols.

Mas, ao contrário da prima de 21 anos, que se formou em economia e deve começar a trabalhar na área depois que retornar da competição na França, o astro do atletismo jamais passou perto de disputar uma Copa do Mundo.

"Vou fazer parte da história da Jamaica. Sendo de um país pequeno, há muito mais para se lutar e do que se orgulhar", disse Hudson-Marks, em entrevista ao site da Universidade de Memphis.

As jamaicanas nunca disputaram um Mundial. A seleção caribenha ocupa apenas a 53ª colocação no ranking da Fifa e está atrás de países como Papua Nova Guiné, Vietnã, Mianmar e Uzbequistão.

Uma parte considerável das companheiras da prima de Bolt carregam histórias como a dela. São filhas ou netas de imigrantes jamaicanos e cresceram nos Estados Unidos ou no Canadá, países onde o futebol feminino é muito mais popularizado e desenvolvido.

No total, são 15 "estrangeiras" entre as 23 convocadas para o Mundial pela adversária de estreia do Brasil.

Crédito: Reprodução

Essa é a oitava edição do Mundial feminino. Os Estados Unidos são os atuais campeões e também os maiores vencedores, com três títulos (1991, 1999 e 2015). Alemanha (2003 e 2007), Noruega (1995) e Japão (2011) também já ficaram com o troféu.

A melhor campanha brasileira foi o vice-campeonato de 2007. Além da Jamaica, adversária de estreia, a equipe de Marta, Cristiane, Formiga e cia. ainda terá pela frente Austrália e Itália no Grupo C.


Mais de Cidadãos do Mundo

Além de Marta: 7 craques para acompanhar na Copa do Mundo feminina
Janela nem abriu e já movimentou R$ 4,8 bi; veja os 10 negócios mais caros
Lateral venceu racismo, depressão e suicídio para jogar final da Champions
Filho de religioso, astro do Liverpool chegou a ser proibido de jogar bola

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis