Blog do Rafael Reis

Mistério e polêmicas: quem é o homem que tem revolucionado o Milan?

Rafael Reis

Trinta e oito milhões de euros (R$ 140 milhões) pela revelação portuguesa André Silva. Mais 44 milhões de euros (R$ 163 milhões) investidos nas contratações de Ricardo Rodríguez, Mateo Musachio e Franck Kessié. E o sonho da chegada de um reforço do peso de Cesc Fàbregas ou Kylian Mbappé.

Depois de anos relegado ao segundo escalão até mesmo do futebol italiano, o Milan se tornou o protagonista do início do período de transferências na Europa. E tudo isso graças ao dinheiro do seu novo proprietário.

Mas, afinal, quem é Li Yonghong, o homem que encabeça o Rossoneri Sport Investment Luxembourg, fundo de investimento que adquiriu em abril 99,92973% das ações do clube italiano e sucedeu Silvio Berlusconi na administração milanista?

O problema é que quase ninguém sabe responder com exatidão essa pergunta.

Até o início das negociações de compra do Milan, Li era um desconhecido até mesmo para a imprensa da China, país onde nasceu. O novo proprietário do clube rossonero não faz parte da lista de bilionários da revista “Forbes”, jamais foi acionista majoritário de uma empresa de porte global e nem ocupou cargo diretivo de um grande conglomerado asiático.

O que se sabe sobre ele é muito pouco. Tem 47 anos, nasceu na China e migrou para Hong Kong duas décadas atrás, é casado com Miss Huang, dona de parte considerável das ações de múltiplas empresas dadas como garantia na compra do clube italiano… Nem mesmo o local de sua residência é conhecido.

Quase todas as outras informações sobre o novo presidente do Milan são histórias que circulam pela imprensa europeia, rumores de redes sociais ou dados que padecem de uma comprovação oficial.

Li é um homem do mercado financeiro, que aparentemente fez fortuna especulando com compra e venda de ações na Bolsa de Hong Kong –trabalhou em duas empresas do setor, a Enson Enterprises Limited e a Grand Dragon International Holdings Co. Ltd.

Seus principais investimentos estariam concentrados em fábricas de embalagens, minas de fosfato e na construção de um prédio em Guangzhou, na China.

O novo dono do Milan também teria sua história marcada por pelo menos três casos de fraudes.

Na década de 1990, Li teria aplicado um golpe em 18 mil clientes de um fundo de investimento que haviam lhe confiado suas economias. O empresário, no entanto, nega que essa história seja verídica.

Além disso, um dos seus irmãos, Li Yongfei, foi preso em 2003 por uma outra fraude financeira. Os rumores dizem que o agora proprietário do Milan escapou de ter o mesmo destino porque fugiu para Honduras.

Já em 2012, Li foi condenado a pagar uma multa de 80 mil euros (R$ 295 mil) por violar as regras da Bolsa de Xangai que preveem a divulgação de dados das empresas que participam do mercado financeiro chinês.

São essas mãos, misteriosas e, no mínimo, polêmicas, que fazem o torcedor do Milan sonhar novamente com a volta de um tempo em que o clube era um dos mais temidos do futebol mundial. O dinheiro para isso já tem sido gasto.


Mais de Cidadãos do Mundo

Janela nem abriu e já movimentou R$ 2,2 bi; veja os reforços mais caros
24 anos depois, por onde andam os jogadores do último título da Argentina?
1º jogador a assumir ser gay sofreu também com racismo e se suicidou
Mais Brasil e ''novo Buffon'': saiba quem a Juve quer contratar para 2017/18