Blog do Rafael Reis

Sensação do Mercado da Bola, Milan vira “novo rico” pela 2ª vez

Rafael Reis

Investimento de quase 190 milhões de euros (R$ 703 milhões) na contratação de novos jogadores. Reforços do nível de Bonucci, André Silva, Calhanoglu e Biglia. O posto de segundo clube que mais gastou na atual janela de transferências do futebol europeu.

E toda essa gastança só foi possível devido à injeção de dinheiro proporcionada pelo fundo de origem chinesa Rossoneri Sport Investment Luxembourg, novo proprietário do clube.

O Milan, um dos times mais tradicionais e vitoriosos do planeta, adotou a mesma receita do sucesso recente de Chelsea, Manchester City e Paris Saint-Germain: encontrou um dono cheio da grana e virou um novo rico.

E essa nem é a primeira vez em seus 117 anos de história que isso acontece.

Na década de 1980, quando vivia uma situação ainda mais problemática do que a dos últimos anos, o clube italiano passou por um processo semelhante. Ou seja, tornou-se milionário do dia para noite.

O salvador da pátria naquela ocasião foi Silvio Berlusconi, o polêmico empresário proprietário da Fininvest e do grupo Mediaset, que viria a se tornar primeiro-ministro italiano e que permaneceu à frente do Milan até a venda para os chineses, três meses atrás.

Berlusconi virou acionista majoritário do Milan em 1986, quando o clube enfrentava sérios problemas financeiros, corria risco de falência, amargava um jejum de sete anos sem um mísero título e colecionava duas passagens recentes pela segunda divisão italiana.

O novo proprietário não economizou para tirar o Milan do buraco e recolocá-lo na rota de grandes conquistas. Foi graças ao seu dinheiro que nasceu um dos mais admirados esquadrões do futebol europeu nas últimas décadas.

O empresário usou sua fortuna pessoal para seduzir o técnico Arrigo Sacchi, então no Parma, e levar para a Itália os trio de holandeses Frank Rijkaard, Ruud Gullit e Marco van Basten.

A partir da montagem dessa equipe, a mais temida do planeta entre o final da década de 1980 e o início dos anos 1990, o Milan construiu uma hegemonia que perdurou por muito tempo. Nos primeiros dez anos da “era Berlusconi”, foram cinco títulos italianos e três Ligas dos Campeões da Europa.

O sucesso durou até meados dos anos 2000, quando o clube rossonero foi superado dentro da Itália pela Juventus e começou a perder seus principais jogadores, como Kaká, Thiago Silva e Ibrahimovic.

Agora, já são seis anos sem conquistar o título italiano e quatro temporadas consecutivas sem sequer participar da Champions. Hora de virar novo rico… mais uma vez.


Mais de Clubes

– Mercado da Bola já movimentou quase R$ 11 bi; veja os clubes mais gastões
– Mesmo com tropeços, arrancada do Corinthians supera Bayern e Juventus
– São Paulo entra no top 10 de maiores vendedores da atual janela; veja a lista
– Champions começa com time de vilarejo de 867 pessoas e estádios minúsculos