Blog do Rafael Reis

Real e Juve gastaram R$ 3,8 bi para montar elencos finalistas da Champions
Comentários 3

Rafael Reis

Adversários na decisão da Liga dos Campeões da Europa, Real Madrid e Juventus levarão 1,05 bilhão de euros (R$ 3,8 bilhões) ao gramado do Millennium Stadium, em Cardiff, no próximo sábado.

É essa a soma dos investimentos em contratações feitos pelos dois melhores clubes da Europa na temporada 2016/17 para montar seus elencos atuais.

O Real, atual campeão e candidato a se tornar o primeiro time a emendar dois títulos de Champions em 27 anos, gastou mais.

Foram 624 milhões de euros (quase R$ 2,3 bilhões) torrados na chegada de 21 reforços –o restante do grupo dirigido por Zinédine Zidane foi formado em casa e não exigiu compra de direitos econômicos.

Três dos dez jogadores mais caros da história fazem parte do bilionário elenco espanhol: o galês Gareth Bale é o segundo colocado no ranking, o português Cristiano Ronaldo é o terceiro e o colombiano James Rodríguez, um reserva luxo do banco merengue, ocupa o oitavo lugar.

A Juventus, que busca o terceiro título europeu de sua história e o fim de um tabu de 21 anos sem a mais cobiçada taça do futebol mundial, pode até ter gasto menos que o Real. Mas isso não significa que seu investimento tenha sido modesto.

Para montar o elenco mais poderoso da Itália e um dos mais temidos do continente, o clube de Turim abriu os cofres e investiu mais de 424 milhões de euros (aproximadamente R$ 1,5 bilhão).

A Juve também conta com um top 10 das maiores transferências do futebol mundial em todos os tempos: o centroavante argentino Gonzalo Higuaín, quarto colocado no ranking.

Além disso, conta com o goleiro mais caro da história, o capitão e ídolo Gianluigi Buffon, que foi contratado 16 anos atrás por quase 53 milhões de euros (R$ 193 milhões, na conversão atual).

O gasto da Juventus na montagem do seu elenco só não foi maior porque o clube soube aproveitar algumas situações de pechincha no mercado para captar bons jogadores.

O lateral direito brasileiro Daniel Alves e o meia alemão Sami Khedira, dois dos principais nomes do time dirigido por Massimiliano Allegri, chegaram a Turim depois de ficarem sem contrato no Barcelona e no Real Madrid, respectivamente. Ou seja, foram contratações que não obrigaram a Juve a colocar a mão no bolso para pagar por direitos econômicos.

5 REFORÇOS MAIS CAROS DO ELENCO DO REAL MADRID
1º – Gareth Bale – 101 milhões de euros, em 2013
2º – Cristiano Ronaldo – 94 milhões de euros, em 2009
3º – James Rodríguez – 75 milhões de euros, em 2014
4º – Karim Benzema – 35 milhões de euros, em 2009
5º – Danilo – 31,5 milhões de euros, em 2015

5 REFORÇOS MAIS CAROS DO ELENCO DA
1º – Gonzalo Higuaín – 90 milhões de euros, em 2016
2º – Gianluigi Buffon – 52,9 milhões de euros, em 2001
3º – Paulo Dybala – 40 milhões de euros, em 2015
4º – Miralem Pjanic – 32 milhões de euros, em 2016
5º – Alex Sandro, 26 milhões de euros, em 2015


Mais de Clubes

Como o Ajax faturou R$ 1,5 bilhão em 15 anos só com venda de jogadores
– Rival do Real vai levar 1 mi de euros se não vencer jogo do título espanhol
– Manchester City tem pior custo-benefício da temporada; veja ranking
– 9 times que disputam campeonatos nacionais fora dos seus países


Gols, polêmicas e cartões: conheça o brasileiro que ameaça título do Barça
Comentários 8

Rafael Reis

Ele é brasileiro, atacante, tem um faro de gol apurado, não é dos jogadores mais queridos pelos árbitros, recebe muitos cartões e estará em campo neste sábado em busca do título da Copa do Rei da Espanha.

Essa até poderia ser a descrição de Neymar. Mas, na verdade, é uma breve apresentação do camisa 20 do último adversário do Barcelona na temporada 2016/17.

Deyverson é uma das principais esperanças do Alavés para conquistar neste fim de semana o maior título dos seus 96 anos de história. Mas não deixa de ser uma das grandes preocupações do técnico Mauricio Pellegrino.

Isso porque sua fúria pode render gols (é o vice-artilheiro do time na temporada, com sete bolas na rede) ou situações que deixem seu clube em situação delicada.

Só no Campeonato Espanhol, Deyverson recebeu 14 cartões amarelos ao longo dos últimos nove meses. Nenhum jogador brasileiro que disputa as cinco principais ligas nacionais da Europa foi mais punido do que ele.

“Isso é coisa de futebol. Tomo bastante cartão porque quero ajudar a equipe”, minimiza, antes de admitir que é sim um jogador polêmico, daqueles que incomodam os adversários e também os árbitros.

“Sou provocador. Falo bastante, protesto bastante. E também já tem aquela perseguição contra jogador brasileiro.”

Mas o momento mais polêmico da temporada não lhe rendeu nenhuma punição da arbitragem. Em março, Deyverson comemorou o gol da vitória por 1 a 0 do Alavés sobre a Real Sociedad abaixando o calção para mostrar um beijo tatuado pouco abaixo da cintura.

O comportamento lhe rendeu muitas críticas nas redes sociais e na imprensa. Afinal, o jogador por pouco ficou a poucos centímetros de exibir suas partes íntimas dentro do gramado e para as câmeras de TV.

“Não foi por mal, foi coisa de euforia. Quis homenagear minha família. Mas já pedi desculpas aos pais que levaram os filhos ao estádio ou que estavam vendo o jogos pela TV. O problema é que as pessoas criticam mais que elogiam.”

Nascido no Rio de Janeiro, Deyverson começou a carreira no Mangaratibense, onde jogou até 2012, quando foi contratado pelo Benfica para defender a equipe B do clube. Desde então, tem rodado pela Europa.

Já atuou em Portugal (Belenenses), na Alemanha (Colônia) e chegou em 2015 à Espanha. Atualmente, está emprestado ao Alavés pelo Levante, que voltará à primeira divisão na próxima temporada.

Só que Deyverson não sabe para onde vai depois da decisão da Copa do Rei. Apesar de ter contrato com o clube valenciano até 2019, ele sabe que os gols marcados nesta temporada contra Barcelona e Real Madrid podem ter aberto novas portas.

“Para mim, todo gol é especial. Mas é claro que as pessoas falam muito de você quando marca gols contra Barça e Real”, completa.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Conheça os brasileiros artilheiros de campeonatos na Europa nesta temporada
Cotado na seleção ucraniana, Marlos sonha virar ídolo em território brasileiro
7 jogadores brasileiros rebaixados na Europa nesta temporada
– Insubstituível, xará de craque santista busca marca histórica na França


5 destaques da fase de grupos da Libertadores para seu time contratar
Comentários 5

Rafael Reis

A fase de grupos da Libertadores chegou ao fim. Os 16 clubes ainda vivos na disputa do título continental têm agora pouco mais de um mês de descanso até o início dos mata-matas decisivos da competição, em 4 de julho.

É hora de ir às compras e também de tentar assegurar a permanência dos principais jogadores do seu elenco para o segundo semestre.

O “Blog do Rafael Reis” selecionou cinco destaques da fase de grupos da Libertadores que cairiam como uma luva em boa parte dos clubes brasileiros e que seriam reforços muito bem-vindos para o futebol pentacampeão mundial.

DIEGO POLENTA
Zagueiro
Uruguaio
23 anos
Nacional (URU)

Se o Nacional conseguiu avançar de fase na Libertadores, a culpa é de sua defesa, vazada apenas três vezes em seis jogos. E o principal nome do sistema defensivo uruguaio é Diego Polenta. Jogador de destaque nas seleções de base, o zagueiro passou pelo futebol italiano (Bari e Genoa) e está há tempos na mira de clubes brasileiros. Flamengo, Corinthians, Grêmio e Inter já tentaram sua contratação. Os argentinos Boca Juniors e River Plate também estão na lista de interessados.

ALEJANDRO CHUMACERO
Meia
Boliviano
26 anos
The Strongest (BOL)

O artilheiro da Libertadores não é um atacante, mas sim um meia que já andou até jogando como volante. Chumacero, autor de oito gols na competição, é o coração, o cérebro e a alma do The Strongest, segundo colocado do Grupo 2, e divide com a altitude de La Paz os louros por ter classificado o clube boliviano para a reta final do torneio. O camisa 3 já teve uma passagem pelo Brasil, mas não conseguiu emplacar no Sport.

LAUTARO ACOSTA
Meia-atacante
Argentino
29 anos
Lanús (ARG)

Quem marca os gols do Lanús é o veterano José Sand, de 36 anos. Mas o principal nome do líder do Grupo 7 da Libertadores não é o centroavante. Lautaro Acosta é rápido, habilidoso e carrega a experiência de ter atuado no Sevilla, além de convocações para a seleção argentina. É um nome que aumentaria a qualidade dos principais clubes brasileiros e totalmente dentro da realidade financeira deles.

JONATAN ÁLVEZ
Atacante
Uruguaio
28 anos
Barcelona (EQU)

Talvez a maior surpresa da fase de grupos da Libertadores, o Barcelona de Guayaquil conseguiu se classificar em uma chave que tinha um clube brasileiro (Botafogo), outro argentino (Estudiantes) e o atual campeão (Atlético Nacional). E boa parte da responsabilidade pelo feito cabe ao centroavante uruguaio que quase trocou o Barcelona pelo Necaxa no fim do ano passado e já atuou em Portugal (Vitória de Guimarães)

ALEJANDRO SILVA
Lateral direito
Uruguaio
27 anos
Lanús (ARG)

Lateral direito de origem, também pode atuar aberto na linha do meio-campo. E é exatamente nessa função que ele tem se destacado com a camisa do Lanús nesta Libertadores. Ex-jogador de Peñarol e Olimpia (PAR), Silva é um dos bons nomes da equipe argentina e, junto com Acosta, faz o papel de municiar Sand. Para completar: fez um golaço contra o Nacional, na última rodada da fase de grupos.


Mais de Cidadãos do Mundo

Por onde andam os jogadores do Real que impediu Mundial do Vasco em 1998?
Buffon largou casamento para viver com apresentador esportiva de TV
7 aspirantes a craque para acompanhar de perto no Mundial sub-20
Livres para assinar: 7 astros que ficam sem contrato no fim da temporada


Por onde andam os jogadores do Real que impediu Mundial do Vasco em 1998?
Comentários 20

Rafael Reis

Maior campeão da história da Liga dos Campeões, o Real Madrid enfrenta a Juventus no próximo dia 3 de junho, em Cardiff, País de Gales, em busca do seu 12º título europeu na história.

Mas muita gente vai secar o time de Cristiano Ronaldo na decisão da Champions: os torcedores da Juve, os apoiadores do Barcelona, os fanáticos pelo futebol italiano e também boa parte dos vascaínos.

Afinal, 19 anos atrás, o Real tirou do Vasco a possibilidade de se sagrar campeão mundial. A derrota brasileira por 2 a 1 no Mundial Interclubes de 1998 ficou marcada pelo gol contra anotado pelo volante Nasa.

Saiba logo abaixo os paradeiros dos jogadores que impediram aquele que seria o maior título da centenária história vascaína.

POR ONDE ANDA – REAL MADRID (1998)

Bodo Illgner (50 anos) – Campeão mundial com a seleção alemã na Copa de 1990 e antecessor de Casillas no gol do Real Madrid, deixou o clube espanhol para se aposentar em 2001. Comentarista da Sky holandesa e da espanhola beIN Sports, costuma usar as redes sociais para falar de futebol e declarar seu amor à esposa, Bianca.

Christian Panucci (44 anos) Um dos melhores laterais direitos da década de 1990, o italiano defendeu Milan, Inter de Milão, Chelsea, Monaco e Roma, além do Real. Depois da aposentadoria, participou da versão local da “Dança dos Famosos” e ingressou na carreira de treinador. Panucci já dirigiu Livorno e Ternana. Também trabalhou como assistente técnico da seleção da Rússia.

Manuel Sanchís (52 anos) – Uma lenda madridista, o capitão do Real na decisão contra o Vasco jogou no clube durante toda sua carreira e vestiu a camisa branca em mais de 700 partidas oficiais. Aposentado desde 2001, Sanchís conquistou incríveis oito títulos espanhóis, duas Ligas dos Campeões e um Mundial Interclubes.

Fernando Sanz (43 anos) – O menos conhecido dos titulares do Real no Mundial não era um grande zagueiro, mas tinha um “paitrocinador” forte, Lorenzo Sanz, então presidente do clube. Fernando jogou até 2006, quando seu pai comprou 97% das ações do Málaga e o colocou para administrar a equipe. O ex-defensor permaneceu na presidência até a venda da agremiação para um fundo do Qatar, em 2010.

Roberto Carlos (44 anos) – Estrangeiro que mais vestiu a camisa Real Madrid (527 partidas) em todos os tempos, o lateral esquerdo que marcou época na Espanha e na seleção brasileira se aposentou em 2012. Desde então, trabalhou como técnico do Anzhi, da Rússia, de dois times da Turquia (Sivasspor e Belediyespor) e do Dehli Dynamos (Índia). Atualmente, desempenha a função de embaixador do Real no exterior.

Clarence Seedorf (41 anos) – Camisa 10 do Real no Mundial, o meia holandês chegou a se aventurar no futebol brasileiro no fim da carreira e foi ídolo do Botafogo. Em 2014, deixou o clube brasileiro e pendurou as chuteiras para estrear como técnico do Milan. A experiência durou só 22 partidas. No ano passado, conseguiu seu segundo emprego como treinador, mas também não conquistou grandes resultados à frente do Shenzhen, da segunda divisão chinesa.

Fernando Hierro (49 anos) – Um dos grandes nomes da história do futebol espanhol, vestiu a camisa do Real por 14 anos e substituiu Sanchís como capitão do clube. Aposentado desde 2005, Hierro foi diretor-esportivo da seleção espanhola entre 2007 e 2011, quando ela conquistou uma Euro e o inédito título da Copa do Mundo. Em 2014, decidiu trocar os escritórios pelo banco de reservas e foi auxiliar de Carlo Ancelotti no Real. Na atual temporada, estreou em voo solo no comando do Oviedo, oitavo colocado na segunda divisão espanhola.

Fernando Redondo (47 anos) – Volante de refinada classe e elegância, o argentino teve a carreira prejudicada por lesões e praticamente não jogou nos últimos quatro anos de sua carreira, entre 2000 e 2004, quando defendeu o Milan. Atualmente, Redondo é aluno do curso de formação de treinadores ofertado pela Uefa.

Sávio (43 anos) – O “Anjo Loiro da Gávea”, como era chamado pelo narrador Januário de Oliveira quando despontou para o futebol com a camisa do Flamengo, jogou por cinco anos no Real Madrid e fez parte do elenco no início do “Projeto Galáctico”. Hoje em dia, dedica-se ao mercado imobiliário e ao agenciamento de jogadores, além de ser comentarista no canal Esporte Interativo.

Raúl González (39 anos) – Maior artilheiro do Real até a aparição de Cristiano Ronaldo, Raúl Madrid, como ficou conhecido, deixou o clube em 2010 e defendeu Schalke 04, Al Sadd (Qatar) e New York Cosmos nos últimos cinco anos de sua carreira. De volta à Espanha após alguns anos morando nos EUA, o autor de um dos gols da partida contra o Vasco trabalhará como assessor presidencial do Real a partir da próxima temporada.

Predrag Mijatovic (48 anos) Integrante da geração de ouro da Iugoslávia na década de 1990, foi segundo colocado na Bola de Ouro de 1997 (perdeu o prêmio para Ronaldo). Pedja, como é conhecido, exerceu o cargo de diretor de futebol do Real Madrid entre 2006 e 2009 e, mesmo destituído da função, permanece bastante identificado com o clube.

Robert Jarni (48 anos) – Substituto de Mijatovic nos minutos finais do Mundial, jogou futsal profissionalmente durante cinco anos depois da aposentadoria nos gramados. Uma celebridade na Croácia, é comentarista em jogos da seleção e também participa de comerciais na TV. Também trabalha como técnico, mas ainda não obteve nenhum resultado relevante nessa carreira.

Davor Suker (49 anos) Artilheiro da Copa do Mundo de 1998 e eleito o segundo melhor jogador da competição, o centroavante não conseguiu se firmar no Real Madrid e passou a maior parte do tempo no banco de reservas. Desde 2012, Suker é o presidente da Federação Croata de Futebol.

Guus Hiddink (70 anos) Chegou ao Real Madrid depois de levar a Holanda à semifinal da Copa do Mundo de 1998, mas durou só uma temporada na Espanha. Já dirigiu cinco seleções diferentes (Coreia do Sul, Austrália, Rússia e Turquia, além do time de sua terra natal). Seu trabalho mais recente foi como interino do Chelsea na temporada passada.


Mais de Cidadãos do Mundo

Buffon largou casamento para viver com apresentador esportiva de TV
7 aspirantes a craque para acompanhar de perto no Mundial sub-20
Por onde andam os jogadores da Itália que fez o Brasil chorar na Copa-1982?
Livres para assinar: 7 astros que ficam sem contrato no fim da temporada


Conheça os brasileiros artilheiros de campeonatos na Europa nesta temporada
Comentários Comente

Rafael Reis

Neymar ficou devendo em bolas na rede. Firmino, Taison, Jonas e outros selecionáveis também passaram longe de brigar pela artilharia das ligas que disputam. Gabriel Jesus até marcou seus golzinhos, mas só está na Inglaterra há cinco meses.

Apesar do desempenho discreto dos seus principais homens de frente, é um erro achar que o futebol brasileiro não deixou sua marca nas redes europeias nesta temporada.

Só é preciso aprofundar um pouco a busca para encontrar goleadores brazucas que fizeram sucesso nos últimos meses no Velho Continente.

Conheça abaixo os jogadores brasileiros que foram (ou são) artilheiros de campeonatos na Europa na atual temporada.

VÁGNER LOVE
Atacante
32 anos
Alanyaspor (TUR)
Campeonato Turco

Ao contrário da maior parte das principais ligas nacionais europeias, o Campeonato Turco ainda não acabou. No entanto, é pouco provável que alguém tire a artilharia do ex-atacante de Palmeiras, Flamengo e Corinthians. Faltando duas rodadas para o encerramento da temporada, o camisa 99 do Alanyaspor tem 21 gols, contra 18 de Cenk Tosun, segundo colocado na lista de goleadores, que defende o líder Besiktas.

