Topo
Blog do Rafael Reis

Blog do Rafael Reis

Dez anos após perna amputada, uruguaio abandona o esporte "por opção"

Rafael Reis

2024-09-20T16:06:00

24/09/2016 06h00

"Hoje, só me dedico a aumentar a pança."

Dez anos após o acidente que provocou a amputação de parte da perna direita e pôs fim à sua carreira profissional, o ex-atacante da seleção uruguaia Darío Silva, 43, afirma de forma bem humorada que abandonou de vez o esporte.

Mas engana-se quem pensa que esse adeus à prática esportiva está ligado a alguma dificuldade física. Ele apenas quer se dedicar mais a outras atividades.

Dario Silva

"Tenho uma vida normal, ando a cavalo, faço trabalho de campo na minha fazenda. Uso uma prótese e não tenho nenhum tipo de limitação", conta Darío, por telefone.

Não mesmo. Já no começo de 2009, dois anos e meio depois do acidente, o ex-atacante voltou aos gramados e até marcou um gol em partida beneficente entre famosos uruguaios e argentinos.

Depois, começou a treinar remo para competir nos Jogos Paralímpicos de Londres-2012, meta que não foi alcançada devido a problemas com o comitê uruguaio.

"Queria muito ter participado, mas a burocracia do meu país atrapalhou demais. Eles não ajudam muito o esporte paraolímpico. Então, não deu", afirma, sempre bem-humorado.

Bom humor que o uruguaio não perdeu nem mesmo no momento mais difícil de sua vida. Em 23 de setembro de 2006, o ex-jogador, que acabara de deixar o Portsmouth, da Inglaterra, e havia disputado a Copa do Mundo de 2002, perdeu o controle do seu carro e bateu em dois postes.

Dois dias depois, quando acordou, já não tinha mais parte da perna direita, que precisou ser amputada devido aos danos provocados pelo acidente.

"Claro que fiquei preocupado, mas nunca passou pela cabeça me suicidar ou coisa assim. Meu lema é nunca ficar deprimido, ficar sempre com o sorrido no rosto, e pensar que hoje é o dia mais bonito."

Atualmente, além da administração de sua fazenda, trabalha para a empresa de representação de jogadores de René Ramos, irmão do zagueiro e capitão do Real Madrid, Sergio Ramos. Até por isso, vive na ponte aérea Espanha-Uruguai.

E, em meio a tantas viagens, vai cultivando "sua pança". Não por limitação física. Mas porque é isso que ele quer.


Mais de Cidadãos do Mundo

Fifa permite que jogadores rescindam contrato por "excesso de banco"
Cuauthémoc Blanco entra para política e é investigado em caso de corrupção
Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.

Mais Blog do Rafael Reis