PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Esquecido por Tite, Oscar "renasce" e vira maestro de melhor time da China

Rafael Reis

19/04/2018 04h00

Quatro anos atrás, Oscar vestia a camisa 11 da seleção, era visto semanalmente pelos torcedores via TV nas partidas do Chelsea e possuía lugar cativo no time que Felipão montou para a Copa do Mundo-2014.

Às vésperas de um novo Mundial, a situação é bem diferente. O meia de 26 anos é ignorado há quase dois anos por Tite, ficou distante os holofotes do futebol europeu e caiu em uma espécie de ostracismo em sua terra natal.

O Brasil pode até ter se esquecido de Oscar. Mas, na China, o nome do jogador nunca esteve tão na moda.

O meia é o maestro do melhor time do país nesta temporada, o Shanghai SIPG, e também o rei das assistências da primeira divisão do gigante asiático.

Nas primeiras seis rodadas da Superliga Chinesa, Oscar deu sete passes para gol, mais do que qualquer outro jogador inscrito na competição. O meia também já marcou três vezes, todas na estreia, contra o Dalian Yifang.

Em apenas um dos seis jogos que disputou até o momento, a vitória por 2 a 1 sobre o Henan Jianye, no começo de abril, o brasileiro saiu de campo sem presentear seus companheiros com um passe para gol.

Quem tem que agradecer muito pela boa fase do ex-jogador do Chelsea é o chinês Lei Wu, artilheiro do campeonato. Dos nove gols marcados pelo camisa 7 do SIPG, quatro nasceram de assistências do meia.

É graças também ao belo início de temporada de Oscar que o time da maior cidade da China se tornou a sensação da Superliga-2018.

O SPIG, que também conta com os brasileiros Hulk e Elkseson, venceu todos os seis jogos que disputou até o momento e já abriu cinco pontos de vantagem para o Guangzhou Evergrande, vice-líder e atual heptacampeão nacional.

Com três gols e sete assistências, ele participou ativamente de quase 50% de todas as 21 bolas que o time vermelho colocou nas redes adversárias nesta temporada.

Oscar é a contratação mais cara da história do futebol chinês. O brasileiro desembarcou na Ásia em janeiro do ano passado, depois de uma temporada no banco de reservas do Chelsea, em um negócio que movimentou 60 milhões de euros (R$ 252 milhões).

Desde sua chegada à China, o meia nunca mais foi chamado para a seleção brasileira. Sua última partida com a camisa amarelinha foi em 2015. A convocação mais recente, em outubro de 2016.

Oscar sabe que não irá à Copa, mas ainda tem idade suficiente para voltar à seleção depois da Rússia-2018 e disputar o Mundial do Qatar, daqui quatro anos. Fazer com que o torcedor brasileiro redescubra seu futebol é o primeiro passo.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Seleção deve ter batalhão de campeões nacionais na Copa-2018
– Em avaliação de robô, Alisson é melhor que Buffon, De Gea e Courtois
– Vinte anos depois, há gente que jura que o Brasil "vendeu" a Copa-1998
– Zagueiro troca nova chance no Palmeiras por bike, ônibus e aprendizado

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.