Blog do Rafael Reis

Dez anos após perna amputada, uruguaio abandona o esporte “por opção”
Comentários Comente

Rafael Reis

“Hoje, só me dedico a aumentar a pança.”

Dez anos após o acidente que provocou a amputação de parte da perna direita e pôs fim à sua carreira profissional, o ex-atacante da seleção uruguaia Darío Silva, 43, afirma de forma bem humorada que abandonou de vez o esporte.

Mas engana-se quem pensa que esse adeus à prática esportiva está ligado a alguma dificuldade física. Ele apenas quer se dedicar mais a outras atividades.

Dario Silva

“Tenho uma vida normal, ando a cavalo, faço trabalho de campo na minha fazenda. Uso uma prótese e não tenho nenhum tipo de limitação”, conta Darío, por telefone.

Não mesmo. Já no começo de 2009, dois anos e meio depois do acidente, o ex-atacante voltou aos gramados e até marcou um gol em partida beneficente entre famosos uruguaios e argentinos.

Depois, começou a treinar remo para competir nos Jogos Paralímpicos de Londres-2012, meta que não foi alcançada devido a problemas com o comitê uruguaio.

“Queria muito ter participado, mas a burocracia do meu país atrapalhou demais. Eles não ajudam muito o esporte paraolímpico. Então, não deu”, afirma, sempre bem-humorado.

Bom humor que o uruguaio não perdeu nem mesmo no momento mais difícil de sua vida. Em 23 de setembro de 2006, o ex-jogador, que acabara de deixar o Portsmouth, da Inglaterra, e havia disputado a Copa do Mundo de 2002, perdeu o controle do seu carro e bateu em dois postes.

Dois dias depois, quando acordou, já não tinha mais parte da perna direita, que precisou ser amputada devido aos danos provocados pelo acidente.

“Claro que fiquei preocupado, mas nunca passou pela cabeça me suicidar ou coisa assim. Meu lema é nunca ficar deprimido, ficar sempre com o sorrido no rosto, e pensar que hoje é o dia mais bonito.”

Atualmente, além da administração de sua fazenda, trabalha para a empresa de representação de jogadores de René Ramos, irmão do zagueiro e capitão do Real Madrid, Sergio Ramos. Até por isso, vive na ponte aérea Espanha-Uruguai.

E, em meio a tantas viagens, vai cultivando ''sua pança''. Não por limitação física. Mas porque é isso que ele quer.


Mais de Cidadãos do Mundo

Fifa permite que jogadores rescindam contrato por “excesso de banco”
Cuauthémoc Blanco entra para política e é investigado em caso de corrupção
Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions


“Melhor ataque do mundo” e Gabigol: 3 jogos imperdíveis do fim de semana
Comentários Comente

Rafael Reis

Se você ainda não tem planos para os próximos dias, deixe-me ajudar.

A cada sexta-feira, o “Blog do Rafael Reis” publica um miniguia com as três partidas mais imperdíveis do fim de semana para você se programar e não deixar nada de interessante escapar.

Os destaques entre hoje e domingo ficam por conta de mais uma apresentação do “melhor ataque do mundo”, de um clássico na Inglaterra e da possível estreia de Gabigol na Inter de Milão.

BORUSSIA DORTMUND X FREIBURG
Sexta-feira, 15h30 (Brasília)
ESPN Brasil
5ª rodada do Campeonato Alemão
Dortmund
O Borussia Dortmund apresentou nos últimos dez dias 17 motivos para que você acompanhe a partida contra o Freiburg. Foi esse o número de gols marcados pelo time aurinegro em suas três últimas apresentações, ante Legia Varsóvia, Darmstadt e Wolfsburg. O confronto desta sexta-feira vale ao “melhor ataque do mundo” na atualidade a chance de alcançar o Bayern de Munique na liderança do Campeonato Alemão.

ARSENAL X CHELSEA
Sábado, 13h30 (Brasília)
ESPN +
6ª rodada do Campeonato Inglês
Arsenal
Com inícios de temporada bastante oscilantes, Arsenal e Chelsea se encontram neste sábado para definir qual dos dois rivais deve terminar a sexta rodada da Premier League dentro da zona de classificação para a Liga dos Campeões. Os dois times obtiveram vitórias expressivas no meio da semana, pela Copa da Liga. Enquanto os Gunners aplicaram 4 a 0 no Nottingham Forest, os Blues bateram de virada o Leicester, atual campeão inglês.

INTER DE MILÃO X BOLOGNA
Domingo, 10h (Brasília)
Fox Sports 2
6ª rodada do Campeonato Italiano
Gabriel
Atacante da seleção brasileira na inédita conquista da medalha de ouro olímpica, Gabriel tem boas chances de estrear no futebol europeu neste fim de semana. Reserva na partida contra o Empoli, na quarta, o ex-atacante do Santos pode ganhar seus primeiros minutos pela Inter contra o Bologna, em um confronto perante a torcida da equipe de Milão, no Giuseppe Meazza.


Mais de Cidadãos do Mundo

Fifa permite que jogadores rescindam contrato por “excesso de banco”
Cuauthémoc Blanco entra para política e é investigado em caso de corrupção
Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions


Fifa permite que jogadores rescindam contrato por “excesso de banco”
Comentários 20

Rafael Reis

Imagine a situação: um jogador do seu time passa o ano todo no banco de reservas e, incomodado com a situação, entra na Justiça e consegue a rescisão do seu contrato.

Esse cenário não é apenas uma hipótese que mexeria com o mercado do futebol e assustaria técnicos e dirigentes dos clubes. Pelo contrário, ele está previsto no Regulamento de Transferência de Jogadores da Fifa.

Intitulado “Terminando um contrato com justa causa esportiva”, o artigo 15 do documento afirma que um atleta tem o direito de encerrar de forma unilateral seu vínculo com um clube (com pagamento ou não de indenização) caso tenha participado de menos de 10% das partidas daquela equipe na última temporada.

Diego Tardelli

“É claro que não é só alegar justa causa esportiva e rasgar o contrato. O jogador vai ter que provar que não ficou afastado devido a uma contusão, suspensão ou caso de indisciplina. Há outros casos também onde não se deve aplicar essa regra, como os goleiros reservas e jovens recém-promovidos ao time profissional”, afirma o advogado Marcos Motta, especialista em transferências internacionais.

Apesar de constar no regulamento da Fifa desde meados da década passada, a cláusula ainda não é muito usada.

O próprio Motta só cogitou recorrer à justa causa esportiva uma vez, em caso envolvendo um clube russo, mas conseguiu um acordo extrajudicial e não chegou a levar o caso para os tribunais.

No entanto, de acordo com o advogado, o artigo pode ganhar uma nova vida e virar uma ferramenta importante na defesa dos direitos dos jogadores devido às características do mercado contemporâneo do futebol.

“A entrada de oligarcas russos e ucranianos e conglomerados chineses no futebol mudou a dinâmica das contratações, que deixaram de ser apenas técnicas e hoje envolvem também o marketing e a proteção de mercado. Com isso, jogadores importantes e acostumados a seleção passaram a conviver pela primeira vez com a situação de ficarem no banco ou serem afastados”, avalia.

Esses são os casos, por exemplo, do meia Wagner e dos atacantes Jô e Diego Tardelli, todos com passagem pela seleção brasileira, que estão inativos desde julho porque não foram inscritos no segundo turno do Campeonato Chinês, já que seus clubes contrataram mais estrangeiros do que podem escalar.

O meia Yaya Touré, do Manchester City, é outro que enfrenta uma situação de afastamento. Fora dos planos de Pep Guardiola e em guerra aberta com o treinador, ele participou de apenas uma partida na atual temporada.


Mais de Cidadãos do Mundo

Cuauthémoc Blanco entra para política e é investigado em caso de corrupção
Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions
Sozinho, Messi vale mais que elencos de 12 times da Champions


Irmão de Zé Elias sofre para achar emprego após 4 anos “escondido” na Juve
Comentários 25

Rafael Reis

Ao longo dos últimos quatro anos, o goleiro brasileiro Rubinho, 34, conquistou quatro títulos italianos, duas Copas Itália, duas Supercopas da Itália e foi vice da Liga dos Campeões da Europa. E, mesmo assim, sofre para encontrar um clube para defender.

Desempregado desde julho, o arqueiro revelado pelo Corinthians e que defendeu todas as seleções brasileiras de base credita a dificuldade em achar um novo time justamente à vitoriosa passagem pela Juventus.

Rubinho

“Os dirigentes e treinadores não levam em conta que você treinou durante esse tempo, só querem saber se você jogou. Treinei diariamente com os melhores jogadores da Itália por quatro anos, isso deveria ser levado em conta. Fiz uma escolha de ficar tanto tempo na Juve. Mas, no final, isso acabou me prejudicando”, disse.

É que entre 2012 e 2016, período em que vestiu a camisa da maior campeã italiana, Rubinho praticamente não foi a campo. Ele só participou de duas partidas oficiais e atuou por apenas 47 minutos.

Terceiro goleiro, ele passou o restante do tempo treinando e esperando uma oportunidade que insistia em nunca chegar.

“Os dois últimos anos foram os mais difíceis porque eu não joguei nenhuma vez. Na última temporada, eu estava muito bem fisicamente e esperava jogar pelo menos o último jogo. Mas, estranhamente, não me colocaram nem por cinco minutos.”

Apesar de dizer que não guarda mágoas da Juventus, Rubinho não consegue esconder que esperava mais reconhecimento do clube pelo menos na hora de avisá-lo que seu contrato não seria renovado para a atual temporada.

“Ninguém me informou de nada. Só deixaram acabar o contrato e me mandaram uma mensagem por telefone avisando que haviam feito uma homenagem para mim na página do clube. Não queria fogos de artifício, mas esperava que tivessem me avisado antes que eu pudesse correr atrás de algo.”

Sem clube desde então, Rubinho chegou a conversar com o Spezia, da segunda divisão italiana, mas a negociação não evoluiu.

Agora, com o Campeonato Italiano já em andamento, aguarda a definição sobre o estado de saúde de um goleiro do Bologna para talvez conseguir um contrato com o clube e sair da inatividade.

“Na minha situação, a questão da grana vai pesar pouco. A vontade de jogar é muito grande. O que eu quero é trabalhar”, completa.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

5 grandes promessas do futebol brasileiro que foram parar na 2ª divisão
Mais de 10% dos brasileiros da Champions escolheram defender outra seleção
– 5 ex-jogadores da seleção brasileira que hoje estão na 2ª divisão
– David Luiz passa Ronaldo e é o 2º brasileiro em vendas milionárias somadas


Cuauthémoc Blanco entra para política e é investigado em caso de corrupção
Comentários Comente

Rafael Reis

Um dos maiores ídolos da história do futebol mexicano, o ex-meia Cuauthémoc Blanco, 43, entrou para a vida política há somente ano e já se envolveu em seu primeiro grande caso de corrupção.

O ex-jogador e prefeito de Cuernavaca desde janeiro é acusado de ter sido ''contratado'' pelo PSD (Partido Social Democrata) por 7 milhões de pesos mexicanos (pouco mais de R$ 1,1 milhão) para disputar a prefeitura da cidade de 350 mil habitantes na eleição de 2015.

Blanco

O programa ''10 em punto'', da TV Univision, chegou a exibir o contrato que teria sido assinado pelo ex-camisa 10 da seleção mexicana para entrar na vida pública e participar do pleito.

De acordo com a lei mexicana, esse tipo de transação é crime e pode ser punido com até 22 anos de prisão.

Blanco, evidentemente nega as acusações, e acusa a oposição de ter forjado sua assinatura e o documento que comprovaria o pagamento.

''Querem a minha renúncia, mas motivo algum me fará abandonar esse cargo. Fechei um compromisso com os cidadãos porque sou uma pessoa honesta. Recebi ameaças de morte, mas não tenho medo de ninguém'', rebateu.

Além desse caso, a Justiça mexicana investiga outra denúncia envolvendo o ex-jogador. O prefeito de Cuernavaca é acusado de estar usando dinheiro público para fazer repasses mensais a oito familiares, incluindo sua mãe, irmãos e padrasto.

Batizado com o nome de um histórico governante do Império Azteca, Blanco atuou pela seleção mexicana por 19 anos (entre 1995 e 2014) e disputou três edições da Copa do Mundo.

