Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Além de Marta: 7 craques para acompanhar na Copa do Mundo feminina

Rafael Reis

2007-06-20T19:04:00

07/06/2019 04h00

Para muita gente, o futebol feminino se resume a Marta. Mas, apesar de ter sido eleita seis vezes como melhor jogadora do mundo e de ter um dos nomes mais pesados da história do esporte, a brasileira não é a grande estrela da modalidade.

A Copa do Mundo, que começa nesta sexta-feira, na França, está cheia de jogadoras que, assim como a camisa 10 alagoana, jogam um futebol de alto nível e merecem sua atenção.

O "Blog do Rafael Reis" apresenta abaixo sete dessas jogadoras de primeiro escalão que vão dar muito o que falar durante o Mundial-2019.

CARLI LLOYD
Meia
36 anos
Sky Blue FC (EUA)
Estados Unidos

Crédito: Getty Images

A veterana é um dos maiores nomes da história do futebol feminino e disputa a competição pela quarta vez na carreira. Bicampeã olímpica em 2008 e 2012, Lloyd conquistou há quatro anos seu primeiro título mundial e, de quebra, acabou eleita como craque do torneio. A norte-americana, que já marcou mais de cem gols pela seleção, é também a única jogadora em atividade, além de Marta, que possui mais de um prêmio de melhor do mundo no currículo, já que ganhou a eleição da Fifa, em 2015 e 2016.

LIEKE MARTENS
Meia-atacante
26 anos
Barcelona (ESP)
Holanda

Crédito: Divulgação

Eleita a melhor jogadora do mundo em 2017, é o grande nome da seleção holandesa, atual campeã europeia. Também carrega o peso de ser a protagonista do Barcelona, vice da versão feminina da Champions League nesta temporada. Apesar de balançar as redes com frequência, Martens não é propriamente uma artilheira. Seu jogo é muito mais de criação de jogadas para companheiras marcarem. Na recém-encerrada temporada europeia, fez 14 gols e distribuiu nove assistências pelo Barça.

DZSENIFER MAROZSÁN
Meia
27 anos
Lyon (FRA)
Alemanha

Crédito: Divulgação

Atual campeã olímpica, contribuiu para a conquista da inédita medalha de ouro ao marcar um dos gols da Alemanha na decisão da Rio-2016. Desde então, Marozsán virou uma das jogadoras mais regulares do planeta. A craque nascida na Hungria chega à Copa do Mundo vivendo a melhor fase de sua carreira. A meia veste a camisa 10 do Lyon, o melhor time do planeta na atualidade, venceu as últimas três edições da Liga dos Campeões e só ficou atrás de Marta na eleição de melhor do mundo no ano passado.

MEGAN RAPINOE
Meia-atacante
33 anos
Seattle Reign (EUA)
Estados Unidos

Crédito: Getty Images

Assim como Lloyd, sua companheira na equipe norte-americana, é uma lenda viva do futebol feminino. Rapinoe veste a camisa da seleção há 13 anos e foi campeã mundial em 2015. Além do sucesso dentro de campo, a meia-atacante é uma das personalidades mais influentes da modalidade e tem usado esse poder na luta contra o preconceito. A jogadora tornou pública sua homossexualidade em 2012 e, desde então, tem atuado em prol de diferentes organizações favoráveis aos direitos LGBT.

SAM KERR
Atacante
25 anos
Perth Glory (AUS) e Chicago Red Stars (EUA)
Austrália

Crédito: Reprodução

Ídolo nacional na Austrália, é hoje o maior expoente do futebol do país, seja no masculino ou no feminino. Kerr divide seu tempo entre as ligas profissionais australiana e norte-americana. Em ambas, marca mais gols do que qualquer outra jogadora. A atacante é também a maior artilheira da NWSL (EUA) desde que ela foi criada, em 2013, com 55 bolas na rede, e a única que conseguiu marcar quatro gols em uma única partida na história da competição. Apesar de ainda muito jovem, irá disputar o terceiro Mundial de sua carreira.

LUCY BRONZE
Lateral direita
27 anos
Lyon (FRA)
Inglaterra

Crédito: Getty Images

É difícil para uma jogadora de defesa entrar na briga pelos prêmios individuais oferecidos aos melhores do planeta. Mas a lateral da seleção inglesa é tão boa que foi escolhida como craque do mundo em 2017 pela BBC e ficou na sexta colocação na eleição da Fifa no ano passado. O reconhecimento é resultado do sucesso que Bronze faz no Lyon, clube que defende desde 2017 e pelo qual ganhou as duas últimas edições da Champions. Principal nome da seleção inglesa, ela ficou grande demais para sua posição e hoje atua em praticamente todos os setores do campo.

ALEX MORGAN
Atacante
29 anos
Orlando Pride (EUA)
Estados Unidos

Crédito: Getty Images

A atacante surgiu como um fenômeno no final da década passada e, com 22 anos, já era vice-campeã mundial com a seleção norte-americana. Apesar de ter tido a carreira prejudicada por uma série de problemas físicos, Morgan conseguiu se firmar como uma das atacantes mais letais do planeta e já passou da casa dos cem gols com a camisa dos EUA. A craque também resolveu se arriscar no futebol europeu. Em 2017, foi emprestada ao Lyon e voltou de lá com o título da Champions em mãos.


Mais de Cidadãos do Mundo

Janela nem abriu e já movimentou R$ 4,8 bi; veja os 10 negócios mais caros
Lateral venceu racismo, depressão e suicídio para jogar final da Champions
Filho de religioso, astro do Liverpool chegou a ser proibido de jogar bola
Por onde andam os jogadores do último título inglês na Champions?

 

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis