Blog do Rafael Reis

O que Guardiola viu em Danilo para buscá-lo no banco do Real Madrid?

Rafael Reis

Danilo passou os últimos dois anos se revezando entre o banco de reservas do Real Madrid e as críticas dos torcedores direcionadas a ele sempre que pisava no gramado do Santiago Bernabéu.

Mesmo assim, o Manchester City aceitou pagar 36 milhões de euros (R$ 131,5 milhões) pelo lateral brasileiro de 26 anos, mais até do que os 31,5 milhões de euros (R$ 115 milhões, na cotação atual) que ele havia custado ao clube espanhol duas temporadas atrás.

Mas, afinal, o que Pep Guardiola viu de especial no ex-jogador do Santos para ignorar seu desempenho abaixo do esperado no Real e bancar sua ida para a Inglaterra?

Para entender essa transação, é preciso primeiro analisar as qualidades e os pontos fracos de Danilo, assim como as características que o treinador espanhol costuma buscar em seus laterais.

Apesar de não ter tido sucesso no atual bicampeão europeu, o brasileiro está longe de ser um jogador ruim. Pelo contrário, Danilo possui uma qualidade técnica acima da média, lê bem o jogo ofensivamente e é capaz de criar inúmeras oportunidades de gol.

As críticas da torcida do Real ao camisa 23 eram muito mais concentradas à sua atuação defensiva. E nesse aspecto, ele realmente deixa a desejar. O ex-santista está longe de ser um grande marcador e sofre muito com lançamentos às suas costas.

Só que Guardiola não parece se importar muito com isso. Os laterais que mais fizeram sucesso sob seu comando, Daniel Alves e Jordi Alba (Barcelona), além de Alaba (Bayern de Munique), destacam-se mais pela técnica refinada e pelo poderio ofensivo do que pelas propriedades defensivas –o austríaco chegou até a ser escalado como zagueiro por Pep para melhor a saída de bola do time alemão.

Além disso, Danilo possui uma característica rara entre os laterais e que encaixa perfeitamente na estrutura tática do novo treinador do City. Como atuou durante parte de sua carreira como volante, o brasileiro trafega bem pela faixa central do campo.

Durante a passagem de Guardiola pelo Bayern, era comum ver Alaba subindo ao ataque em diagonal, ou seja, partindo do lado esquerdo do campo e se juntando aos volantes e meias centrais para criar superioridade numérica e facilitar a tabela e a retenção da posse de bola.

Na primeira partida do City na atual pré-temporada, contra o Manchester United, o lateral direito Kyle Walker também abusou dessa movimentação, que vai contra a cartilha tradicional da posição –os laterais usualmente exploram apenas os flancos do campo.

Por fim, a versatilidade de Danilo também é uma virtude que atrai Pep. Além de sua posição mais tradicional, o brasileiro pode atuar como lateral esquerdo, setor em que o treinador tem improvisado Fernandinho e tenta desesperadamente contratar o francês Benjamin Mendy (Monaco), e volante.

É por isso que o torcedor do Real Madrid e o treinador do Manchester City têm visões completamente diferentes sobre o novo reforço do clube inglês.


Mais de Opinião

– Após férias, Libertadores dá início à fase final. E ainda não tem favorito
– Árbitro de vídeo passa em teste, mas não livra apito de erros e polêmicas
– Entenda por que esta pode ser a última Copa das Confederações da história
– Como Cristiano Ronaldo conseguiu travar a janela de transferências