Blog do Rafael Reis

Gringos raros: 5 técnicos europeus que comandaram times no Brasil

Rafael Reis

Você lembra quem foi o último técnico estrangeiro que seu clube de coração contratou? Ele provavelmente era sul-americano, certo? É bem possível que fosse argentino, talvez uruguaio, quem sabe até colombiano.

Apesar de ter aberto suas fronteiras para jogadores gringos já há algum tempo, o mercado brasileiro ainda continua um tanto quanto conservador em relação a treinadores.

Poucos são os técnicos estrangeiros que trabalharam por aqui nos últimos anos e quase todos vieram do mesmo grupinho fechado de países.

Mas é claro que há exceções. De vez em quando (e bem de vez em quando mesmo), algum clube resolve ousar e vai à Europa em busca de um comandante acostumado a trabalhar nas melhores ligas nacionais do planeta.

Conheça abaixo cinco treinadores europeus que toparam cruzar o Oceano Atlântico para trabalhar no futebol brasileiro. Se fizeram sucesso ou não por aqui, bem, isso é uma outra história…

LOTHAR MATTHÄUS
Alemanha
56 anos
Atlético-PR (2006)

O capitão do tricampeonato mundial da Alemanha (1990) não tem uma trajetória das mais brilhantes como técnico. Os pontos altos de sua carreira foram os títulos sérvio, em 2003, pelo Partizan Belgrado, e austríaco, em 2007, pelo Red Bull Salzsburg. Entre um trabalho e o outro, Matthäus passou cerca de dois meses em Curitiba, comandando o Atlético-PR. O alemão foi embora invicto (seis vitórias e dois empates) porque sua mulher ameaçou pedir o divórcio caso ele permanecesse no Brasil.

PAULO BENTO
Portugal
48 anos
Cruzeiro (2016)

Semifinalista da Eurocopa-2012 e eliminado na primeira fase da Copa do Mundo-2014 com a seleção portuguesa, foi anunciado pelo Cruzeiro em maio do ano passado como uma tentativa de sacudir o futebol brasileiro. Só que a falta de resultados emperrou esse projeto de revolução. Dois meses depois de chegar a Belo Horizonte e com o time ocupando a penúltima colocação no Brasileiro, Paulo Bento foi demitido após uma derrota para o Sport.

MIGUEL ÁNGEL PORTUGAL
Espanha
61 anos
Atlético-PR (2014)

Ex-comandante dos times B e C do Real Madrid e com passagem pela primeira divisão espanhola (Racing Santander), trabalhou durante dois anos na Bolívia antes de ser contratado pelo Atlético-PR, no começo de 2014. Mas, assim como a maioria dos técnicos do futebol brasileiro, Portugal não teve vida longa no cargo. Em quatro meses à frente da equipe rubro-negra, o técnico espanhol conseguiu cinco vitórias, dois empates e seis derrotas.

BÉLA GUTTMANN
Hungria
Morto em 1981
São Paulo (1957-58)

Técnico de Ferenc Puskas e Sandor Kocsis no Honved que servia como base da seleção húngara na década de 1950, Guttmann ficou pouco mais de um ano no São Paulo e conquistou apenas um Campeonato Paulista. Só que seu trabalho foi muito maior do que a impressão deixada pela duração e pelos resultados obtidos. O treinador húngaro modernizou o futebol brasileiro e trouxe para cá os métodos de treinamento e inovações táticas que faziam sucesso na Europa, como o esquema 4-2-4 e eram praticamente desconhecidas deste lado do Atlântico.

SÉRGIO VIEIRA
Portugal
34 anos
Guaratinguetá, Atlético-PR, Ferroviária, América-MG e São Bernardo (desde 2015)

Um dos poucos treinadores estrangeiros a construir uma carreira em clubes pequenos do futebol brasileiro, o português chamou a atenção ao desenvolver um trabalho inovador na Ferroviária durante o Campeonato Paulista do ano passado. Adepto de um futebol de muita intensidade e toque de bola, Vieira também passou por Guarantiguetá, Atlético-PR e América-MG. No primeiro semestre deste ano, dirigiu o São Bernardo.


Mais de Cidadãos do Mundo

Um ano depois, vencedor do Puskas é celebridade e banco de saco de pancadas
Como surgiu a lenda que Messi é autista
No futebol da terra de Cristiano Ronaldo, quem brilha é o primo do craque
Dos finalistas do melhor do mundo, só Messi é top 50 na Chuteira de Ouro