Blog do Rafael Reis

7 clubes que quebraram seus recordes de contratação mais cara nesta janela

Rafael Reis

A janela de transferências do início da temporada 2017/18 será lembrada pelas cifras histórias que movimentou. Até a última segunda-feira, o total gasto pelo Mercado da Bola com compras e empréstimos de jogadores já havia superado os 4,3 bilhões de euros (R$ 16,2 bilhões).

Apesar de a janela só fechar no fim desta semana, e os negócios continuarem até lá, o valor já é histórico. Ele supera os 4 bilhões de euros (R$ 15,1 bilhões) torrados na temporada passada, até então a mais gastadeira do futebol em todos os tempos.

Em 2017/18, vários dos clubes mais poderosos do planeta realizaram a contratação mais cara de suas histórias. Listamos abaixo sete times que quebraram seus recordes particulares ao longo dos últimos meses:

PARIS SAINT-GERMAIN (FRA)
Antigo recorde: Edinson Cavani (2013), 64,5 milhões de euros
Novo recorde: Neymar (2017), 222 milhões de euros

Na tentativa de recuperar sua hegemonia local e de conquistar pela primeira vez a Liga dos Campeões da Europa, o clube mais poderoso da França não se contentou em contratar o maior reforço de sua história, mas também quebrou o recorde de jogador mais caro do planeta em todos os tempos. Novo camisa 10 do PSG, Neymar custou quase 37% do total investido pelos times da primeira divisão francesa em contratações para esta temporada.

BARCELONA (ESP)
Antigo recorde: Neymar (2013), 88,2 milhões de euros
Novo recorde: Ousmane Dembélé (2017), 105 milhões de euros

Ao mesmo tempo em que se transformou no reforço mais caro da história do Paris Saint-Germain e do futebol mundial, Neymar deixou de ostentar o recorde de maior contratação do Barcelona. Escolhido pelo clube catalão como substituto do brasileiro, o francês Ousmane Dembélé se tornou o primeiro reforço do Barça na casa dos 100 milhões de euros, depois de uma longa negociação com o Borussia Dortmund.

CHELSEA (ING)
Antigo recorde: Fernando Torres (2011), 58,5 milhões de euros
Novo recorde: Álvaro Morata (2017), 65 milhões de euros

Quanto custa um gol? Para o Chelsea, 65 milhões de euros. Foi esse o valor pago pelo atual campeão inglês pela peça de reposição para Diego Costa, em guerra com o técnico Antonio Conte. O espanhol Álvaro Morata, reserva do Real Madrid na temporada passada, tem justificado o investimento histórico e contabiliza dois gols e duas assistências nas primeiras quatro partidas oficiais pelo novo time.

ARSENAL (ING)
Antigo recorde: Mesut Özil (2013), 47 milhões de euros
Novo recorde: Alexandre Lacazette (2017), 53 milhões de euros

Fora da Liga dos Campeões da Europa pela primeira vez em duas décadas, o Arsenal também decidiu entrar no jogo dos milhões para não ficar (mais) para trás dos seus principais concorrentes ingleses. A carta na manga de Arsène Wenger não foi nada surpreendente. Como fez várias vezes ao longo da carreira, ele foi à França e contratou um dos seus compatriotas que se destacavam no futebol de lá. Só que Lacazette, ex-centroavante do Lyon, já foi parar no banco de reservas do Arsenal.

EVERTON (ING)
Antigo recorde: Romelu Lukaku (2014), 35,4 milhões de euros
Novo recorde: Gylfi Sigurdsson (2017), 49,4 milhões de euros

Uma das sensações da atual janela de transferências, o Everton fez questão de reinvestir os 84,7 milhões de euros que recebeu pela venda de Lukaku para o Manchester United e gastou bastante para a temporada 2017/18. Além de Rooney, de volta ao clube que o projetou depois de 13 anos, o outro reforço que chama a atenção é Sigurdsson. O meia islandês andava meio esquecido no Swansea City. Mesmo assim, virou um homem de quase 50 milhões de euros no Everton.

BAYERN DE MUNIQUE (ALE)
Antigo recorde: Javi Martínez (2012), 40 milhões de euros
Novo recorde: Corentin Tolisso (2017), 41,5 milhões de euros

Um dos clubes mais poderosos do planeta, o Bayern de Munique se orgulha de seu reforço mais caro de todos os tempos ter custado “apenas” 41,5 milhões de euros. Realmente, em tempos de mercado hiperinflacionado, chama a atenção os valores menores das contratações feitas pelo gigante alemão. Mas Corentin Tolisso não poderia mesmo custar mais. O meia francês, que começou muito bem a temporada 2017/18, não era nem mesmo o astro do Lyon, time que defendia até ser garimpado pelo Bayern.

TOTTENHAM (ING)
Antigo recorde: Moussa Sissoko (2016), 35 milhões de euros
Novo recorde: Davinson Sánchez (2017), 40 milhões de euros

Vice-campeão inglês na temporada passada, o Tottenham tem se especializado nos últimos anos em utilizar jogadores de sua base e complementar o time com uma ou outra contratação mais ousada, normalmente também de um atleta de pouca idade. O investimento da vez foi em Davinson Sánchez, zagueiro colombiano de apenas 21 anos, que se destacou na Libertadores-2016 pelo Atlético Nacional e disputou a última temporada europeia pelo Ajax.


Mais de Clubes

– Time de Hitler? Como clube alemão tenta apagar nazismo de sua história
– Novo rico e adeus de Buffon: 7 motivos para acompanhar o Italiano
– Disputa é pela artilharia: 7 motivos para acompanhar o Campeonato Alemão
– Sem Neymar, mas com Messi e Ronaldo: 7 motivos para acompanhar o Espanhol