PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Filho de banqueiro, capitão francês nasceu rico e sonhava com Roland Garros

Rafael Reis

15/06/2016 07h00

O capitão da França na Eurocopa-2016 teve uma infância bem diferente da maior parte dos seus companheiros de seleção.

Enquanto muitos deles conviviam com os problemas financeiros comuns a famílias de imigrantes africanos que aportam na Europa em busca de uma vida melhor e tinham nas peladas da periferia sua única opção de lazer, Hugo Lloris, já aproveitava aquilo que o dinheiro pode comprar e passava suas tardes em clubes esportivos da elite francesa.

O goleiro do Tottenham e camisa 1 dos Bleus não precisou do futebol para fazer fortuna. Ele já nasceu rico.

Hugo Lloris

Natural de Nice, cidade litorânea banhada pelo Mar de Mediterrâneo que é o segundo maior destino turístico da França, Lloris é filho de uma advogada com um banqueiro de Monte Carlo (Mônaco).

Durante a infância, ele nem tinha o futebol como esporte preferido. Seu sonho não era disputar a Euro, mas sim Roland Garros.

O abastado garoto que se tornaria no futuro o capitão dos Bleus chegou a ser top 10 no ranking francês infantil de tênis.

Lloris só foi desistir da modalidade aos 13 anos, quando já se dividia entre os treinos com a raquete e as categorias de base do Nice, clube onde se profissionalizaria e jogaria até 2008.

Mas foi no Lyon que sua carreira decolou. Durante as quatro temporadas que atuou por lá, ele chegou à seleção principal e foi eleito por três vezes o melhor goleiro do Campeonato Francês.

Desde 2012, Lloris é o dono da meta do Tottenham e um dos arqueiros mais admirados e cobiçados da Premier League inglesa.

A titularidade da seleção veio três anos antes, ainda durante as eliminatórias da Copa do Mundo-2010, e a braçadeira de capitão foi herdada do lateral esquerdo Patrice Evra depois daquele Mundial.

Aos 29 anos, com a experiência de duas Copas nas costas e vivendo a melhor fase de sua carreira, Lloris tem hoje a responsabilidade de liderar um grupo de jogadores com história e formação completamente diferentes da sua rumo a um objetivo comum: dar à anfitriã França o título europeu.

A seleção da casa, que estreou vencendo a Romênia por 2 a 1, joga nesta quarta-feira contra a Albânia, em Marselha, pela segunda rodada do Grupo A.


Mais de Cidadãos do Mundo

Galã da Euro, Giroud é louco por Beckham e já posou nu
Multinacional: 16% dos inscritos na Copa América já jogaram no Brasil
Da universidade para a seleção, técnico da Croácia na Euro faz história
Fã de brasileiro e cueca do Bob Esponja: 10 curiosidades sobre Griezmann

Sobre o Autor

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

Sobre o Blog

Este espaço conta as histórias dos jogadores que fazem do futebol uma paixão mundial. Não só dos grandes astros, mas também dos operários normalmente desconhecidos pelo público.