O meia, que chegou a ter uma passagem pelo Valladolid, da Espanha, passou a maior parte da carreira jogando na liga mexicana e é o segundo maior artilheiro da história do América, com 153 gols.

Ídolo nacional e, principalmente, da torcida do América, Blanco abandonou o futebol profissional no ano passado, mas chegou a disputar uma partida do Torneio Clausura de 2016, quando já era prefeito de Cuernavaca, como parte das comemorações do centenário do clube.


Mais de Cidadãos do Mundo

Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions
Sozinho, Messi vale mais que elencos de 12 times da Champions
Desemprego e 2ª divisão: 5 campeões mundiais que estão no ostracismo


Até casa de apostas é dona de time na 1ª divisão da Inglaterra
Comentários 3

Rafael Reis

O inédito título inglês conquistado pelo Leicester na temporada passada provocou prejuízos históricos para as casas de apostas britânicas, que tiveram de desembolsar pelo menos 15 milhões de libras (R$ 66 milhões) para premiar os poucos que previram a façanha histórica.

Se o azarão não fosse a equipe de Vardy e Mahrez, mas sim o Stoke City, essa informação deixaria de ser uma simples curiosidade para se tornar o centro de uma importante discussão ética sobre conflito de interesses.

Stoke City

É que os Potters, apelido do time que está na primeira divisão inglesa desde 2008 e foi nono colocado na última temporada, não têm uma casa de apostas apenas como patrocinador principal e dono dos naming rights do seu estádio.

A relação é bem mais profunda. O Stoke City pertence a uma das maiores redes de apostas esportivas via internet do planeta, o Bet365, que atua em quase 200 países e possui cerca de 19 milhões de clientes.

O presidente do clube, Peter Coates, é também quem dirige o grupo, que foi fundado em 2000 e adquiriu o time da cidade de Stoke-on-Tent seis anos depois

“Eu e minha família não vemos o Stoke como um negócio. É algo importante para nossa região e que gostamos de fazer”, disse Coates, em entrevista publicada pelo jornal “Guardian”, em 2015.

A parceria de dez anos entre o time e uma empresa que ganha dinheiro com as previsões de resultados de partidas de futebol (inclusive as envolvendo a equipe que lhe pertence) nunca produziu nenhum grande escândalo e nem incomoda a Inglaterra, um país que é apaixonado pelas apostas.

Mas, internacionalmente a coisa é bem diferente. A Fifa e Uefa monitoram constantemente apostadores e plataformas de apostas para detectar partidas com propensão a fraude e manipulação de resultados.

O poderio das casas de apostas (as legalizadas, caso da Bet365) sobre o futebol é cada vez maior. Nove dos 20 clubes da Premier League são patrocinados por uma empresa do segmento. A segunda divisão inglesa leva o nome de um site do gênero. E há ainda o caso do Stoke…


Mais de Clubes

– Barcelona irá montar time de futebol feminino nos EUA
– Cabeça de touro e boicote: caçula da Alemanha é alvo de ódio de adversários
– Time parceiro de Apple, Google e Facebook promete revolucionar o futebol
– 5 novelas para acompanhar na última semana da janela de transferência


5 grandes promessas do futebol brasileiro que foram parar na 2ª divisão
Comentários 23

Rafael Reis

A história é sempre a mesma: garoto com talento acima da média começa a fazer um gol atrás do outro, é descoberto pela imprensa, vira xodó dos torcedores e rapidamente começa a ser tratado como grande promessa, aquele jogador que fará parte do futuro da seleção brasileira.

Alguns conseguem cumprir a profecia. Protagonizam uma transferência milionária, passam a vestir as camisas de clubes do primeiro escalão da Europa e disputam a Copa do Mundo. São os Neymares e Oscares da vida.

Mas tantos outros ficam pelo caminho. Vários até constroem carreiras sólidas em mercados menos expressivos, mas jamais alcançam aquele status de estrela do futebol mundial que parecia reservado a eles.

Mostramos abaixo cinco jogadores que surgiram como grandes promessas brasileiras, mas que hoje atuam em campeonatos de segunda divisão no exterior.

LUCAS PIAZÓN
22 anos
Meia-atacante
Fulham (ING)
Lucas Piazon
Protagonista de uma disputa judicial com o São Paulo quando tinha apenas 15 anos, foi negociado com o Chelsea antes mesmo de estrear como profissional no Brasil. Vinculado ao time inglês desde 2012, já foi emprestado para cinco equipes de quatro países diferentes. Atualmente no Fulham, da segunda divisão inglesa, decidiu no começo do mês criticar publicamente o Chelsea por essa política de empréstimos seguidos e disse estar “cansado” de tantas mudanças.

VICTOR ANDRADE
20 anos
Meia-atacante
1860 Munique (ALE)
Victor Andrade
Um dos primeiros garotos do Santos a ganhar o rótulo de “novo Neymar”, estreou entre os profissionais com apenas 16 anos e chegou a estar na mira do Barcelona –teve a prioridade de sua venda negociada com os catalães. Negociado com o Benfica em 2014, passou sua primeira temporada em Portugal atuando pela equipe B e depois foi emprestado ao Vitória de Guimarães. Atualmente, está cedido ao 1860 Munique e tem sido reserva na 2. Bundesliga.

GEUVÂNIO
24 anos
Meia-atacante
Tianjin Quanjian (CHN)
Geuvanio
Pouco badalado nas categorias de base do Santos e sem muito espaço quando foi promovido ao time adulto, estourou no Paulista de 2014, quando foi eleito a revelação e integrou a seleção do campeonato e foi titular absoluto da equipe por dois anos. Em janeiro, aceitou abdicar de uma possível futura carreira na Europa para jogar (e ganhar muito dinheiro) na segunda divisão chinesa depois de receber um convite de Vanderlei Luxemburgo. O treinador já não está mas no Tianjin Quanjian, mas Geuvânio segue fazendo seus gols e dando suas assistências no Oriente.

RAFAEL MARTINS
27 anos
Atacante
Levante (ESP)
Rafael Martins
Formado nas categorias de base do Audax (na época, Pão de Açúcar), o centroavante ficou conhecido nacionalmente ao marcar sete gols em uma única partida na Copa São Paulo de 2008 com a camisa do Grêmio. O sucesso precoce o levou à Espanha já no ano seguinte. Mas Rafael não conseguiu se firmar no Zaragoza, voltou ao Brasil e rodou bastante por aqui até voltar à Europa em 2013. Autor de 16 gols atuando por empréstimo pelo Moreirense no último Campeonato Português, foi chamado de volta pelo Levante, dono dos seus direitos econômicos, para disputar a segunda divisão espanhola.

BRUNO MEZENGA
28 anos
Atacante
Eskisehirspor (TUR)
Bruno Mezenga
Apelidado com o nome do personagem de Antônio Fagundes na novela “O Rei do Gado”, Bruno foi lançado na equipe profissional do Flamengo em 2005, quando tinha apenas 16 anos. A precocidade criou uma euforia em torno do garoto, que, no entanto, não correspondeu a ela. Após sucessivos empréstimos, teve novas chances no clube do Rio e 2009 e 2010, mas sempre coo reserva. Está na Turquia desde 2012 e marcou três gols em seus primeiros jogos pelo Eskisehirspor, clube que o contratou nesta temporada.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Mais de 10% dos brasileiros da Champions escolheram defender outra seleção
– 5 ex-jogadores da seleção brasileira que hoje estão na 2ª divisão
– David Luiz passa Ronaldo e é o 2º brasileiro em vendas milionárias somadas
Investimento em brasileiros cai 34% e é o pior em 4 anos na janela europeia


Traído mais famoso do futebol evita redes sociais e lucra com pôquer
Comentários 2

Rafael Reis

27 de fevereiro de 2010. O lateral esquerdo Wayne Bridge, então jogador do Manchester City, caminha cumprimentando os jogadores do Chelsea, um a um, antes da partida entre os dois times. Ao cruzar com John Terry, ele ignora o braço estendido do zagueiro e o deixa “no vácuo”.

A cena, acompanhada via TV por milhões de pessoas ansiosas como se estivessem acompanhando ao último capítulo de uma novela, foi a forma encontrada pelo jogador de reagir à humilhação pública que o capitão do Chelsea havia lhe provocado.

Terry-Bridge

Bridge e Terry foram companheiros no clube londrino e na seleção inglesa por seis anos. Mais que isso, eram vizinhos e amigos. O que o lateral não sabia que é eles também dividiam a mesma mulher.

O escândalo estourou em 2010, quando Bridge, logo após a transferência para o City, descobriu que o zagueiro havia tido relações com a modelo e atriz francesa Vanessa Perroncel enquanto ela era casada com o lateral.

O caso, explorado a esmo pelos sensacionalistas tabloides britânicos e nunca confirmado por Perroncel ou Terry, fez com que o jogador anunciasse sua aposentadoria da seleção para não ter de atuar ao lado do antigo amigo e ganhasse o maldoso rótulo de “traído mais famoso do futebol mundial”.

Seis anos depois do escândalo, Bridge evita os holofotes. O inglês não possui conta em redes sociais e raramente concede entrevistas.

Suas aparições públicas normalmente se limitam a algumas fotos familiares publicadas no Instragram de sua atual mulher, a cantora Francesca Bridge, com quem tem dois filhos, e poucos eventos de uma empresa de pôquer online que o tem como garoto-propaganda.

O lateral de 36 anos deixou o futebol profissional em 2014, quando foi dispensado do Reading, da segunda divisão inglesa, depois de disputar apenas 12 partidas pelo clube.

Bridge hoje

Entre o escândalo com Terry e o curto período no Reading, havia tido passagens sem sucesso por West Ham, Sunderland, Brighton e, claro, Manchester City.

Mesmo aposentado e recluso, Bridge não conseguiu fazer as pessoas esquecerem do mais famoso episódio de sua vida/carreira. Faça o teste. Pergunte a qualquer um sobre o lateral. Quem souber de quem se trata, fatalmente citará o nome de Terry na resposta.


Mais de Cidadãos do Mundo

Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions
Sozinho, Messi vale mais que elencos de 12 times da Champions
Desemprego e 2ª divisão: 5 campeões mundiais que estão no ostracismo
Rivalidade à prova: os 5 maiores confrontos Mourinho x Guardiola


Clássicos, treta e David Luiz: os 3 jogos imperdíveis do fim de semana
Comentários Comente

Rafael Reis

E aí, já sabe o que vai fazer no fim de semana? Pretende viajar com os amigos, ir ao cinema, ter uma noite romântica com a namorada, pegar uma balada ou acompanhar o melhor do futebol internacional?

Se a última opção faz parte dos seus planos, estou aqui para te ajudar. Aliás, a partir de agora, sempre estarei aqui para orientá-lo.

A cada sexta-feira, o “Blog do Rafael Reis” publicará um miniguia com as três partidas mais imperdíveis do fim de semana para você se programar e não deixar nada de interessante escapar.

Para começar, temos Campeonato Inglês na sexta e Italiano e Espanhol no domingo.

CHELSEA X LIVERPOOL
Sexta-feira, 16h (de Brasília)
ESPN Brasil
5ª rodada do Campeonato Inglês
Chelsea
A pisada de Diego Costa em Emre Can em encontro entre as duas equipes em 2015 ainda não foi esquecida, tanto que o temperamento do centroavante naturalizado espanhol foi o assunto predominante nas entrevistas durante a semana. O técnico do Liverpool, Jürgen Klopp, prometeu que não irá orientar seus jogadores a provocar Diego para tentar cavar uma expulsão. Mesmo assim, promessa de clima quente no clássico que pode colocar o Chelsea na liderança da Premier League. A novidade do time londrino será a reestreia do zagueiro brasileiro David Luiz, de volta após passagem pelo Paris Saint-Germain.

INTER DE MILÃO X JUVENTUS
Domingo, 13h (de Brasília)
ESPN Brasil
4ª rodada do Campeonato Italiano
Juventus
Apesar de a Inter não viver seu melhor momento, a Juve, 100% de aproveitamento no Campeonato Italiano, respeita demais o clássico. Respeita tanto que decidiu dar um descanso para um dos seus principais jogadores, o meia Pjanic, na estreia da Champions e seu deu mal por isso (empatou em casa com o Sevilla). O atacante Gabigol, recém-contratado pela Inter, deve ser apresentado à torcida no gramado do Giuseppe Meazza antes da partida.

ESPANYOL X REAL MADRID
Domingo, 15h45 (de Brasília)
Fox Sports
4ª rodada do Campeonato Espanhol
Real
Se você quer ver gols, muitos gols, essa é a partida certa para se acompanhar. Os confrontos recentes entre o atual campeão europeu e o segundo time de Barcelona têm sido sinônimo de placares elásticos. Na temporada passada, o Real aplicou duas goleadas por 6 a 0 sobre os catalães. Em 2013/14, as vitórias foram só um pouco mais modestas: 4 a 1 e 3 a 0. Chance para os madrilenos apagarem a impressão não muito boa deixada na estreia na Champions –virada sobre o Sporting nos acréscimos.


Mais de Cidadãos do Mundo

Geração anos 1990 domina bancos de reservas da Champions
Sozinho, Messi vale mais que elencos de 12 times da Champions
Desemprego e 2ª divisão: 5 campeões mundiais que estão no ostracismo
Rivalidade à prova: os 5 maiores confrontos Mourinho x Guardiola


Rica e com inchaço, China deixa 3 ex-seleção brasileira na “geladeira”
Comentários 34

Rafael Reis

O meia Wagner e os atacantes Diego Tardelli e Jô, todos com passagem pela seleção brasileira, não disputam uma partida oficial desde julho. E nem vão voltar a campo antes do fim da temporada.

Apesar de terem sido titulares dos seus times na maior parte da primeira metade do Campeonato Chinês, os três jogadores não foram inscritos no segundo turno da competição.

Diego Tardelli

O trio acabou sendo vítima da rápida expansão econômica do futebol do país mais populoso do planeta e das rígidas regras para a escalação de estrangeiros no Oriente.

Como o regulamento da Superliga permite a inscrição de apenas cinco jogadores estrangeiros (sendo que um precisa ser asiático) por time, as equipes que quiseram contratar novas estrelas internacionais na janela de transferências do meio do ano tiveram de abdicar de quem já estava no elenco.

E foi graças ao aumento do poderio financeiro dos chineses que Wagner, Tardelli e Jô se deram mal.

O Shandong Luneng liberou Tardelli porque contratou em julho dois novos atacantes de sucesso internacional: Graziano Pellè, titular da Itália na Eurocopa, e o senegalês Papiss Demba Cissé, ex-Newcastle.

Já o Jiangsu Suning decidiu trocar Jô, até então seu vice-artilheiro em 2016, com seis gols, por Roger Martínez, atacante que faz parte atualmente da seleção colombiana.

Wagner, por sua vez, foi descartado do Tianjin Teda porque o clube preferiu gastar sua quarta vaga de estrangeiro com o gabonês Malick Evouna, um reforço de mais de 7 milhões de euros (R$ 26 milhões) contratado do Al Ahly, do Egito.

''É complicado para a China aumentar o limite de estrangeiros porque o projeto deles não é só desenvolver um campeonato, mas sim o futebol como um todo. Eles querem formar jogadores locais e agradar o mercado interno, então é uma situação bem complexa'', afirma o advogado Marcos Motta, especialista em transações internacionais.

''O jogador vai ter que decidir: se quer ganhar dinheiro e aceitar essa situação [de não jogar] ou se vai forçar a barra para ir embora'', completa.

Afastados dos elencos principais dos seus clubes e sem perspectiva de voltar a jogar em 2016, a menos que seja transferidos para outras equipes, Jô e Tardelli foram liberados para voltar ao Brasil e treinaram para manter a forma no Atlético-MG.

O Campeonato Chinês se transformou nos últimos anos em um dos principais mercados para jogadores brasileiros.

Atualmente, 21 representantes do futebol pentacampeão nacional disputam a primeira divisão. Três deles, o zagueiro Gil e os meias Renato Augusto e Paulinho também fazem parte da seleção.


Mais de Brasileiros pelo Mundo

Mais de 10% dos brasileiros da Champions escolheram defender outra seleção
– 5 ex-jogadores da seleção brasileira que hoje estão na 2ª divisão
– David Luiz passa Ronaldo e é o 2º brasileiro em vendas milionárias somadas
Investimento em brasileiros cai 34% e é o pior em 4 anos na janela europeia