Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Como capitão da seleção virou símbolo de luta feminista no Irã

Rafael Reis

2020-06-20T18:04:00

20/06/2018 04h00

O volante Masoud Shojaei, do AEK Atenas (GRE), é o jogador mais experiente e o capitão da seleção do Irã. Astro em sua terra natal, ele se tornou também um dos símbolos da luta feminista no país.

O atleta de 34 anos, que disputa a terceira Copa do Mundo de sua carreira, encabeça o movimento que pede a liberação da presença feminina nos estádios de futebol iranianos.

Mulheres são proibidas de frequentar competições esportivas masculinas desde 1982. Ou seja, a mãe, a irmã e a esposa de Shojaei jamais puderam assistir in loco a uma partida dele dentro do território do Irã.

A situação incomoda o jogador. Logo após a classificação para o Mundial-2018, no ano passado, o capitão da seleção resolveu se pronunciar abertamente sobre o tema, até então um tabu no país.

"Eles [governo] deveriam tomar uma atitude para permitir a presença das mulheres nas arquibancadas no futuro", afirmou o volante, em entrevista à rede de TV Varzesh3.

Dias depois, Shojaei teve um encontro com o presidente Hassan Rouhani e solicitou o fim do banimento da presença feminina nos jogos de futebol.

O mandatário iraniano prometeu analisar a ideia. O principal entrave à medida não é propriamente a presidência, mas sim o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei.

As restrições às mulheres no país já foram até mais severas do que atualmente. Até 1987, elas não podiam sequer assistir a jogos de futebol na TV.

Em 2006, o então presidente Mahmoud Ahmadinejad até tentou liberar a presença feminina nas arquibancadas. Ele emitiu um decreto criando setores específicos para mulheres nos estádios de futebol. Só que o ato foi barrado pelo sistema judiciário.

Em janeiro, a Arábia Saudita acabou com a restrição de gêneros nas arenas e passou a permitir que mulheres frequentem jogos masculinos de futebol. A decisão deixou o Irã ainda mais isolado.

Enquanto não vence essa luta, Shojaei continuará sem ver as mulheres mais importantes de sua vida nas partidas da seleção do Irã disputados em casa. Quando os jogos acontecem no exterior, como na Copa do Mundo, aí sim elas podem estar presentes.

Após a vitória por 1 a 0 para Marrocos na primeira rodada, a equipe asiática enfrenta a Espanha, nesta terça-feira, às 15h (de Brasília), em Kazan, e pode até já assegurar sua classificação para as oitavas de final da Rússia-2018.


Mais de Cidadãos do Mundo

Cinco gols em um só jogo: conheça o último russo artilheiro de Copa
Por que aposta da Inglaterra rejeita sobrenome de realeza africana?
Só craques: 7 jogadores da Copa que atuam em times da 2ª divisão
"Estrelas e estrelos": 7 casais de celebridades da Copa do Mundo

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis