Blog do Rafael Reis

Novo comandante da Espanha, Hierro tem 1 ano de carreira como técnico

Rafael Reis

Quarenta e três partidas, com 17 vitórias, dez empates e 16 derrotas. É esse o resumo da ínfima carreira como treinador do comandante da seleção espanhola na Copa-2018, Fernando Hierro.

Anunciado a dois dias da estreia no Mundial da Rússia, contra Portugal, na sexta-feira, o ex-zagueiro do Real Madrid passou apenas um dos seus 50 anos de vida trabalhando como técnico. E não deu tão certo assim.

Hierro dirigiu o Oviedo na segunda divisão espanhola durante a temporada 2016/17. Sob seu comando, a equipe terminou na oitava posição e ficou a dois pontos de participar dos playoffs que definiram o acesso para a elite.

O ano do agora técnico da Espanha à frente da Asturias ficou marcado por alguns resultados decepcionantes, como a goleada por 5 a 1 sofrida contra o Alcorcón e um 4 a 0 aplicado pelo Huesca.

A passagem do ex-zagueiro pelo clube incluiu ainda uma sequência de sete jogos sem vencer, logo na reta final da temporada, ou seja, no momento da decisão dos promovidos para a primeira divisão.

Se o substituto de Julen Lopetegui no comando da Espanha não tem muito do que se vangloriar da sua trajetória como técnico, o que ele fez dentro de campo e como cartola é digno de vastos elogios.

Hierro defendeu a camisa do Real Madrid durante 14 temporadas e conquistou três títulos de Liga dos Campeões da Europa. Pela Espanha, foram 89 partidas e quatro participações em Copas do Mundo.

Apesar de ser um jogador de defesa, chegou a ser o maior artilheiro da história da seleção graças ao fato de ter sido um exímio cobrador de faltas e pênaltis. Ainda hoje, é o quinto maior goleador da Fúria, com 29 bolas nas redes.

Depois da aposentadoria, em 2005, pelo Bolton, Hierro fez sucesso como dirigente. Era ele o diretor esportivo da seleção espanhola entre 2007 e 2011, período em que a equipe se consolidou entre as maiores forças do planeta ao faturar uma Euro (2008) e uma Copa (2010).

Após a vitoriosa passagem pela seleção, foi chamado para encabeçar o projeto de transformar o Málaga em uma potencial nacional (e até continental). Permaneceu no clube durante apenas uma temporada, mas conseguiu classifica-lo para a disputa da Champions.

Hierro ainda trabalhou como assistente técnico de Carlo Ancelotti entre 2014 e 2015, período em que Zinédine Zidane dirigia o Castilla, antes de tentar um voo solo como treinador. E se dar mal.

Com a experiência mal sucedida no Oviedo, o ex-zagueiro retornou às origens e foi recontratado em novembro passado pela Real Federação Espanhola de Futebol. A ideia era ter o mesmo cargo da passagem anterior, algo semelhante ao papel que Edu Gaspar desempenha no Brasil.

A surpreendente demissão de Lopetegui, a um dia da abertura da Copa e dois da estreia espanhola, alterou todo esse plano. Agora, a campeã mundial de 2010 vai ter de se virar na Rússia-2018 com um técnico que não tem nem 50 jogos de experiência na função.


Mais de Cidadãos do Mundo

Futuro do Futebol: 7 garotos que merecem sua atenção na Copa-2018
Copa em família: Conheça os parentes que vão jogar o Mundial da Rússia
Coisa de brasileiro? 7 jogadores da Copa que são conhecidos pelo apelido
Polêmica sobre masturbação encerrou casamento de rival de estreia do Brasil