GIULIANO
Meia
26 anos
Zenit São Petesburgo (RUS)
Liga Europa

Apesar da eliminação precoce do Zenit, ainda na primeira rodada de mata-matas da fase final, o ex-jogador do Grêmio terminou a Liga Europa como um dos artilheiros da competição. Giuliano anotou oito gols em oito jogos no torneio continental (e também distribuiu seis assistências) e dividiu o posto de goleador máximo da Liga Europa com o bósnio Edin Dzeko, da Roma, que não foi além das oitavas de final.

WELTHON
Atacante
24 anos
Paços de Ferreira (POR)
Taça da Liga

O atacante paraense, que passou por Tuna Luso, Paysandu e Remo, brilhou em sua primeira temporada no futebol europeu. Welthon foi o principal jogador do Paços de Ferreira nos últimos meses, acabou como artilheiro da Taça da Liga Portuguesa, com quatro gols, e encantou Porto e Sporting, que disputam sua transferência.

LEONARDO
Meia-atacante
25 anos
Partizan Belgrado (SER)
Campeonato Sérvio

A temporada 2016/17 foi duplamente boa para Leonardo, meia-atacante paranaense que joga no exterior desde a adolescência e já passou por Chipre, Bélgica, Ucrânia, Azerbaijão e Rússia. O jogador não apenas se sagrou campeão sérvio, o maior título de sua carreira até o momento, como terminou a competição dividindo a artilharia da competição com Uros Durdevic, seu companheiro no Partizan. Cada um deles marcou 24 gols.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Cotado na seleção ucraniana, Marlos sonha virar ídolo em território brasileiro
7 jogadores brasileiros rebaixados na Europa nesta temporada
– Insubstituível, xará de craque santista busca marca histórica na França
– Menos gol e mais zagueiro: Como D. Luiz se transformou e deu volta por cima


Como o Ajax faturou R$ 1,5 bilhão em 15 anos só com venda de jogadores
Comentários 3

Rafael Reis

Vinte e um ano depois de ser derrotado pela Juventus na final da Liga dos Campeões e ver cair por terra o sonho de emendar duas conquistas consecutivas de Champions, o Ajax volta nesta quarta-feira a decidir um título continental.

Mas, mesmo que não vença o Manchester United, em Estocolmo, na Suécia, na final da Liga Europa, o clube holandês terá cumprido uma de suas principais metas da temporada: apresentar aos grandes clubes do planeta uma nova safra de jovens talentosos que irá engordar seus cofres.

Afinal, desde meados da década de 1990, quando a Lei Bosman acabou com a ideia de jogadores como propriedade dos clubes e minou a capacidade de equipes de segundo escalão fazerem frente aos Real Madrid e Barcelona da vida, formar garotos e negociá-los com os maiores centros virou a tábua de salvação do Ajax.

Só nos últimos 15 anos, o clube de Amsterdã arrecadou cerca de 410 milhões de euros (pouco mais de R$ 1,5 bilhão) com venda de jogadores, a maioria recém-saída da adolescência.

O valor inclui as transferências para grandes centros de vários meninos que se tornaram astros de primeira grandeza do futebol mundial, como Zlatan Ibrahimovic, Luis Suárez, Wesley Sneijder e Jan Vertonghen.

Até mesmo o Manchester United, adversário desta quarta-feira, beneficiou-se da capacidade de formação de atletas do rival. O lateral esquerdo e zagueiro Daley Blind é cria das categorias de base do Ajax e custou 17,5 milhões (64,6 milhões).

Dos 410 milhões de euros que faturou com venda de jogadores desde a temporada 2002/03, o Ajax só gastou 51% na contratação de novos atletas. E a maior parte desses 211 milhões de euros (R$ 780 milhões) foi investida em jovens com potencial de venda futura.

Esses são os casos do atacante brasileiro David Neres, de apenas 20 anos, que foi contratado do São Paulo em janeiro por 12 milhões de euros (R$ 44 milhões) e ainda frequenta o banco de reservas, e das duas maiores apostas do clube holandês para faturar alto na próxima janela de transferências.

O zagueiro colombiano Davinson Sánchez, também de 20 anos, foi buscado no Atlético Nacional depois da conquista da Libertadores do ano passado e custou 5 milhões de euros (R$ 18,5 milhões). Agora, já vale 25 milhões de euros (R$ 92 milhões) e está na mira do Barcelona.

Já o atacante alemão Amin Younes, três anos mais velho, está na Holanda desde 2015 e foi adquirido do Borussia Mönchengladbach por 2,5 milhões de euros (R$ 9,2 milhões). O clube holandês já rejeitou uma proposta de 12 milhões de euros (R$ 44 milhões) pelo jogador, que interessa a Borussia Dortmund e RB Leipzig.

É por isso, que mesmo que não conquiste a Liga Europa, o Ajax já pode se considerar um vencedor.


Mais de Clubes

– Rival do Real vai levar 1 mi de euros se não vencer jogo do título espanhol
– Manchester City tem pior custo-benefício da temporada; veja ranking
– 9 times que disputam campeonatos nacionais fora dos seus países
– Ex-Corinthians, Zizao agora é líder do Chinês… e com um time ''pobre''


Cotado na seleção ucraniana, Marlos sonha virar ídolo em solo brasileiro
Comentários 7

Rafael Reis

Campeão nacional pelo Shakhtar Donetsk, eleito o melhor jogador do futebol ucraniano no ano passado e na mira de grandes clubes europeus, Marlos já vislumbra um retorno para o Brasil.

Seu projeto é claro. Jogar novamente em seu país, exercer o papel de protagonista de um time de primeiro escalão e se tornar ídolo de uma grande torcida, o que não conseguiu durante os quase três anos em que defendeu o São Paulo.

“Saí para o Leste Europeu muito novo [em 2012, com 23 anos] e nem pensava em voltar para o Brasil. Mas hoje sou um jogador bem mais completo e acho que poderia voltar para ser o líder de uma equipe, seu principal jogador. Esse é um desafio que tenho ainda”, afirmou, por telefone.

Mas esse não é um plano para agora. Há pelo menos duas questões mais urgentes, que Marlos terá de buscar uma definição ao longo dos próximos meses.

A primeira é o convite do técnico Andriy Shevchenko para defender a seleção ucraniana. A proposta foi feita em janeiro, quando o meia-atacante completou cinco anos de residência na Ucrânia, tempo necessário para que a Fifa aceite o processo de naturalização e permita que um jogador defenda um país com o qual não tinha nenhum vínculo anterior.

Segundo Marlos, a questão será discutida com os familiares e amigos mais próximos durante as férias em Curitiba e a resposta será dada assim que ele retornar à Europa para a próxima semana.

A pressa tem uma explicação. Shevchenko quer contar com o astro do Shakhtar na reta final das eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 –os ucranianos ocupam a terceira colocação do Grupo I, com oito pontos, e estão atrás de Croácia e Islândia.

“Todo jogador profissional tem o sonho de jogar pela seleção do seu país. E fico balançado porque jogadores do Shakhtar sempre são convocados pelo Brasil. Mas é muito difícil também ficar esperando e esperando uma convocação. Minha posição é muito concorrida. É uma decisão que não vai ser tomada só por mim, mas pela minha família.”

Outra questão, também bastante urgente, é seu futuro no Shakhtar.  Marlos tem contrato com o atual campeão ucraniano até 2019, mas não esconde de ninguém que prefere se transferir para uma liga mais competitiva a cumprir o acordo até o fim.

Em temporadas anteriores, o brasileiro recebeu sondagens de Tottenham, Borussia Dortmund e Inter de Milão. Os valores oferecidos, no entanto, não agradaram aos ucranianos, que querem pelo menos 25 milhões de euros (R$ 92 milhões) para negociá-lo.

“Tive algumas reuniões e deixei claro que gosto da possibilidade para sair para um outro grande centro. Mas é difícil negociar em cima de valores tão altos, acaba assustando os clubes que querem te contratar. Minha vontade é essa: dar um pulo maior na carreira”, completou.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

7 jogadores brasileiros rebaixados na Europa nesta temporada
– Insubstituível, xará de craque santista busca marca histórica na França
– Menos gol e mais zagueiro: Como D. Luiz se transformou e deu volta por cima
Conheça os brasileiros que podem ser campeões na Europa neste fim de semana


Buffon largou casamento para viver com apresentadora esportiva de TV
Comentários 19

Rafael Reis

Um dos maiores goleiros de todos os tempos, Gianluigi Buffon não se limita a viver o futebol apenas quando está nos treinos e jogos da Juventus, uma das finalistas da Liga dos Campeões da Europa.

O esporte faz parte da rotina do veterano de 39 anos mesmo quando ele está longe dos campos. Não importa se ele está dentro de casa, em um passeio de iate pelo Mediterrâneo ou mesmo em um jantar romântico, a bola sempre o persegue.

Isso porque sua mulher também tem o futebol como “ganhão pão”.

Ilaria D’Amico é uma espécie de Renata Fan italiana. A apresentadora comanda programas esportivos na televisão há quase duas décadas. Já trabalhou na RAI, emissora pública do país, e hoje faz parte da equipe da SKY Sports.

Um dos rostos mais conhecidos da TV esportiva na Itália, a apresentadora e comentarista só não é mais popular e querida graças justamente a Buffon.

Ao contrário de Renata Fan, que tem uma vida amorosa bastante discreta e jamais foi vista com boleiros, D’Amico resolveu namorar um dos principais nomes do futebol italiano… e quando ele ainda era casado.

O escândalo estourou no primeiro semestre de 2014, pouco antes da Copa do Mundo do Brasil, e fez a festa dos jornalistas de celebridade locais.

Em meio a rumores de que estaria tendo um caso extraconjugal com a apresentadora pipocando na imprensa, Buffon decidiu se separar da modelo e atriz tcheca Alena Seredova, mãe dos seus dois primeiros filhos.

Logo depois do Mundial, o goleiro e D’Amico foram flagrados em clima de romance na Grécia por paparazzo de uma revista de fofocas. Na sequência, decidiram assumir o polêmico relacionamento.

O casal está junto desde então e já tem um filho, o pequeno Leopoldo Mattia, nascido em janeiro do ano passado.

“Com Buffon, vivo constantemente um conflito de interesses”, admitiu a jornalista, em março, sobre o fato de ser paga para analisar o desempenho de jogadores de futebol, inclusive, do seu marido.

O certo é que Ilaria D’Amico estará no Millenium Stadium, em Cardiff, no dia 3 de junho, para a decisão da Champions, entre Juventus e Real Madrid. Resta saber se apenas para torcer para o marido, ou também para entrevistá-lo.


Mais de Cidadãos do Mundo

7 aspirantes a craque para acompanhar de perto no Mundial sub-20
Por onde andam os jogadores da Itália que fez o Brasil chorar na Copa-1982?
Livres para assinar: 7 astros que ficam sem contrato no fim da temporada
Pivô de escândalo no Barça, ''Messi japonês'' estreia aos 15 e causa furor


Ele jogou com Pelé e Beckenbauer no Cosmos. Hoje, é motorista de Uber
Comentários 14

Rafael Reis

“Eu já joguei com Pelé. E não só com ele, mas também Carlos Alberto Torres e Franz Beckenbauer”. Você acreditaria nessa história se ela fosse contada pelo motorista do Uber que está te levando de volta para casa depois de um dia de trabalho?

Se você mora na Espanha, há uma pequena chance de esse causo não ser apenas uma tentativa de impressionar passageiros.

Afinal, Santiago Formoso, um lateral esquerdo espanhol naturalizado norte-americano que jogou no lendário New York Cosmos entre 1978 e 1979, trabalha hoje como motorista profissional.

A história foi revelada na semana passada pelo “Marca”, um dos principais jornais esportivos da terra natal do ex-jogador.

“Quando me aposentei, tinha que fazer alguma coisa para sobreviver. Foi assim que comecei com taxista. Como gosto demais do volante, continuo por aqui”, afirmou Formoso, que chegou a ser proprietário de três empresas de transporte de luxo e hoje dirige para o Uber.

O motorista não esconde o passado dos seus clientes. Pelo contrário, aproveita os causos colhidos ao lado de grandes nomes da história do futebol mundial para entreter os passageiros.

''Cheguei a dividir quarto com Pelé [quando o Rei voltou ao Cosmos para disputar amistosos pós-aposentadoria]. Alguns anos atrás, acabei encontrando com ele em um barco em Veneza e fui abraçá-lo. A princípio, ele não me reconheceu. Tive que dizer quem eu era. Mas ele falou que eu estava mentindo, que o Formoso que ele conhecia era um jovem bonito e cabeludo, não um gordo careca. Então, caímos na risada''.

Sua história com Beckenbauer, o capitão e principal jogador da Alemanha na conquista da Copa de 1974, é ainda melhor.

''Eu estava tomando uma Coca-Cola no intervalo de uma partida em pleno verão, um dia que estava muito quente. De repente, alguém toma a latinha da minha mão e a joga contra a parede. Quando me viro, vejo Beckenbauer gritando que sou louco, que aquilo que eu estava bebendo era pura química. Em seguida, ele me deu uma cerveja''.

Nascido em Vigo, próximo à fronteira com Portugal, Formoso migrou para os EUA quando tinha 15 anos e completou seus estudos na América. Foi lá também que se tornou jogador profissional de futebol e iniciou a carreira que teria o Cosmos como ponto alto.

Naturalizado norte-americano, o lateral chegou a disputar sete partidas pela seleção e participou das eliminatórias para a Copa-1978.

Sua história foi transformada em filme pelo jornalista espanhol Pedro Pablo Alonso, que lançou “Alén do Cosmos”, um documentário sobre a trajetória de Formoso no meio dos popstars do time nova-iorquino.


Mais de Cidadãos do Mundo

7 aspirantes a craque para acompanhar de perto no Mundial sub-20
Por onde andam os jogadores da Itália que fez o Brasil chorar na Copa-1982?
Livres para assinar: 7 astros que ficam sem contrato no fim da temporada
Pivô de escândalo no Barça, ''Messi japonês'' estreia aos 15 e causa furor


7 jogadores brasileiros rebaixados na Europa nesta temporada
Comentários 7

Rafael Reis

Expectativa: jogar bem durante nove meses, conquistar vitórias épicas contra adversários muito mais qualificados, descolar uma convocação para a seleção e terminar a temporada levantando um troféu (ou, pelo menos, com vaga para uma competição europeia).

Realidade: acumular resultados negativos durante nove meses, sofrer goleadas vexatórias até mesmo contra times nem tão fortes assim, aprender a conviver com um clube crise e terminar a temporada com o passaporte carimbado para a segunda divisão.

A temporada 2016/17 do futebol europeu não foi de festa para todo mundo. Muito pelo contrário. Há vários jogadores que fariam de tudo para conseguir esquecê-la.

Conheça abaixo sete brasileiros que fazem parte desse clube, o clube dos rebaixados deste ano.

DOUGLAS
Lateral direito
26 anos
Sporting Gijón (ESP)

Uma das contratações mais surpreendentes da história recente do Barcelona, o lateral direito foi emprestado nesta temporada para recuperar o ritmo de jogo que o banco de reservas na Catalunha havia lhe tirado. Em Gijón, Douglas até jogou bastante –foram 22 partidas, com direito a dois gols e uma assistência. Pouco, no entanto, para evitar o retorno do Sporting para a segunda divisão espanhola. E menos ainda para convencer o Barça a transformá-lo em uma peça importante do seu elenco.

BRUNO HENRIQUE
Volante
27 anos
Palermo (ITA)

Acostumado a conquistar títulos e sempre lutar no alto da tabela quando vestia a camisa do Corinthians, o volante tomou um choque de realidade em sua primeira experiência no exterior. Bruno Henrique foi titular do Palermo durante toda a temporada italiana, foi goleado quatro vezes por 4 a 1 e levou até um 6 a 0 contra a Lazio. Resultado: o penúltimo lugar da Serie A.

FÁBIO
Lateral esquerdo
26 anos
Middlesbrough (ING)

Jogador com passagem pelo Manchester United e pela seleção brasileira, voltou à Premier League com o Middlesbrough depois de dois anos jogando a segunda divisão inglesa pelo Cardiff City. Mas o retorno à elite pode ter sido passageiro. O Boro ganhou apenas cinco jogos e estará mais uma vez na Championship no segundo semestre.

EVANDRO
Meia
30 anos
Hull City (ING)

Apelidado maldosamente de Evandro Seleção nos tempos que jogava no Palmeiras, o meia construiu uma carreira interessante no futebol português e chegou a defender o Porto. Contratado em janeiro pelo Hull, chegou à Inglaterra com o clube já em situação difícil e pouco contribui para evitar seu rebaixamento –não fez nenhum gol em 11 jogos de Premier League.

ANDREAS PEREIRA
Meia-atacante
21 anos
Granada (ESP)

Apesar de jogar no último Campeonato Espanhol, o meia-atacante nascido na Bélgica, mas que optou por defender a seleção brasileira, não teve uma temporada das piores. Emprestado pelo Manchester United ao Granada para ganhar experiência, Andreas participou efetivamente de sete dos 29 gols marcados por sua equipe na Liga (meteu quatro bolas na rede e deu três assistências).

MAURÍCIO RAMOS
Zagueiro
32 anos
Adanaspor (TUR)

Rebaixado com o Palmeiras em 2012, o zagueiro acaba de viver novamente a experiência de cair para a segunda divisão. Maurício Ramos, que atua no exterior desde 2013, quando deixou a equipe alviverde, é o capitão do Adanaspor, clube que não conseguiu sobreviver ao Campeonato Turco desta temporada.

ROGER BERNARDO
Volante
31 anos
Ingolstadt (ALE)

Ex-jogador do Palmeiras, foi titular durante toda a temporada do Ingolstadt, penúltimo colocado do Campeonato Alemão. Roger Bernardo é volante de origem, mas também atuou como zagueiro na Bundesliga. O brasileiro, no entanto, não disputará a segunda divisão depois das férias, já que acertou sua transferência para o Atlético-MG.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

– Insubstituível, xará de craque santista busca marca histórica na França
– Menos gol e mais zagueiro: Como D. Luiz se transformou e deu volta por cima
Conheça os brasileiros que podem ser campeões na Europa neste fim de semana
Como Dani Alves virou o recordista brasileiro de assistências na Champions