Blog do Rafael Reis

Perdoado no doping, ele trocou as drogas pela seleção inglesa em 2 anos
Comentários 1

Rafael Reis

Se a lei tivesse sido cumprida à risca, o volante Jake Livermore, 27, dificilmente teria defendido a seleção da Inglaterra no amistoso contra a Alemanha, na última quinta-feira, e é bem possível que nem estivesse jogando futebol profissionalmente neste momento.

Flagrado em um exame antidoping por uso de cocaína em abril de 2015, quando defendia o Hull City, o hoje jogador do West Bromwich poderia ficar suspenso do esporte por até dois anos.

Mas, a FA (Federação Inglesa de Futebol) tomou uma decisão rara para tribunais (seja eles desportivos ou não): não olhou para a infração cometida pelo atleta, mas sim para os motivos que levaram a ela.

Desde a morte do seu primeiro filho, ainda recém-nascido, por uma série de erros médicos que levaram o bebê a sofrer com falta de oxigenação no cérebro e hemorragias internas, alguns meses antes, Livermore havia mergulhado no mundo da depressão. Os remédios e a cocaína foram uma tentativa de encontrar um refúgio no meio de tanta dor.

O volante foi perdoado pela FA, internou-se em uma clínica de reabilitação e virou um símbolo da luta contra as drogas na Inglaterra. Atualmente, roda o país em palestras para adolescentes e dependentes químicos.

“Não é algo fácil, mas faço por uma boa causa. Os garotos são bastante receptivos, e isso te estimula a continuar nessa atividade. Mas esse é só o começo do que quero fazer. Não quero apenas ajuda-los a não cair em tentação, mas também a enfrentar as decepções da vida. Cada um tem a sua própria história”, afirmou, em entrevista ao jornal britânico “The Sun”.

Livermore voltou aos gramados em setembro de 2015, apenas cinco meses depois da divulgação do seu caso positivo de doping, e ajudou o Hull a retornar para a primeira divisão inglesa.

Um dos principais nomes da modesta equipe do nordeste da Inglaterra, acabou contratado há dois meses pelo West Bromwich por 11,5 milhões de euros (pouco mais de R$ 38 milhões) e voltou a ser convocado para a seleção depois de quase cinco anos de ausência.

Na derrota por 1 a 0 para a Alemanha, na quinta, atuou por 83 minutos ao lado de Eric Dier (Tottenham) na cabeça de área da equipe dirigida por Gareth Southgate. Oitenta e três minutos que valeram uma vida inteira para quem chegou a encontrar o fundo do poço e acabou resgatado de lá.

“É um sonho voltar [à seleção], espero que meu país esteja orgulhoso de mim. Quando eu mais necessitava, tive a sorte de receber muito apoio”, completou Livermore.


Mais de Cidadãos do Mundo

5 destaques das eliminatórias sul-americanas para seu time contratar
Por onde andam os jogadores da Itália tetracampeã mundial em 2006?
Que país tem mais técnicos nas eliminatórias da Copa?
Por onde andam os jogadores do Tolima, algoz do Corinthians em 2011?

 


50% brasileiro, zagueiro da Suíça morou no Rio em busca de “malandragem”
Comentários 4

Rafael Reis

Novidade da seleção suíça, uma das três com 100% de aproveitamento nas eliminatórias europeias da Copa do Mundo, o zagueiro Léo Lacroix, 25, do Saint-Étienne (FRA), fez questão de fazer um estágio no Brasil para completar sua formação como jogador de futebol.

Nascido em Lausanne e fruto do casamento de um suíço com uma brasileira, o garoto cruzou o Oceano Atlântico para morar com a avó no Rio de Janeiro quando tinha 17 anos e atuou por seis meses nas categorias de base do São Cristóvão, clube que revelou Ronaldo Fenômeno.

O objetivo: aprender a tradicional malandragem carioca e levá-la para os gramados suíços.

“Foi um grande aprendizado para mim. Acabou me ajudando muito porque os jogadores brasileiros são muito bons tecnicamente. Sou grandão e tive de melhorar minha velocidade e ganhar a malandragem para conseguir marcá-los. Hoje em dia, quando vejo um atacante sul-americano pela frente, já sei que tenho que chegar nele de uma forma diferente”, afirmou.

Lacroix fala um português perfeito. Um leve sotaque é o único ponto que denuncia sua origem multinacional. Desde criança, o zagueiro da seleção suíça sempre fez questão de viver no meio da comunidade brasileira.

“Gosto de casa cheia, churrasco, zoeira, brincar, ficar em família, ouvir um pagodinho. Tudo que o povo brasileiro tem eu gosto. Sou apaixonado por esse país”, conta o defensor, que é casado com uma brasileira e faz questão de visitar o Rio anualmente.

No futebol, Lacroix também não faz questão nenhuma de esconder sua paixão pelo Brasil.

“Quando nasci, minha mãe já foi logo me vestindo com uma camisa do Flamengo. Na Copa de 1998, chorei com a derrota da seleção na final. E, em 2002, fiz uma festa enorme na Suíça”, relembra.

Torcedor das “duas seleções”, como gosta de frisar, o zagueiro sonha com um confronto entre suíços e brasileiros na Copa do Mundo de 2018. De preferência, com ele dentro de campo.

“Seria muito emocionante, um sonho realizado. Na verdade, já estou realizando meu sonho. Virar jogador profissional é muito difícil. Chegar à seleção é mais complicado ainda. Agora, estamos batalhando para disputar a Copa.”

Revelado nas categorias de base do Sion, Lacroix defendeu o clube suíço até 2016, quando foi negociado com o Saint-Étienne.

Titular de um dos clubes mais tradicionais da França, foi convocado pela primeira vez para a seleção principal em outubro do ano passado e, apesar de ainda não ter estreado, não saiu mais da lista do técnico Vladimir Petkovic.

A Suíça disputou as três últimas edições da Copa do Mundo e chegou às oitavas de final em 2014. Nas eliminatórias para o Mundial da Rússia, venceu as primeiras quatro partidas que disputou e lidera o Grupo B, o mesmo de Portugal, atual campeão europeu.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Atrás de Vágner Love, Neymar está fora do top 100 da Chuteira de Ouro
Mais indisciplinado do Barça, Neymar bate recorde de cartões na Europa
– Quem é o brasileiro mais bem classificado na Chuteira de Ouro?
– 5 motivos que fizeram Ganso virar a ''última opção'' no Sevilla


5 destaques das eliminatórias sul-americanas para seu time contratar
Comentários Comente

Rafael Reis

As eliminatórias da Copa do Mundo são uma competição essencial para as seleções, já que define quais serão os países que participarão do torneio mais importante de futebol do planeta.

Mas o qualificatório também tem sua importância para os clubes. Ele serve para valorizar os jogadores que são convocados para defender suas seleções e expô-los em uma espécie de vitrine para o mercado internacional.

E o que vale para venda também vale para a compra. Ou seja, os times brasileiros podem aproveitar as eliminatórias sul-americanas para observar valores dos países vizinhos e encontrar novos nomes para suas listas de reforços.

Conheça abaixo cinco jogadores que estão fazendo sucesso no qualificatório da Conmebol e que seriam reforços valiosos para os clubes brasileiros.

JOSEF MARTÍNEZ
Atacante
23 anos
Venezuela
Atlanta United (EUA)

Foi-se o tempo em que jogadores venezuelanos eram crus demais para o futebol brasileiro. Hoje em dia, alguns têm nível para atuar nos maiores clubes do país. Sem dúvida, Josef Martínez é um deles. Titular da Venezuela desde os 19 anos, o atacante defendia o Torino (ITA) até fevereiro, quando foi cedido ao Atlanta United. Nos EUA, virou instantaneamente um dos astros da MLS. Nas três primeiras partidas pelo novo time, marcou cinco gols. Martínez chegou a entrar na mira do Grêmio para esta temporada.

FELIPE CAICEDO
Atacante
28 anos
Equador
Espanyol (ESP)

Velho conhecido do torcedor sul-americano, já disputou mais de 60 partidas pela seleção equatoriana, vestiu a camisa do Manchester City e disputou a última Copa do Mundo. É titular do Espanyol, um clube médio da Espanha, e tem contrato até 2019. Tudo isso faz com que sua contratação seja um investimento razoavelmente alto. Mas tem presença de área e capacidade técnica para justificar esse valor.

FIDEL MARTÍNEZ
Atacante
27 anos
Equador
Atlas (MEX)

Apelidado de Neymar equatoriano quando surgiu, nunca conseguiu explodir a ponto de conseguir uma transferência para a Europa. Atua desde 2012 no México, mas costuma ter seus melhores momentos é com camisa da seleção equatoriana. É uma opção interessante para quem precisa de um jogador habilidoso, capaz de atuar pelos lados do ataque, mas também de entrar na área e balançar as redes.

GONZALO JARA
Lateral direito e zagueiro
31 anos
Chile
Universidad de Chile (CHI)

Lembrado pela dedada em Cavani na Copa América-2005, o lateral direito e zagueiro titular da seleção chilena há quase uma década retornou no início do ano passado à América do Sul depois de sete temporadas na Inglaterra e na Alemanha. Aos 31 anos, ainda tem lenha para queimar. Como o poderio financeiro dos clubes brasileiros é bem mais elevado do que o dos chilenos, não deve ser difícil tirá-lo da Universidad de Chile.

ALEJANDRO CHUMACERO
Meia
25 anos
Bolívia
The Strongest (BOL)

Cérebro da seleção boliviana e do Strongest, Chumacero já teve uma experiência no Brasil em 2014, mas não foi bem no Sport. Três anos mais rodado, está pronto para deixar o futebol boliviano outra vez e alçar voos mais altos. Nesta Libertadores, tem dado show. Já marcou seis vezes em cinco aparições pelas fases preliminar e de grupos da competição sul-americana interclubes.


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam os jogadores da Itália tetracampeã mundial em 2006?
Que país tem mais técnicos nas eliminatórias da Copa?
Por onde andam os jogadores do Tolima, algoz do Corinthians em 2011?
Revelações: 7 garotos que conquistaram o futebol europeu nesta temporada


Por onde andam os jogadores da Itália tetracampeã mundial em 2006?
Comentários 12

Rafael Reis

Um goleiro quase intransponível, uma defesa de causar inveja aos adversários, um meio-campista talentoso, vários jogadores de qualidade técnica duvidosa e um centroavante caneludo, mas especialista na arte de empurrar a bola para as redes.

Foi com a receita de quase todos os times vencedores de sua história que a Itália conquistou em 2006 seu quarto título mundial.

A final daquela Copa, vencida nos pênaltis contra a França, teve uma cena épica, daquelas capazes de entrar para os anais do futebol: a cabeçada dada por Zidane, no último jogo de sua carreira, bem no peito de Materazzi.

Onze anos depois, o que andam fazendo os protagonistas do último título mundial conquistado pela Itália? É isso que mostramos logo abaixo.

POR ONDE ANDA – ITÁLIA DE 2006?

Gianluigi Buffon (39 anos) – O goleiro já tinha 28 anos quando disputou a terceira Copa do Mundo de sua carreira. Desde então, participou de mais dois Mundiais (2010 e 2014), fez história na Juventus e se manteve como um dos maiores nomes da sua posição no planeta. Prestes a se tornar quarentão, Buffon é hoje o capitão da seleção italiana e quer ir à Rússia-2018 antes de se aposentar.

Gianluca Zambrottra (40 anos) – O ex-lateral de Juventus, Barcelona e Milan se aposentou há três anos no Chiasso, time da segunda divisão suíça, onde também iniciou a carreira de técnico. No ano passado, dirigiu o Dehli Dynamos na Superliga Indiana. Zambrotta também é presidente de honra do Como, clube da Série B italiana que o revelou para o futebol.

Fabio Cannavaro (43 anos) – O capitão da Itália de 2006 e melhor jogador do mundo naquele ano é mais um que investe na carreira de treinador. O ex-zagueiro está à frente desde o ano passado do Tianjin Quanjian, atual campeão da segunda divisão chinesa e que conta nesta temporada com os brasileiros Geuvânio, Alexandre Pato e Júnior Moraes.

Marco Materazzi (43 anos) – O pivô da expulsão de Zidane na final da Copa prolongou bastante sua carreira. Em 2015, aos 42 anos, ele ainda dava seus carrinhos na Superliga Indiana. Já na última temporada, Materazzi preferiu se dedicar apenas ao banco de reservas do Chennaiyin. A estratégia não deu certo. No final do ano, o clube anunciou que o técnico italiano não retornará em 2017.

Fabio Grosso (39 anos) – O lateral esquerdo, que trocou o Palermo pela Inter de Milão depois da Copa, trabalha desde 2013 nas categorias de base da Juventus, clube pelo qual se aposentou um ano antes. Atualmente, Grosso é o técnico da categoria primavera, a última antes do time profissional da multicampeã italiana.

Mauro Camoranesi (40 anos) – O argentino naturalizado italiano ainda retornou para casa e atuou por três temporadas na América do Sul até a aposentadoria, em 2014. Atualmente desempregado, já comandou dois clubes pequenos do futebol mexicano, além do Tigre, da Argentina.

Gennaro Gattuso (39 anos) – O maior símbolo de raça da seleção italiana tetracampeã mundial foi vice da terceira divisão italiana como técnico do Pisa na temporada passada. Já na atual, tem conseguido, com muito sofrimento, manter o clube fora da zona de rebaixamento na Série B.

Andrea Pirlo (37 anos) – Maestro da seleção italiana por mais de uma década, o volante deixou de ser convocado em 2015, mas segue na ativa. Há dois anos, deixou a Juventus para defender o New York City e ser uma das estrelas do soccer norte-americano. Deve deixar os gramados em dezembro, quando termina seu contrato.

Simone Perrotta (39 anos) – Um dos nomes mais questionáveis da equipe italiana que foi titular na Alemanha, o meia nascido na Inglaterra abondou o futebol profissional em 2013, quando já era uma figura de importância reduzida no elenco da Roma.

Francesco Totti (40 anos) – Um dos maiores ídolos (se não o maior) da história da Roma, o atacante pouco joga, mas ainda é aclamado pela torcida do clube da capital italiana cada vez que entra em campo. A aposentadoria está marcada para o fim da temporada. Pela seleção, já não joga desde a Copa-2006.

Luca Toni (39 anos) – O centroavante trombador conseguiu uma proeza histórica: ser artilheiro do Campeonato Italiano em 2015, na penúltima temporada de sua carreira, atuando pelo pequeno Hellas Verona. Foi nesse clube que pendurou as chuteiras, um ano depois.

Daniele de Rossi (33 anos) – Caçula do elenco italiano na Alemanha, o volante que entrou no segundo tempo da decisão também já está na reta final da carreira. De Rossi já perdeu o posto de titular absoluto da Roma e ficou no banco nas últimas rodadas da Série A.

Vincenzo Iaquinta (37 anos) – Outro reserva que foi aproveitado na final contra a França, o ex-atacante da Juventus deixou o futebol profissional há quatro anos. O nome de Iaquinta voltou aos noticiários nos últimos dias devido a problemas judiciais dele e de seu pai na Itália.

Alessandro Del Piero (42 anos) – Um dos nomes mais talentosos daquela Itália, o camisa 7 defendeu a Juventus até os 37 anos e ainda jogou na Austrália e na Índia, além de ter sido especulado para defender o Palmeiras, até por um ponto final da carreira, no final de 2014.

Marcello Lippi (68 anos) – Deixou o comando da seleção italiana logo após o tetra, mas retornou dois anos depois e dirigiu a equipe na Copa do Mundo-2010. Passou também pelo Guangzhou Evergrande, hoje nas mãos de Luiz Felipe Scolari, até ser contratado no ano passado para tentar levar a China ao Mundial da Rússia.


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam os jogadores do Tolima, algoz do Corinthians em 2011?
Revelações: 7 garotos que conquistaram o futebol europeu nesta temporada
Por onde andam os jogadores do Atlético Nacional campeão da Libertadores?
Motor do Real, Modric passou a infância em hotel para refugiados de guerra


Que país tem mais técnicos nas eliminatórias da Copa?
Comentários 1

Rafael Reis

Didier Deschamps foi o homem encarregado de levantar o troféu da única Copa do Mundo conquistada pela França, há 19 anos. Desde 2012, sua missão é outra: transformar uma safra repleta de jogadores talentosos, como Pogba, Griezmann e agora a revelação Mbappé, em uma seleção capaz de conquistar o segundo título mundial do país.

Mas engana-se quem pensa que o ex-volante da Juventus e do Chelsea é o único treinador francês de olho na Rússia-2018.

Nenhum país conta com tantos técnicos trabalhando nas eliminatórias da Copa quanto a França. Das 108 seleções que continuam na disputa do qualificatório, seis são treinadas por compatriotas de Deschamps.

Os treinadores franceses estão espalhados por três continentes: Europa (Deschamps), África (Hervé Renard, de Marrocos, Alain Giresse, de Mali, e Pierre Lachantre, da República do Congo) e Oceania (Christophe Gamel, de Fiji, Ludovic Graugnard, do Taiti).

Só que o sucesso da terra de Zidane nas eliminatórias está mais ligada a questões geopolíticas do que ao poderio do futebol francês.

Com exceção de Fiji, todos os outros países que utilizam atualmente treinadores da nação campeã mundial em 1998 foram colonizados pela França e, até hoje, usam o francês como um dos seus principais idiomas.

Se formos levar em conta apenas a “influência futebolística”, as nacionalidades campeãs das eliminatórias da Copa são justamente as últimas campeãs mundiais. Alemanha e Espanha têm cinco treinadores cada na disputa por vaga para a Rússia-2018.

E o Brasil, onde aparece nesse ranking?

A resposta não é muito positiva para o mercado nacional de treinadores. Tite, o atual comandante da seleção brasileira, é o único técnico do país pentacampeão mundial ainda vivo nas eliminatórias.

A situação chega a ser constrangedora porque outros países sul-americanos têm feito sucesso no exterior neste qualificatório.

O Egito, líder do Grupo E das eliminatórias africanas, por exemplo, é dirigido por um argentino, Héctor Cúper (ex-Valencia e Inter de Milão).

Já a Colômbia é a terra de três dos seis treinadores finalistas das eliminatórias da Concacaf: Juan Carlos Osorio (México), Hernán Darío Gómez (Panamá) e Jorge Luis Pinto (Honduras).

No total, há técnicos de 64 nacionalidades diferentes trabalhando no classificatório da Copa. E apenas um brasileiro. Muito pouco, não?

Confira o top 10 das nacionalidades dos técnicos das eliminatórias da Copa-2018:

1º – França – 6 treinadores
2º – Alemanha – 5
Espanha – 5
4º – Argentina
Bélgica
Itália – 4
7º – Colômbia
Inglaterra
Portugal
Sérvia – 3


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam os jogadores do Tolima, algoz do Corinthians em 2011?
Revelações: 7 garotos que conquistaram o futebol europeu nesta temporada
Por onde andam os jogadores do Atlético Nacional campeão da Libertadores?
Motor do Real, Modric passou a infância em hotel para refugiados de guerra


5 seleções que estão próximas da classificação para a Copa do Mundo-2018
Comentários 4

Rafael Reis

A um ano e três meses do início da próxima Copa do Mundo e com as eliminatórias correndo a todo vapor em todos os cantos do mundo, já há seleções que estão prestes a comemorar a classificação para a Rússia-2018.

Listamos abaixo os cinco países com a vaga mais encaminhada, aqueles que devem carimbar já nos próximos meses mais uma participação no Mundial.

Vale lembrar que apenas uma das 32 vagas para a Copa já tem dono. Por ser anfitriã, a Rússia é a única seleção já confirmada na competição.

O próximo Mundial será disputado entre os dias 14 de junho e 15 de julho de 2018. A decisão será jogada no estádio Luzhiniki, em Moscou.

BRASIL

A seleção de Tite lidera as eliminatórias sul-americanas, com 27 pontos e tem oito de vantagem para a Argentina, quinta colocada e o primeiro time fora da zona de classificação direta para a Copa. Desde que o qualificatório da Conmebol começou a ter esse formato, todas as equipes que chegaram a 28 pontos conquistaram a vaga sem terem de passar pela repescagem. Joga nesta quinta-feira contra o Uruguai em busca do ponto que falta para atingir a conta mágica.

Apesar disso, matematicamente, a vaga só poderá ser garantida se os brasileiros vencerem o duelo contra os uruguaios e o jogo contra o Paraguai, no próximo dia 28, e ainda contarem com uma combinação de resultados, como tropeços de Colômbia e Argentina nos seus respectivos confrontos.

NIGÉRIA

É a seleção mais bem posicionada das eliminatórias africanas. Como foi a única equipe a vencer nas duas primeiras rodadas do Grupo B da fase final do qualificatório, já abriu quatro pontos de vantagem para Camarões, a segunda colocada da chave. Se vencer o confronto com o atual campeão continental, em casa, em agosto, a diferença para os outros rivais da chave pode aumentar para até sete pontos. E isso faltando só três rodadas…

URUGUAI

Adversário do Brasil nesta quinta, o vice-líder das eliminatórias da Conmebol também pode atingir os 28 pontos que dão a classificação moral, ainda que não matemática, na atual rodada dupla das Eliminatórias. Atualmente, os uruguaios têm 23 pontos. Além da seleção de Neymar, os uruguaios enfrentam neste mês o Peru. A partida será disputada na próxima terça, em Lima.

ALEMANHA

A atual campeã mundial é outra que dificilmente ficará fora da próxima Copa. Time de melhor campanha das eliminatórias europeias, venceu os quatro jogos que disputou, marcou 16 gols e não sofreu nenhum. Enfrenta o Azerbaijão, fora de casa, neste domingo, em uma partida de pouco risco. Deve ir para o segundo turno com pelo menos cinco pontos de vantagem para os principais oponentes do seu grupo.

IRÃ

Foi a seleção que mais pontuou no primeiro turno da fase final das eliminatórias asiáticas. Com três vitórias e dois empates, somou 11 pontos e tem dois de vantagem para o Uzbequistão, terceiro colocado do Grupo 3, que disputaria a repescagem. Duas vitórias e um empate nos últimos cinco jogos devem ser suficientes para assegurar sua classificação.


Mais de Seleções:

Saiba o que o Brasil precisa fazer para virar líder do ranking da Fifa
Para 10 ex-participantes de Copa do Mundo, Rússia-2018 já acabou
– Eliminatórias têm ingressos a R$ 4; Brasil é o mais caro da Conmebol
China tem técnico mais caro que Guardiola, mas patina nas eliminatórias


Atrás de Vágner Love, Neymar está fora do top 100 da Chuteira de Ouro
Comentários 16

Rafael Reis

Principal jogador brasileiro desta década e principal artilheiro do país no futebol europeu nos últimos anos, Neymar vive uma temporada atípica.

Apesar de ser uma peça cada vez mais importante no Barcelona e de estar começando a dividir com Lionel Messi o protagonismo da equipe catalã, o camisa 11 viu seus gols rarearem nos últimos meses.

O brasileiro, que marcou 24 gols no último Campeonato Espanhol, balançou as redes apenas oito vezes nesta edição da Liga. O desempenho é insuficiente para colocá-lo sequer entre os 100 primeiros colocados da Chuteira de Ouro.

Mas, afinal, qual é a posição que Neymar ocupa no ranking que define o maior artilheiro dos campeonatos nacionais europeus na temporada?

O principal astro da seleção brasileira é apenas o 155º colocado da Chuteira de Ouro 2016/17. Ele tem os mesmos 16 pontos do espanhol Alvaro Morata, reserva do Real Madrid, de Duje Cop, centroavante croata do Sporting Gijón, do francês Olivier Giroud, do Arsenal, e de outros 23 jogadores.

Mesmo entre os brasileiros, Neymar não se destaca tanto assim. Ele só o oitavo no ranking entre os jogadores aptos a defender a seleção de Tite.

Estão à frente dele Tiquinho Soares (Porto, 32 pontos), Leonardo (Partizan Belgrado, 22,5 pontos), Whelton (Paços Ferreira, 22 pontos), Vágner Love (Alanyaspor, 19,5 pontos), João Paulo (Ludogorets, 19,5 pontos), Willian José (Real Sociedad, 18 pontos) e Firmino (Liverpool, 18 pontos)

O líder da Chuteira de Ouro é Messi, companheiro de Neymar no Barcelona. Com os dois gols marcados no 4 a 2 sobre o Valencia, no domingo, o argentino foi a 25 gols no Espanhol e 50 pontos no ranking.

O camisa 10 tem dois pontos de vantagem para o holandês Bas Dost, do Sporting, e quatro para o gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, do Borussia Dortmund, seus oponentes mais próximos.

Melhor jogador do mundo e maior vencedor da história do prêmio (2007/08, 2010/11, 2013/14 e 2014/15), Cristiano Ronaldo manteve a 13ª colocação da semana passada, com 38 pontos.

O atual vencedor da Chuteira de Ouro é Luis Suárez, do Barcelona, que somou 80 pontos (40 gols) na última temporada. Nesta edição, o uruguaio tem 42 pontos e está em oitavo.

O “Blog do Rafael Reis” publica a cada terça-feira uma nova parcial do prêmio.

Confira o top 10 da Chuteira de Ouro

1º – Lionel Messi (ARG, Barcelona) – 50 pontos (25 gols)
2º – Bas Dost (HOL, Sporting) – 48 pontos (24 gols)
3º – Pierre-Emerick Aubameyang (GAB, Borussia Dortmund) – 46 pontos (23 gols)
4º – Anthony Modeste (FRA, Colônia) – 44 pontos (22 gols)
5º – Andrea Belotti (ITA, Torino) – 44 pontos (22 gols)
6º – Edin Dzeko (BOS, Roma) – 42 pontos (21 gols)
7º – Robert Lewandowski (POL, Bayern de Munique) – 42 pontos (21 gols)
8º – Luis Suárez (URU, Barcelona) – 42 pontos (21 gols)
9º – Romelu Lukaku (BEL, Everton) – 42 pontos (21 gols)
10º – Edinson Cavani (URU, Paris Saint-Germain) – 40,5 pontos (27 gols)


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Mais indisciplinado do Barça, Neymar bate recorde de cartões na Europa
– Quem é o brasileiro mais bem classificado na Chuteira de Ouro?
– 5 motivos que fizeram Ganso virar a ''última opção'' no Sevilla
– Neymar supera Messi e produz 1 gol a cada 47 minutos na Champions


Saiba o que o Brasil precisa fazer para virar líder do ranking da Fifa
Comentários 15

Rafael Reis

Com sete vitórias em sete jogos desde a demissão de Dunga e a contratação de Tite, no meio do ano passado, a seleção está a um passo de retornar à liderança do ranking da Fifa depois de quase sete anos de ausência.

Atual número dois da lista, com 1.534 pontos, o Brasil enfrenta o Uruguai, nesta quinta-feira, em Montevidéu, e o Paraguai, na próxima terça, na Arena Corinthians, pelas eliminatórias da Copa do Mundo-2018.

E há uma série de combinações de resultados que pode fazer com que ele apareça à frente da Argentina, atual líder, com 1.644 pontos, na próxima edição do ranking, que será divulgada em 6 de abril.

Seleção que mais ocupou a liderança da lista da Fifa na história, o Brasil está fora da primeira colocação desde julho de 2010. Nos últimos anos, acumulou resultados negativos que chegaram a colocá-lo no 22º lugar, sua pior posição em todos os tempos.

Conheça abaixo os diferentes cenários desta Data Fifa que podem colocar a equipe pentacampeã mundial no topo do ranking mundial:

SE VENCER URUGUAI E PARAGUAI: Será a seleção número um do mundo, não importa o que aconteça com a Argentina. De acordo com a ferramenta de simulação de resultados, existente do próprio site da Fifa, o Brasil chegará a 1.661 pontos caso vença seus dois próximos compromissos. Mesmo que derrote Chile (22 de março) e Bolívia (27 de março), os argentinos não passarão de 1.655 pontos.

SE VENCER O URUGUAI E EMPATAR COM O PARAGUAI: Chegará a 1.601 pontos e ultrapassará a Argentina caso a equipe de Messi não consiga vencer o Chile. Nesse caso, a seleção dirigida por Edgardo Bauza alcançaria no máximo 1.589 pontos. Mas, se os argentinos baterem os chilenos, então nada feito para o Brasil.

SE VENCER O PARAGUAI E EMPATAR COM O URUGUAI: Alcançará 1.587 pontos e tomará a ponta da Argentina caso ela perca para o Chile ou não vença nenhum dos seus dois compromissos de março. Nesse cenário, a Argentina iria no máximo a 1.557 pontos (vitória sobre a Bolívia e derrota ante os chilenos).

SE VENCER O URUGUAI E PERDER PARA O PARAGUAI: Irá a 1.570 pontos e deixará a Argentina para trás caso ela perca para o Chile ou não vença nenhum dos seus dois compromissos de março. Nesse cenário, a Argentina iria no máximo a 1.557 pontos (vitória sobre a Bolívia e derrota ante os chilenos).

SE VENCER O PARAGUAI E PERDER PARA O URUGUAI: Ficará com 1.551 pontos e terá de torcer demais contra a Argentina para alcançar o primeiro posto. O Brasil só será líder caso a seleção bicampeã mundial (1978 e 1986) some no máximo um ponto nos jogos de março. Nesse cenário, os argentinos não passariam de 1.538 pontos.

SE EMPATAR COM URUGUAI E PARAGUAI: Aparecerá com 1.527 pontos no próximo ranking e só estará à frente da Argentina se ela perder para o Chile e não conseguir mais do que um empate contra a Bolívia. Com essa combinação de resultados, a seleção de Messi terá no máximo 1.522 pontos na lista de abril.

Caso consiga apenas um ponto na soma dos confrontos com Uruguai e Paraguai, o Brasil não terá como assumir a primeira colocação do ranking nesta Data Fifa. Se for derrotado pelos dois, poderá ainda perder a vice-liderança do ranking para o Chile, atualmente quarto colocado.


Mais de Seleções:

– Eliminatórias têm ingressos a R$ 4; Brasil é o mais caro da Conmebol
China tem técnico mais caro que Guardiola, mas patina nas eliminatórias
Para 10 ex-participantes de Copa do Mundo, Rússia-2018 já acabou


Quem é o maior fiasco brasileiro na temporada: Gabigol ou Ganso? Compare
Comentários 42

Rafael Reis

O primeiro era um garoto de 20 anos tratado como uma das maiores revelações do futebol brasileiro nos últimos anos, campeão olímpico e que vinha recebendo as primeiras oportunidades na seleção principal.

O segundo era um meia de 27 anos reconhecido como um dos jogadores mais técnicos e talentosos do país, que havia acabado de ser convocado para disputar a Copa América Centenário e parecia estar retornando aos melhores momentos do seu futebol.

Sete meses atrás, Gabigol e Ganso chegaram à Europa cercados de expectativa para a primeira experiência internacional de suas carreiras.

E hoje, relegados a meros figurantes dos elencos de Inter de Milão e Sevilla, respectivamente, só disputam um triste posto. Afinal, qual dos dois é a maior decepção do futebol brasileiro na atual temporada europeia?

Para te ajudar a dar uma opinião mais embasada sobre essa triste disputa, comparamos abaixo algumas marcas de Gabigol e Ganso na temporada de estreia no futebol europeu:

OPORTUNIDADES:

Gabigol ficou 16 minutos em campo na quarta partida da Inter de Milão após sua chegada, depois passou quase três meses sem atuar e voltou a receber chances nas últimas semanas. No total, disputou oito partidas pelo clube italiano, mas só uma como titular, o que explica só ter 153 minutos de futebol na Itália.

Ganso era peça importante para Jorge Sampaoli no começo da temporada e foi titular em três dos primeiros sete jogos do Sevilla em 2016/17. No entanto, está sem jogar desde 4 de janeiro e chegou a emendar oito partidas consecutivas sem sequer ficar no banco de reservas. O meia tem 12 partidas e 644 minutos de bola na temporada.

DESEMPENHO:

Apesar de ter sido pouco utilizado, Gabigol já foi decisivo para uma vitória da Inter. Seu único gol pelo clube de Milão foi o da vitória por 1 a 0 sobre o Bologna, na 25ª rodada do Campeonato Italiano. Até hoje, o ex-santista não deu nenhuma assistência para seus companheiro.

Ganso também só marcou um gol na Europa até o momento, mas ele teve pouca importância: foi o primeiro do 9 a 1 sobre o modestíssimo Formentera, da quarta divisão espanhola, em jogo válido pela Copa do Rei. Na mesma partida, o meia deu um dos seus três passes para gol na temporada –também distribuiu uma assistência no jogo de ida do mesmo mata-mata e na vitória por 2 a 1 sobre o Alavés, na sétima rodada do Espanhol.

ADVERSÁRIOS:

Gabigol tem um tarefa inglória se quiser jogar como centroavante na Inter: desbancar o argentino Mauro Icardi, capitão e principal jogador da equipe italiana. Pelos lados do campo, seus principais adversários são Antonio Candreva e Éder, jogadores da seleção italiana, e Ivan Perisic, um dos destaques da Croácia na última Eurocopa.

Ao longo de sua primeira temporada no Sevilla, Ganso rodou por praticamente todas as funções do meio-campo. Ou seja, todo meia do clube espanhol é um potencial rival por vaga entre os titulares. Os homens mais utilizados por Sampaoli nesse setor do campo são os volantes Iborra, N’Zonzi e Kranevitter e os ofensivos Vitolo, Nasri, Sarabia e Franco Vázquez.

PREÇO:

Gabigol custou 29,5 milhões de euros (R$ 98 milhões). Foi o segundo maior investimento da Inter de Milão para a temporada e uma das cinco maiores vendas para o exterior da história dos clubes brasileiros.

Até por ser mais velho, Ganso não custou tanto quanto o atacante. O ex-jogador do São Paulo foi contratado por 9,5 milhões de euros (R$ 31,6 milhões) e protagonizou a terceira contratação mais cara do Sevilla para a temporada.

PERSPECTIVAS FUTURAS:

A juventude e o contrato por mais três temporadas dão a Gabigol tempo de sobra para se recuperar e explodir no futebol italiano. Ainda que a Inter opte por emprestar o jogador para que ele adquira mais experiência internacional, a projeção alcançada pelo atacante durante o período no Santos deve ser suficiente para levá-lo a um time competitivo.

Ganso também tem contrato até 2021, mas possui idade e mercado menos favoráveis para desabrochar na Europa. Com uma carreira errática e dificuldade para colocar em prática todo o talento que possui, o meia dificilmente conseguiria um outro clube de primeiro escalão para defender no Velho Continente. Já no Brasil, as portas estão abertíssimas para recebê-lo de volta.


Mais de Opinião

Na nova Libertadores, brilhar na fase de grupos é armadilha para clubes
– Quem será o substituto de Gabriel Jesus na seleção?
– Será que chegou a hora de David Luiz voltar à seleção?
– Mesmo sem escândalos, “nova” Fifa faz tudo para desagradar


Mais indisciplinado do Barça, Neymar bate recorde de cartões na Europa
Comentários 5

Rafael Reis

A temporada 2016/17 apresentou um Neymar diferente para o Barcelona: um jogador que deixou o instinto artilheiro de lado para se tornar o principal criador de gols do clube e assumiu o protagonismo da equipe em momentos decisivos, como o histórico 6 a 1 sobre o Paris Saint-Germain, 11 dias atrás.

Mas há algo no comportamento do brasileiro que não mudou nos últimos meses. Pelo contrário, só se intensificou recentemente: o número excessivo de punições que recebe da arbitragem.

O atacante, que é considerado um jogador especialmente indisciplinado desde o início da carreira, no Santos, já recebeu nesta temporada 13 cartões amarelos em partidas do Barcelona. A maior marca desde que chegou à Catalunha, quatro anos atrás.

Como Neymar já participou de 34 partidas em 2016/17, isso significa que a cada jogo que disputa, ele recebe 0,38 amarelo.

Os principais homens de marcação do Barcelona não chegam nem perto desse nível de indisciplina. Piqué tem seis cartões amarelos em 31 apresentações (0,19). Mascherano, sete advertências em 30 jogos (0,23). E Umtiti foi punido cinco vezes em 31 partidas (0,16).

O único jogador do Barça que é páreo para Neymar nesse quesito é Sergio Busquets. Assim como o brasileiro, o volante recebeu já recebeu 13 amarelos nesta temporada. No entanto, entrou em campo uma vez a mais que o camisa 11.

Antes de 2016/17, Neymar nunca havia recebido mais do que 11 cartões em uma só temporada de Barcelona. E mesmo assim, quando atingiu a marca, em 2015/16, disputou um número bem maior de partidas do que agora (49, contra as 34 atuais).

Ou seja, se mantiver a mesma média de punições dos últimos meses, o camisa 11 pode encerrar a temporada com 18 ou 19 amarelos.

Desde que foi contratado pelo Barça, o atacante brasileiro acumula 99 gols, 74 assistências e 41 amarelos. Apesar do excesso do número de advertências, ele ainda não foi expulso.

Mesmo com o recorde desta temporada, Neymar ainda está longe dos seus piores momentos de indisciplina no Santos. Em 2010, o ano em que mais foi punido pela arbitragem, ele recebeu 22 cartões amarelos e um vermelho.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Quem é o brasileiro mais bem classificado na Chuteira de Ouro?
– 5 motivos que fizeram Ganso virar a ''última opção'' no Sevilla
– Neymar supera Messi e produz 1 gol a cada 47 minutos na Champions
Com ex-São Paulo, Libertadores tem 6 brasileiros em times gringos; conheça