Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Final da Libertadores na Espanha custa R$ 7 mil para torcedores argentinos

Rafael Reis

2030-11-20T18:04:00

30/11/2018 04h00

A decisão da Conmebol de realizar o segundo jogo da decisão da Copa Libertadores da América-2018 fora do território argentino vai custar caro aos torcedores de River Plate e Boca Juniors.

Com a confirmação de Madri como sede da partida que será realizada no dia 9 de dezembro, os torcedores argentinos gastarão cerca de R$ 7 mil para conseguirem acompanhar de perto a final.

A capital da Espanha venceu a disputa com Doha, no Qatar, para receber o jogo. Outras cidades, como Miami (EUA), Assunção (Paraguai), Gênova (Itália), Belo Horizonte (MG) e Chapecó (SC), também se ofereceram para abrigar o clássico.

Uma pesquisa feita em sites argentinos de passagens aéreas mostra que o valor médio do voo (de ida e volta) entre o país de River e Boca e a Espanha no fim de semana da final custa em torno de 65 mil pesos (cerca de R$ 6.500).

Até opções voos mais baratos, na casa dos 40 mil pesos (R$ 4.000), mas essas linhas têm pelo menos duas escalas e duram mais de 24 horas.

Além do valor da passagem, o torcedor que decidir ver in loco a final da Libertadores também terá de gastar pelo menos R$ 60 em uma hospedagem. Esse valor corresponde a uma diária do leito mais barato encontrado no Airbnb (uma beliche em quarto compartilhado).

Há ainda os custos com alimentação e transporte em Madri, além do preço do ingresso da decisão. E pronto: a viagem não deve sair por menos de R$ 7 mil (quase 70 mil pesos argentinos, equivalente a sete salários mínimos no país).

O segundo jogo da decisão da Libertadores não será realizado no Monumental de Núñez, casa do River, devido aos incidentes de segurança que fizeram com que a partida fosse adiada duas vezes no último fim de semana.

Inicialmente marcado para sábado (24), o jogo não aconteceu porque torcedores da equipe mandante apedrejaram e lançaram garrafas de cerveja contra o ônibus do Boca na chegada à arena e deixaram alguns jogadores do time visitante feridos.

A partida foi adiada para o dia seguinte, mas foi novamente adiada porque o Boca pressionou para não ir a campo –o meia Pablo Pérez, seu capitão, estava com um ferimento no olho devido a estilhaços do vidro do ônibus.

Alegando ter sido prejudicado pelo ataque, o Boca não deseja a realização da segunda partida (a primeira terminou empatada por 2 a 2) e quer ser declarado campeão. Segundo seu presidente, Daniel Angelici, a equipe não jogará "nenhuma partida", esgotará todas as vias dentro da Conmebol e, caso necessário, irá recorrer à Corte de Arbitragem Esportiva (CAS).

O Boca já conquistou seis vezes o título da Libertadores (1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007) e busca se igualar ao Independiente como maior campeão da história do torneio sul-americano. Já o River, que faturou a taça em 1986, 1996 e 2015, quer ser tetra.

O vencedor deve ir direto ao Oriente Médio para a disputa do Mundial de Clubes da Fifa, que será realizado entre os dias 12 e 22 de dezembro, nos Emirados Árabes Unidos.

Além do campeão da Libertadores-2018, a competição contará também com as participações de Real Madrid (ESP), Kashima Antlers (JAP), Espérance (TUN), Chivas Guadalajara (MEX), Team Wellington (NZL) e Al Ain (EAU).


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam 7 ex-jogadores do Barcelona que "sumiram"?
Argentina deu água "batizada" ao Brasil na Copa-1990: verdade ou lenda?
Para algoritmo, Messi é nota 10 na Champions e Neymar perde para Dzeko
Maiores vencedores, Messi e CR7 correm atrás de líderes da Chuteira de Ouro

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis